MEIO-AMBIENTE: SUJISMUNDOS DESPEJAM LIXO EM ESTRADA

Definitivamente, o crescimento em ritmo chinês que a nossa cidade vem experimentando nos últimos anos pode até ter proporcionado ao prefeito Humberto Parini um prêmio do insuspeito Instituto Brasileiro de Verificação de Gestão – IBVG, mas, de outro lado, tem rendido também alguns problemas comuns às grandes cidades.

É o caso, por exemplo, que se vê nas fotos deste post. Há alguns dias, um “companheiro” me mandou um email pedindo prá que eu desse uma olhadinha na situação da estrada municipal que leva ao antigo Lixão, mas, as chuvas constantes estavam me desestimulando a fazer uma incursão por aquela região da cidade. No entanto, hoje, bem na hora do Globo Esporte, recebi uma ligação de um amigo que também me alertou para o problema. De modo que não houve escapatória: tive que botar o carro na lama.

E a situação por lá é realmente vergonhosa. Não apenas para a Prefeitura, mas, principalmente, para os sujismundos que, sem nenhum pudor, despejam na estrada todo tipo de lixo, incluindo sofás, colchões, penicos, animais mortos, galhos de árvores, restos de construção e o escambau. Inclusive lixo doméstico.

Esse tipo de coisa acontece por dois motivos: falta de educação e falta de fiscalização. Numa cidade minimamente organizada, já se teria colocado fiscais para punir os sujismundos. O administrador da propriedade de dona Minerva Izar Jalles, por onde passa a estrada, me disse que até algumas empresas despejam lixo ali. Não seria, então, tão difícil assim identificar os mal-educados.

E já que a Prefeitura não faz nada prá impedir, só nos resta torcer para que o Ministério Público faça alguma coisa. Afinal, aquilo ali não significa apenas uma agressão ao meio-ambiente, mas também um atentado à Saúde pública.

5 comentários

  • Cardoso, cadê o trabalho da Ecoação? Que deveria sair do palco e ser mais platéia!

  • Paulo Reis Aruca

    De uma chegadinhã na Rua Dez com a Guatambus, para vc ver o que e’ falta de educação!!!! Uma família da casa desta esquina
    e’ vitima da sujismundice de seus próprios vizinhos, que jogaram ate ‘ um sofá na calcada da casa.

  • cHICO eSPORRA

    Agora parece que vai. Depois de um mês da audiência com o secretário de Estado de Logística e Transportes, , os vereadores aprovaram ontem na sessão ordinária, o projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a permitir a posse definitiva ao DER (Departamento de Estradas de Rodagem) de duas áreas.
    O primeiro a ser cedido possui 317,97 m² e a segunda, de 3.450,60 m². As áreas
    tratam de locais que o Departamento solicitou a liberação para que seja iniciada a
    duplicação da rodovia Euclides da Cunha.
    A lei possibilitará ao DER o início dos trabalhos, assim como fizeram os proprietários ao longo da estrada, que cederão a título gratuito ou oneroso, parte dos seus imóveis para o mesmo fim.
    O presidente da Câmara Municipal, Mehde Meidão Slaiman Kanso, falou sobre a
    aprovação do projeto. Ele repercutiu uma reportagem da mídia regional que alegava que o governador Geraldo Alckmin, estaria na região apenas com o início da duplicação. “O projeto não foi encaminhado antes para esta Casa, porque não tinha solução, encontrada pelo assessor jurídico Jerônimo Figueira da Costa. Quase todos processos de desapropriação estão na mãos do governador. A obra pode sair em até 15 dias, eu ainda duvido, mas esperamos que neste mês demos início a grande conquista”, ressaltou.
    Meidão pediu ainda que fossem realizados tapa-buracos na via de Fernandópolis a
    Santa Fé do Sul, se estendendo a Péricles Belini. “Está quase intransitável”, emendou.

  • dalua

    É triste a situação do lixo jogado nas estradas rurais. Não é pobre. O pobre não tem como levar. É só percorrer mais 500,00 metros que chega ao Aterro Sanitário que possui até pré-tratamento do chorume. É um criadouro de mosquitos, roedores e baratas, que acabam vindo para a zona urbana. Uma mosca dependendo do vento pode voar 8 quilômetros. A quantidade lançada nos córregos marimbondinho e tamboril é de asustar. No final de 2010, as crianças Projeto Dynamus recolheram num trecho de 100,00 metros mais de 8 toneladas. Ambos os mananciais, estão na Bacia São José Dourados. Todo lixo jogado na cidade são levados com as chuvas. A situação é mais complexa do que imaginamos. Também no ano passado, na entrada da estação de esgotos jogaram um saco que se mexia. Parei para verificar. Encontrei 04 cachorrinhos que se encontravam amarrados para morrerem. A questão ambiental esta muito distante da necessidade. É água de chuva nos esgotos, com camisetas, absorventes e muito mais. Enquanto o papel higiênico vai para o lixo. Geramos uma média de 500 gramas lixo/habitante/dia, sem contar podas, móveis e utensílios. São 10 mil litros de óleo fritura por mes. Em Yokahama – Japão é preciso separar o lixo no minímo em 6 tipos, colocando em sacos brancos. A diferença é cada um fazer diferente. O assunto ambiental esta sempre em evidência. Todos sabem que é importante/necessário, muitos falam, mas poucos executam. Como a esperança deve ser mais forte que a evidência, fica o nosso sonho de mudança.

  • ecoação

    Concordamos com nosso amigo Dalua “muitos falam, mas poucos executam”; precisamos de Instituições e pessoas propositivas e não reativas; colaboradoras e atrapalhadoras; solidariedade e não competitividades… enfim, mais centralização no que possa ser transformador.
    Diretoria e colaboradores da ECOAÇÃO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *