Categoria: Geral

OXIGÊNIO ACABA EM HOSPITAIS DE MANAUS E VÍTIMAS DE COVID ESTÃO MORRENDO SUFOCADAS

Deu no Brasil 247:

Acabou o oxigênio nos hospitais de Manaus e as pessoas doentes de Covid-19 estão morrendo sufocadas.  “Estão relatando efusivamente que o oxigênio acabou em instituições como o Hospital Universitário Getúlio Vargas e serviços de pronto atendimento, como o SPA José de Jesus Lins de Albuquerque”, diz o pesquisador Jesem Oerellana, da Fiocruz-Amazônia.

“Acabou o oxigênio e os hospitais viraram câmaras de asfixia”, disse o pesquisador, segundo reportagem da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo. “Os pacientes que conseguirem sobreviver, além de tudo, deverão ficar com sequelas cerebrais permanentes”, completou.

Ainda segundo a reportagem, uma atendente teria relatado, chorando, que os pacientes estão sendo “ambuzados”, ou seja, recebendo oxigenação de forma manual, já que os respiradores estão sem oxigênio.

A mortandade em Manaus seria, segundo a notícia do 247, resultado direto da maneira como o governo Bolsonaro está agindo durante a pandemia. Já o ex-prefeito de Manaus, Artur Virgílio Neto, culpou o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), pelo descaso e classificou as mortes como assassinatos. 

“Somente hoje foram 28 mortos por falta de oxigênio no Pronto Socorro 28 de Agosto. Wilson Lima você é o pior governador que o Amazonas já teve e o que acontece em Manaus é assassinato aos moldes de Hitler, por asfixia. Isso é doloroso e cruel”, disse Arthur Virgilio em vídeo no Twitter.

“Eu queria dizer diretamente ao governador do estado que o nome disso é assassinato”, afirmou o ex-prefeito. “Como é assassinato se comprar respirador falso, respirador que não serve para curar ninguém, ainda mais em loja de vinho e com preços superfaturados”, acrescentou o ex-prefeito. 

BOLSONARO TENTA SABOTAR MEDIDAS CONTRA COVID, DIZ ENTIDADE DE DIREITOS HUMANOS

A ONG, com sede em New York, é uma das entidades mais respeitadas do mundo, na área dos direitos humanos. Deu no portal Metrópoles:

A organização não governamental de direitos humanos Human Rights Watch criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pela atuação na pandemia de Covid-19 no Brasil.

No Relatório Mundial 2021, divulgado nesta quarta-feira (13/1), o trecho referente ao Brasil afirma que o mandatário tentou sabotar os esforços para retardar a disseminação da Covid-19 no país. A ONG lembra que Bolsonaro chamou a doença causada pelo novo coronavírus de “gripezinha” e disseminou informações enganosas.

A entidade também afirma que Bolsonaro adotou outras políticas que atentam contra os direitos humanos e que o Supremo Tribunal Federal (STF) e outras instituições democráticas foram “forçados a intervir” para proteger esses direitos.

“O governo Bolsonaro promoveu políticas contra os direitos das mulheres e os direitos das pessoas com deficiência, atacou repórteres e grupos da sociedade civil e enfraqueceu a aplicação da lei ambiental, dando sinal verde às redes criminosas que se engajam no desmatamento ilegal na Amazônia e ameaçam atacar os defensores da floresta”, diz um trecho.

Para Anna Livia Arida, Diretora Associada da Human Rights Watch para o Brasil, é preciso que as instituições brasileiras continuem vigilantes.

“O presidente Bolsonaro colocou a vida e a saúde dos brasileiros em grande risco ao tentar sabotar os esforços de proteção contra a disseminação da Covid-19”, disse Anna. “O Supremo Tribunal Federal e outras instituições ajudaram a proteger os brasileiros e a bloquear muitas políticas que atentam contra direitos, embora não todas. Eles precisam permanecer vigilantes. ”

SILAS MALAFAIA DIVULGA FAKE NEWS PARA ATACAR EFICÁCIA DA CORONAVAC

Os dois enganadores devem estar rindo dos ingênuos que acreditam em suas mentiras. Deu no portal da revista Fórum:

O pastor bolsonarista Silas Malafaia divulgou pelo Twitter na noite desta terça-feira (12) uma fake news publicada pelo site Antagonista para atacar a eficácia da CoronaVac, a vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

“A grande imprensa se cada diante de um absurdo desse”, publicou Malafaias, que está em férias, compartilhando um print da matéria d’O Antagonista com a chamada: “Epidemiologista calcula eficácia da Coronavac em 49%; Butantan não responde”.

A informação, no entanto, foi contestada pela própria epidemiologista, Denise Garret, vice-presidente do Instituto Sabin, que em nota diz que O Antagonista errou ao publicar que ela calculou a taxa de eficácia da CoronaVac em 49%.

“O site O Antagonista erra ao publicar que calculei a taxa de eficácia da CoronaVac em 49%. A taxa mencionada foi descontextualizada e extraída de conversa não concluída com jornalista do site, em um momento em que dados e protocolos usados pelo Butantan estavam sendo analisados”, esclareceu a pesquisadora, em nota publicada nas redes sociais, que foi compartilhada por internautas no tuíte de Malafaia.

Denise afirma ainda que “todos saem perdendo com esse tipo de jornalismo descuidado” e reafirma a confiança na CoronaVac. Eis a nota:

BANCO DO BRASIL VAI FECHAR AGÊNCIAS E DEMITIR 5.000 FUNCIONÁRIOS

A notícia é do Poder360:

BB (Banco do Brasil) anunciou nesta 2ª feira (11.jan.2021) um plano de reorganização administrativa com fechamento de 361 unidades de atendimento e demissão de 5.000 funcionários. 

De acordo com a estatal, a expectativa é que seja possível economizar R$ 535 milhões em 2021 e R$ 2,7 bilhões até 2025 com as medidas adotadas. A revisão e o redimensionamento da estrutura organizacional devem ser feitas no 1º semestre deste ano.

A intenção, segundo o comunicado, é dar ganhos de eficiência e otimização em 870 pontos de atendimento no país. No saldo, o banco terá 347 agências a menos.

O número de agências caiu 19,7% e o de funcionários recuou 8,5% em 5 anos.

Das 361 unidades que serão fechadas, 112 são agências. O Banco do Brasil vai converter 243 agências em postos de atendimento. Outros 8 postos vão ser transformados em agências.

Há também encerramento de atividades em 242 postos de atendimento e 7 escritórios.

Em relação ao programa de demissão, o BB aprovou o PAQ (Programa de Adequação de Quadros) para otimizar a distribuição da força de trabalho e equacionar situações de vagas e excessos. Vai viabilizar também o PDE (Programa de Desligamento Extraordinário).

O número final de adesões e os impactos financeiros serão divulgados em 5 de fevereiro.

De acordo com o BB, a reorganização da rede de atendimento serve para se adequar ao novo perfil e comportamento dos clientes. Haverá revisão e redimensionamento nas diretorias, áreas de apoio e rede. As medidas servem para privilegiar a especialização do atendimento e ampliação da oferta de soluções digitais.

“Com as medidas, o BB expande sua capacidade de assessoramento gerenciado aos clientes, ampliando o relacionamento e os negócios e potencializando a satisfação e a fidelização”, afirmou o documento.

ESTUDO APONTA QUE CORONAVAC TEM EFICÁCIA DE 78% CONTRA COVID

E, segundo a notícia, das pessoas que, mesmo vacinadas, foram infectadas pela covid, nenhuma morreu. Deu no Brasil 247:

O Instituto Butantan encaminhou à Anvisa na manhã desta quinta-feira (7) informações a respeito da vacina Coronavac, da fabricante chinesa Sinovac,  em uma parceria com o governo de São Paulo.

O Instituto Butantan fez hoje o pedido de registro emergencial do imunizante à Anvisa e a expectativa do governo do estado é começar a aplicá-la no dia 25 de janeiro. 

Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, o estudo, que foi revisado na Áustria pelo Comitê Internacional Independente, aponta que o imunizante teve uma eficácia de 78% nos estudos finais realizados no Brasil.

A Coronavac também garantiu proteção total contra mortes nos voluntários vacinados que pegaram a Covid-19 e evita 100% de casos moderados e graves da doença.

A reportagem ainda informa que integrantes da área de saúde federal e estadual afirmam que a tendência será pela aprovação, até porque Bolsonaro já não pode arcar com mais uma acusação de interferência política no urgente tema da vacina.

PASTOR BOLSONARISTA QUE DEFENDIA CLOROQUINA E IVERMECTINA MORRE DE COVID, AOS 36 ANOS

Deu no site Metrópoles:

O pastor Thiago Andrade de Souza, de 36 anos, morreu de Covid-19 no último domingo, dia 3 de janeiro, em Campinas (SP). Souza trabalhava como programador e era um ativista bolsonarista, fazendo parte do movimento São Paulo Conservador.

Nas redes sociais, defendia o uso de cloroquina e ivermectina como tratamento precoce para a Covid-19.

“Se você tomou ivermectina, azitromicina ou hidroxicloroquina, poste no Facebook. Poste que é a favor. Vamos forçar as prefeituras a começarem a prevenção urgente. E fazer a distribuição gratuita”, publicou Thiago Andrade de Souza em seu Facebook, no dia 25 de novembro de 2020.

A maior parte dos estudos até agora atestam que as duas substâncias não são eficazes para o combate à infecção por coronavírus, o que une Organização Mundial da Saúde (OMS) e quase toda a comunidade científica. Ainda há estudos em andamento sobre doses e condições de uso, mas até agora não existe comprovação de eficácia como a sugerida pelo pastor e por outros bolsonaristas.

“Hoje é um dia muito triste, perdi meu irmão para essa doença, a Covid. Não entendo a vontade de Deus”, declarou nas redes sociais Daniel Andrade, irmão do pastor.

O pastor também recebeu mensagens de condolência do deputado federal Eduardo Bolsonaro (sem partido-RJ). O filho “02” do presidente não mencionou a causa da morte de Thiago Andrade de Souza.

“Agradecemos seus esforços na construção de um Brasil melhor. Que Deus conforte a família”, declarou Eduardo Bolsonaro.

COM BOLSONARO, BRASIL VOLTA À MARCA DE 14 MILHÕES DE FAMÍLIAS NA MISÉRIA

A extrema pobreza foi reduzida entre 2003 e 2014, mas voltou a subir com Temer e Bolsonaro. A notícia é do UOL:

O número de famílias em extrema pobreza cadastradas no CadÚnico (Cadastro Único para programas sociais do governo federal) superou a casa de 14 milhões e alcançou o maior número desde o final de 2014.

Segundo dados do Ministério da Cidadania, o total de pessoas na miséria no Brasil hoje equivale a cerca de 39,9 milhões de pessoas. São consideradas famílias de baixa renda aquelas que têm renda de até R$ 89 por pessoa (renda per capita).

Além das famílias na miséria, havia em outubro outras 2,8 milhões de famílias em situação de pobreza, com renda per capita média de moradores entre R$ 90 e R$ 178.

Os dados do cadastro são atualizados constantemente pelos seus integrantes e refletem as mudanças na condição de vida no país. Ele serve para que o governo saiba a renda das famílias e pague um valor complementar para superação da extrema pobreza no valor de R$ 41 a R$ 205, caso a família esteja inscrita e aprovada no Bolsa Família.

Durante o governo Bolsonaro, por exemplo, o número de famílias cadastradas em extrema pobreza saltou em 1,3 milhão (eram 12,7 milhões em dezembro de 2018, último mês do governo de Michel Temer).

Para este mês, a tendência é que a pobreza cresça no país com o fim de auxílio emergencial e outros programas que auxiliaram pessoas, entes e empresas por conta da pandemia.

Segundo os dados mais atualizados do Bolsa Família, em novembro eram 14,3 milhões de famílias aptas e aprovadas no programa. A média do valor pago naquele mês foi de R$ 329,19. Agora, com o fim do auxílio emergencial (com valores que variaram de R$ 300 a R$ 1.200 por mês), essa média vai baixar para R$ 190, como era antes da pandemia.

CLÍNICAS PARTICULARES VÃO IMPORTAR VACINA DA ÍNDIA PARA IMUNIZAÇÃO DE RICOS. OS POBRES FICARÃO À MERCÊ DE BOLSONARO

Deu no Brasil 247:

Enquanto o governo Bolsonaro boicota de todas as maneiras o início da vacinação do povo brasileiro, clínicas privadas irão importar 5 milhões de doses de vacinas desenvolvidas na Índia e garantir a imunização dos ricos e da classe média que puder pagar.

A Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) informou neste domingo (3) que negocia com o laboratório indiano Bharat Biotech a compra das vacinas, informa o G1. O presidente da entidade Geraldo Barbosa, chegou a ironizar a incompetência do governo Bolsonaro, que sequer conseguiu comprar agulhas e seringas. “Já é do nosso negócio ter agulha e seringa, já é nosso estoque de rotina”, disse ao UOL.

O imunizante que deve ser comprado pelas clínicas privadas, chamado de Covaxin, teve o seu uso emergencial na Índia aprovado neste domingo (03) pelas autoridades daquele país e ainda depende da autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser usado no Brasil. A entidade das clínicas privadas já recebeu sinalização do governo Bolsonaro de que o pedido será tratado com deferência.

A vacina está na fase três de testes na Índia, etapa em que a eficácia é verificada. Os primeiros estudos clínicos mostraram que o imunizante não gera efeitos colaterais graves e produz anticorpos para a Covid-19. De acordo com a agência Reuters, o país aprovou o uso emergencial da vacina em meio a críticas sobre a falta de informações sobre a eficácia do imunizante.

Segundo o presidente da ABCVAC, Geraldo Barbosa, a expectativa é a de que o resultado da terceira fase dos testes saia ainda neste mês de janeiro. Se isso se confirmar, o laboratório deve entrar em fevereiro com pedido de registro definitivo na Anvisa.

Em um cenário otimista, de acordo com ele, a vacina deve estar disponível nas clínicas particulares do Brasil na segunda quinzena de março.

PAÍS COMEÇA 2021 SUPERANDO MARCA DE 195 MIL MORTOS POR COVID

Deu no portal da revista Fórum:

O Brasil superou ontem, sexta-feira, primeiro dia de 2021, a triste marca de 195 mil mortos em decorrência da Covid-19, doença causada pelo coronavírus.

Segundo novo balanço sobre a pandemia divulgado pelo Ministério da Saúde, foram registrados nas últimas 24 horas 462 novos óbitos, o que totaliza, desde o início da crise sanitária, 195.411 mortes.

Ainda sem plano de vacinação, o país segue com números em patamares elevados. De ontem para hoje, foram contabilizados 24.605 novos casos de pessoas infectadas. O total de brasileiros que já tiveram contato com o vírus é de 7.700.578.

Mesmo com o fato de que o Brasil enfrenta uma segunda onda da pandemia, boa parte da população tem, nos últimos dias, ignorado totalmente os protocolos de segurança contra a doença, participando de festas, shows, enchendo praias e promovendo aglomerações.

O presidente Jair Bolsonaro faz parte desse grupo que vem desafiando o vírus. Nesta sexta-feira, ele chegou a promover aglomeração dentro d’água, em Praia Grande(SP), ao se lançar ao mar para nadar com apoiadores.

1 2 3 4 226