40 PREFEITURAS DA REGIÃO DE JALES IMPLANTAM SISTEMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE

A notícia é da assessoria de imprensa do Ministério Público Federal:

Seguindo recomendação feita pelo Ministério Público Federal em Jales, no interior de São Paulo, 40 prefeituras da região instalaram sistemas eletrônicos de ponto (controle biométrico) para os profissionais da saúde dos municípios. O pedido feito pelo MPF em novembro de 2014, e visava coibir fraudes no cumprimento das jornadas de trabalho, o que prejudicava a população que buscava atendimento.

Segundo o MPF, após verificação de informações enviadas pelos órgãos públicos e inspeções realizadas em algumas unidades de saúde dos municípios, constatou-se que as irregularidades que geraram a recomendação foram sanadas.

Os municípios envolvidos no procedimento são: Aparecida D’Oeste, Aspásia, Auriflama, Dirce Reis, Dolcinópolis, Estrela D’Oeste, Fernandópolis, General Salgado, Guarani D’Oeste, Guzolândia, Indiaporã, Jales, Macedônia, Marinópolis, Meridiano, Mesópolis, Mira Estrela, Nova Canaã Paulista, Nova Castilho, Ouroeste, Palmeira D’Oeste, Paranapuã, Pedranópolis, Pontalinda, Populina, Rubinéia, Santa Albertina, Santa Clara D’Oeste, Santa Fé do Sul, Santa Rita D’Oeste, Santa Salete, Santana da Ponte Pensa, São Francisco, São João das Duas Pontes, São João de Iracema, Suzanópolis, Três Fronteiras, Turmalina, Urânia e Vitória Brasil.

6 comentários

  • Anônimo

    Santa Albertina so tem a maquininha ninguém usa .

  • Anônimo

    Será que vai funcionar?
    Tem Educador Fisico do NASF nos postinhos de Jales que a carga horária deveria ser de 44 horas mas na verdade não cumprem nem 20 horas.
    É uma vergonha, o salário é integral e pago pela prefeitura mas o funcionário trabalha um pouquinho no postinho e se manda para outro lugar (uma certa academia).
    Cade a fiscalização destes servidores?

  • Anônimo

    Funciona nada, os funcionarios que são os mais essenciais como os médicos e os dentistas passam o dedo, atende, e depois vaza, volta no horario para registrar o ponto como se estivesse no posto! Muita sacanagem, esse MPF gosta é de ferrar com as prefeituras, pq eles não fiscalizam nada

  • aluno

    tenho 60 anos nunca vi isso e vou morrer sem ninguem arrumar isso. PRIMEIRO NAO É O FUNCIONARIO, e sim o medico, o auto escalao, esse nao depedende desse serviço, tem clinica atende normal,MAS sem esse serviço do SUS nao chama os grandes, SAUDADE DR. MASSARU KITAYAMA, morreu humilde e sempre será lembrado, DIFERENTE DOS RICOS E FAMILIA QUE USAN VEREADORES PARA HOMENAGEAR SE ENTES QUERIDOS.

  • anonimo.

    Com 14 anos trabalhando na saude ja vou prever que todos os profissionais, tais como psicologo, fonoaudiólogo, emfermeiro, assistente social, dentista e outros cumprirao a jornada e respeitarao o ponto eletronico.
    Menos os medicos inclusive com a “conivencia” dos prefeitos e chefes de saude.
    essa e uma condiçao imposta pelos medicos na hora de contratar.
    essa condiçao so mudara quando o governo federal promover abertura de mais cursos de medicina e formar mais profissionais medicos.
    lembrando que o governo federal ja vem permitiu a abertura de muitos cursos, mais que 500 anos de descobrimento do brasil e ainda realizou o mais medico se nao a situaçao estaria pior ainda.
    e viva novos cursos , e viva o mais medicos e viva aDilma e viva o Lula e viva Santo reis e minha familia.

  • Santos

    Santa Albertina perde o pronto socorro municipal, agora o mesmo local se chama UBS 24 horas , um projeto modelo nunca visto no Brasil , criado pelo prefeito e secretário da saúde, eles inventam , mau sabem que isso não existe , apenas repassaram encargos para o governo paga como uma simples UBS , a população nem sonha que perdemos o PS.Agora os médicos só querem fazer procedimento clínico, a urgência e emergência só Jales na UPA. No protocolo do SAMU tem que ter uma entrada de emergência no município, agora não sei que vai acontecer , no papel não temos mais PS. Uma lástima …….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *