A TRIBUNA: EMPRESA QUE PARALISOU CONSTRUÇÃO DE PISTA DE CAMINHADA QUER RESCINDIR CONTRATO COM PREFEITURA

No jornal A Tribuna deste final de semana, a principal manchete destaca a dívida de R$ 7,4 milhões que será deixada pela atual administração junto ao Instituto Municipal de Previdência. De acordo com a matéria, o prefeito Flá Prandi pretende negociar o pagamento da dívida em 60 parcelas mensais de R$ 120 mil, que se estenderiam até o final de 2025. Segundo o secretário de Fazenda, Nivael Bras Renesto, a Prefeitura não tem condições financeiras de saldar a dívida e as negociações com o Instituto deverão começar nos próximos dias. Os R$ 7,4 milhões que a Prefeitura não conseguiu pagar neste ano não é a única má notícia para o próximo prefeito: afora a dívida, a municipalidade terá que repassar mais R$ 10,6 milhões ao Instituto, só no ano que vem.

Destaque, igualmente, para os questionamentos da Câmara Municipal a respeito da construção de uma pista de caminhada na avenida “Euphly Jalles”, entre os bairros Aclimação e Estados Unidos. Segundo informações, a obra contratada por R$ 450 mil foi paralisada há algumas semanas. Por conta disso, os vereadores estão querendo saber os motivos da paralisação, quando a obra será retomada e qual é a previsão para conclusão dos serviços. O secretário de Obras, Manoel de Aro, confirmou que a empresa A.F.S. Construtora e Engenharia, de Fernandópolis, protocolou um pedido de rescisão amigável do contrato.

A inauguração da decoração natalina em Jales; a denúncia do MPF contra pessoas que cometeram irregularidades para receber em doação algumas casas da antiga Fepasa; as medidas tomadas pelo Cine Jales para evitar a transmissão da covid; os 56 anos de atuação da ACIJ em Jales e região; a prisão de dois traficantes e a apreensão de 10 kg de maconha em Jales; os questionamentos do vereador Pintinho a respeito do possível fechamento do posto da Receita Federal em Jales; e a entrevista do advogado Joâo Eduardo Carvalho sobre as eleições deste ano, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, informações dão conta de que, 12 anos depois de assinado, um contrato firmado entre a Prefeitura de Jales e a empresa CBR Asfaltos, de Santa Fé do Sul, continua, por incrível que pareça, na pauta do Tribunal de Contas. Na semana passada, o TCE publicou despacho informando que, de acordo com sindicância interna realizada pela Prefeitura em 2019, o único culpado pelas supostas irregularidades apontadas no contrato, no valor de R$ 1,9 milhão, seria o ex-prefeito Humberto Parini. Por sinal, Parini já foi multado em cerca de R$ 13,8 mil, por conta das tais irregularidades.

8 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *