AS DUAS EMPRESAS DA RUA NOVA YORQUE

Achei que já tivesse postado alguma coisa sobre duas empresas jalesenses, abertas no mesmo dia e no mesmo endereço, mas, revendo o que escrevi, notei que mencionei o caso apenas “an passant”, em um post sobre a iniciativa privada e o tráfico de influência. Então, vamos ao caso:

A foto aí do lado mostra a sede de duas empresas abertas para a mesma finalidade: oferecer palestras e cursos de capacitação, principalmente, na área social de prefeituras, inclusive a de Jales. Mais ou menos a mesma finalidade da empresa EM FOCO Cursos Livres, Técnicos e Profissionalizantes, aberta em 2009 pelas senhoras Rosângela Parini e Marli Mastelari. O prédio possui apenas uma sala, onde, antes de as empresas o alugarem, funcionava um açougue, mas, para efeito de abertura das empresas, ele possuía duas salas, a sala “A” e a sala “B”. À Comissão de Licitação da Prefeitura, a dona do imóvel disse que os dois empresários pagavam o aluguel, mas nunca utilizaram o prédio.

Na sala “A” funcionava, em tese, a empresa Ronaldo Maschetti – Cursos Técnicos-ME, enquanto na sala “B” deveria funcionar a empresa Gustavo Petinari – Cursos Livres. Reparem como esse pessoal é criativo na hora de escolher o nome de suas empresas. Pois bem, essas duas empresas abertas no mesmo dia e no mesmo endereço, na Rua Nova Yorque, começaram suas atividades participando de duas licitações na Prefeitura de Jales e, uma delas, a Gustavo Petinari – Cursos Livres, “ganhou” ambos os certames.

Como essas empresas foram convidadas para participar de licitações na Prefeitura de Jales, é um assunto que precisa ficar melhor esclarecido, mas isso caberá, no tempo certo, à Câmara e ao Ministério Público. Duas coincidências chamam a atenção: Ronaldo Mascheti, um dos empresários, é um eletricista que, há bastante tempo, trabalha junto com a nossa primeira-dama, Rosângela Parini, no Fundo Social de Solidariedade; Gustavo Petinari, o outro empresário, é psicólogo, tal como a primeira-dama e, segundo dizem, era muito amigo dela. Na época em que resolveu virar empresário, Gustavo prestava serviços na Secretaria de Promoção Social da nossa Prefeitura, como contratado da Aderj.

Em março de 2009, a dupla tentou ganhar mais uma licitação, mas a Comissão de Licitação da Prefeitura – alertada por pessoas da própria Secretaria da Promoção Social, que não concordavam com aquele estado de coisas – tratou de efetuar algumas diligências e encaminhar o caso à Procuradoria Geral do Município. Em seu relatório, a procuradora jurídica da municipalidade, Tatiana Queiroz Félix, apontou os indícios de fraude na licitação e sugeriu medidas administrativas contra as duas empresas, entre as quais a proibição de contratar com a Prefeitura de Jales.

Resta saber se as empresas pertenciam realmente aos dois “empresários” e se os cursos e as palestras foram efetivamente ministrados. Tenho cá um palpite, mas vou guardá-lo prá mim.

16 comentários

  • Renato César Pereira

    A porta de entrada para as salas A e B apresenta sete colunas de dez buracos, totalizando 70 buracos. Será que foram feitos por apenas uma ave da ordem Piciformes, família Picidae, de tamanho pequeno a médio com penas coloridas e na maioria dos machos com uma crista vermelha.

  • Astolfo

    O meu sonho é ver esta corja de safados sair algemada da Prefeitura.REPITO: ALGEMADOS!

  • Renato, isso tá me parecendo um pica-pau.

  • Astolfo é o verdadeiro nome de Rogéria, famoso travesti brasileiro, alias uma pessoa maravilhosa, principalmente em cultura geral.Para ser mais completo- Astolfo Barroso Pinto

  • Simplesmente acredito que isso é coisa de desocupado que não tem o que fazer, se tiver alguma duvida se os cursos feitos pelo monitor Ronaldo Maschetti é só procurar aos monitorados, que são mais ou menos uns 200 e pedir o certificado de conclusão para verificarem, e se quizerem posso até passar alguns que não concluirão o curso e tiverão que refazer novamente o curso, porque nossos cursos o monitorado sai capacitado a fazer o serviço, isso significa que o certificado não sai apenas por sair, e sim para quem esta apto a trabalhar realmente, não fazemos como varias empressas que só querem o dinheiro e o resto que se dane.

    A respeito do comentario de nosso “AMIGO” Renato CESAR Pereira o monitor da Sociedade do Sol, que veio a Jales para fazer somente um barulho que de nada Resolveu por aqui, somente queria usar alguns cobais como eu para tentar levar alguma coisa. Pediu um espaço para montar um centro de referencia solar em nossa cidade, cobrando uma taxa “simbolica” no valor de mais ou menos R$ 150,00 (cento e cinquenta reais) por aluno para fazer um curso de aquecedor solar com apenas 8 horas de curso.
    Sendo que fizemos este curso inteiramente gratis para 20 alunos,e o material gasto no curso foi totalmente utilizado em uma pre escola municipal.
    Agora quero ver o que o Renato Utilizou de seu curso em Jales, o que ele propos a instalar por aqui foi tudo pago por entidades como o fundo social de solidariedade e Rotari clube de Jales.
    Sem falar que o Rotari clube gastou R$ 900,00 reais em um aquecedor montado por Renato cezar pereira e o mesmo não funcionou por causa de vazamentos de agua e levou a conta de agua de uma entidade a quase 250% de gasto a mais, Um gasto e tanto para quem queria economizar hen!!!
    Agora fico me perguntando : Como uma pessoa consegue ficar o dia inteiro falando da vida dos outros, sera que não tem o que fazer, de onde vem o que comer, será que alguem esta bancando ela para fazer isto… Fica uma pergunta em aberto para quem quizer responder.

  • Prezado Picidae, não estou discutindo a qualidade, ou a falta de, dos seus cursos de eletricista. O que estou relatando no post acima é o fato indesmentível de o senhor, mais o senhor Gustavo Petinari, abrirem duas empresas no mesmo dia e no mesmo endereço para, juntos, tentar fraudar licitações. Talvez o senhor nem saiba a extensão do que fez, já que o fez provavelmente por orientação de alguém muito irresponsável, mas seria bom se informar sobre o assunto.

    • Renato César Pereira

      “O diabo ensina fazer, mas não ensina esconder”
      Senhor RM, o mundo sabe que não tenho empresa ou indústria e que não vendo, não distribuo, nem instalo ou comercializo produtos ou presto serviços. Desenvolvo uma tecnologia social não patenteada disponível gratuitamente, inclusive com manual na internet. Minha vida e de minha família sempre foi atrelada à área educacional e nos orgulhamos de ter galgado posições apenas através de concursos públicos. Não existe político e nem filiado a partido político em minha família. Não nos agrada este tipo de gente.
      É bom que se diga que tenho pavor de altura, minha pele é alva, não tenho marcas de expressão ou calos nas mãos e vivo cercado apenas de cachorros e livros. Moro e trabalho numa cidade de primeiro mundo, com todo conforto e tecnologia possível e tenho tempo de sobra para bisbilhotar as notícias ruins que vem daí.
      É evidente que tentei fazer algo por nossa cidade e que gastei tempo e dinheiro por aí. Basta consultar os registros da ConstruJales, solicitar cópia das notas fiscais, ou o que quer que seja para demonstrar.
      Tenho registros – notas fiscais – que apontam que a prefeitura pagou apenas uma caixa d’água no valor de R$ 70,00 para a família da Vila União. O Rotary doou o ASBC para a AAACAJ e o senhor andou vendendo e instalando alguns ASBC’s pela cidade. O resto é panaceia.

      • Ha, entendi o diabo ensina fazer, e verdade mesmo!!!
        Acho que ele apareceu em jales na pessoa de RCP e ensinou a fazer e depois sumiu, agora sei quem é o diabo não o conhecia, agora sei quem é…

  • Renato César Pereira

    “Boca de Aluguel” é mais degradante do que “ser anônimo”.

  • Gostaria de saber de onde veio os dois carros, uma moto nova, e mais dois terrenos que ele comprou durante os mandatos do prefeito parini, para quem andava de bicicleta a 6 anos atras, hoje esta com dois carros, uma moto nova, dois terrenos e sem contar as duas casas que tem, fico meio espantado, estou a quase vinte anos tentando fazer a minha e só o que consigo é pagar a prestação de meu lote, acho isso errado, será que o sol nasceu só para os amigos da primeira dama, ou tem algo mais entre os dois, fora a amizade.

  • Preclaro “Fora PT”, tive que excluir o seu comentário. Esse tipo de opinião deve ser evitado, pois coloca em risco tanto a você, quanto o responsável pelo blog.

  • anônimo

    moradores de paranapuã disseram que viram a tal primeira dama com carro da prefeitura municipal de jales, “trabalhar” em paranapuã . Agora lhe pergunto, prestar serviço assim é facil né ? usar a máquina pública para beneficio próprio é legal?

  • Prezado anônimo, a acusação é grave. No entanto, não se pode falar esse tipo de coisa em provas. Arrume três testemunhas e eu mesmo farei questão de levar o caso ao Ministério Público.

  • não acreditado em nada o que diz nessa reportagem, defendo os empresários com todo meu coração, pois são pessoas acima de qualquer suspeita, são pessoas exelentes, não se pode provar aquilo que não se é feito!!!!!! Pura enganação!

  • Você está coberta de razão. Eu inventei tudo isso. Sou um cara muito criativo.

  • Não enventou, talvez tenha falado a verdade só que não gostei da forma que voce apurou os fatos, muito acusativo e deboxado, vc falou em uma determinada frase o seguinte:”Na sala “A” funcionava, em tese, a empresa Ronaldo Maschetti – Cursos Técnicos-ME, enquanto na sala “B” deveria funcionar a empresa Gustavo Petinari – Cursos Livres. Reparem como esse pessoal é criativo na hora de escolher o nome de suas empresas”!!!! Voce os chamou de burros”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *