AS PARTICIPAÇÕES DA DEMOP

Li no blog do amigo Murilo Pohl, uma notícia que não é recente, mas que é interessante e, por isso mesmo, ele deve ter postado. Afinal, é importante que as pessoas saibam o que anda acontecendo por aí. Diz a notícia que a Procuradoria Geral de Justiça do Estado de São Paulo (PGE), instaurou inquérito civil para apurar possível improbidade administrativa e enriquecimento ilícito contra a empresa Demop Participações Ltda., por conta do contrato firmado com a prefeitura de Olímpia, no valor de R$ 8 milhões. O inquérito foi aberto em setembro do ano passado e, de lá para cá, não se tem mais notícias das investigações. Pode ser que tenham dado em nada, mas pode ser também que ainda não tenham terminado.

A Demop Participações é uma empreiteira de Votuporanga, com ótimos contatos em gabinetes de Brasília. No ano passado, além de Olímpia, a empresa venceu outras licitações para execução de serviços de recapeamento asfático em cidades como Votuporanga, Icém, Bastos e, é claro, Jales, onde a Prefeitura e a Demop firmaram uma Ata de Registro de Preços em torno de R$ 5,9 milhões. Foi a primeira licitação desse tipo – Registro de Preços – realizada pela Prefeitura de Jales. E, por coincidência, foi também, se não me falha a memória, a primeira licitação vencida pela Demop na administração Parini. O edital da licitação, segundo fiquei sabendo, é muito parecido com o de Olímpia, o que pode ter sido apenas outra agradável coincidência, embora não seja recomendável acreditar em coincidências quando o assunto é licitação.

Mas o atento leitor deve estar se perguntando o que seria uma Ata de Registro de Preços. Ela é uma espécie de pré-contrato firmado entre a Prefeitura e a empresa, válido por doze meses.  À medida em que a Prefeitura vai obtendo os recursos, aí então é assinado um contrato no valor da verba ou do convênio obtido e executados os serviços. Em Jales, se a minha pesquisa ao Diário Oficial estiver correta, foram assinados quatro contratos entre a Prefeitura e a Demop, totalizando R$ 2,7 milhões, ou seja, quase a metade do valor ajustado na Ata de Registro de Preços.

Um dos amigos que deixei na Prefeitura – conhecido por suas profecias nem sempre otimistas – me disse, há algum tempo, que, se tudo corresse bem, esse pré-contrato de quase R$ 6 milhões seria a redenção da administração municipal no quesito asfalto, uma vez que, segundo ele, iriam sobrar pouquíssimos buracos nas ruas de Jales. Pois é, como se pode ver, quase metade dos recursos já foram contratados e, provavelmente, executados pela Demop. E a cidade parece cada vez mais esburacada. Ou não?

5 comentários

  • Paulo Reis Aruca

    Participações!!!!! Sugestivo termo!

  • PIDI

    POIS É PARTICIPAÇÕES…ESTA EMPRESA TA MANDANDO MUITO EM BRASILIA E ATÉ NO FORO DA CIDADE DE VOTUPORANGA…E TAMBEM EM GOVERNOS DO ESTADO…

  • CARLOS DIREITO

    Empresa DEMOP começou qdo o então ex-prefeito CARLOS PIGNATARI de Votuporanga – SP e Olívio Scamatti eram funcionários da FRANGO RICO e ambos segundo se comenta, foram mandado embora do Frigorifico FRANGO RICO quer era de seu pai e um sócio JOSE GALERA LOPES, por desvio de conduta. Passou um tempo, segundo informe, Carlos compra uma retro e nasce a DEMOP, que tem as siglas dos irmãos SCAMATTI, mas tem participação como a própria razão social diz, PARTICIPAÇÃO, onde deve estar incluindo vários deputados, inclusive o agora DEPUTADO ESTADUAL CARLOS PIGNATARI, que saiu com boa votação e deixando na PM de Votuporanga problemas de desvio na MERENDA ESCOLAR e APOSTILA DO COC. Esta é a politica dos tucanalhas

  • Anônimo

    o jd do bosque ta uma merda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *