A TRIBUNA: ESTUDO SUGERE A CRIAÇÃO DE TAXA QUE RENDERIA R$ 18 MILHÕES PARA PREFEITURA EM 20 ANOS

No jornal A Tribuna deste final de semana, destaque para a 62ª fase da Operação Lava Jato, denominada Rock City que envolveu diligências da Polícia Federal em duas cidades da vizinhança: Fernandópolis e Santa Fé do Sul. A matéria do jornal diz que o empresário Walter Faria – dono da cervejaria Petrópolis e principal alvo da operação – continua foragido e está sendo procurado pela PF, que busca cumprir um mandado de prisão preventiva. Além do mandado de prisão preventiva de Walter, a operação inclui outros cinco mandados de prisão temporária e mais 33 mandados de busca e apreensão. Um dos mandados de prisão temporária é contra um sobrinho de Walter, o empresário Cleber Faria, que estaria no exterior.

Destaque, também, para o Projeto de Lei Complementar nº 011/19, que está tramitando na Câmara Municipal e prevê a aprovação do Plano Municipal de Saneamento Básico. O projeto está acompanhado por um extenso estudo com 209 páginas que aponta os problemas de drenagem urbana de Jales e apresenta as soluções para eles. Segundo o estudo, Jales teria que gastar, até o ano de 2038, mais de R$ 20 milhões com medidas e obras em 20 pontos críticos de alagamentos e erosões. Para conseguir os recursos necessários, o estudo sugere a criação de uma taxa anual de R$ 40,00 por domicílio, a ser paga pelos contribuintes jalesenses.

O faturamento com a cobrança de taxas nos cemitérios municipais, que já rendeu quase R$ 74 mil para a Prefeitura, em 2019; o roubo registrado em Urânia, em que os ladrões levaram mais de R$ 200 mil de um comerciante; a palestra promovida pela AERJ, com orientações sobre o clima nos trabalhos de engenharia; o caso de uma motociclista que se acidentou em uma rua recém-recapeada e quer ser indenizada em R$ 61 mil pela Prefeitura; e o julgamento marcado para a quinta-feira, 08, no Fórum de Jales, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, informações sobre a licitação da merenda escolar de Jales. Pelo menos 12 empresas se interessaram, mas apenas três delas participaram do pregão realizado na terça-feira, 30. No final, a vencedora foi a atual responsável pela merenda, a Della Fattoria, que está em Jales há cinco anos. O contrato será de quase R$ 6 milhões por ano. Na página de opinião, os artigos do Valmor Bolan e do blogueiro Hélio Consolaro, com temas atuais. E no caderno social, destaque para os agitos da 32ª Festa do Motorista e para a coluna do Douglas Zílio.

1 comentário

  • Depois da JBS, dos Irmãos Batista; e da Odebrech. Temos Petrópolis e Farias! Quem vem agora?

    A Operação Lava Jato ressurgiu em grande estilo: o grupo Petrópolis, dona de uma das maiores cervejarias do País e da marca Itaipava, foi alvo de busca e apreensão, além de ter seu dono e outros executivos deverão ser presos preventivamente. A Lava Jato investiga o envolvimento de executivos na lavagem de R$ 329 milhões de 2006 a 2014, no interesse da Odebrecht. O dinheiro seria proveniente de contratos com a Petrobras.
    Os crimes são tantos e tamanhos que chocam ao tomarmos conhecimento. O grupo e seu dono trabalharam como espécie de braço financeiro clandestino da Odebrecht para pagamento de propina a diversos políticos e partidos, sobretudo… tchan tchan tchan tchan… o PT! Que novidade, não?
    Dezenas de contas clandestinas no exterior; dezenas de empresas offshore não declaradas; bilhões de reais usados de forma criminosa. Ao lado da JBS, dos Irmãos Batista; e da Odebrech. Petrópolis e Farias forma um belo time.
    Quando ele fizer a sua delação premiada surgirá Gleisi Hoffmann e dirá que Farias jamais foi próximo à quadrilha lulista. Aparecerão petistas para dizer que a prisão do empresario, na Lava Jato, deixará o Brasil, em crise e desemprego.
    Gilmar Mendes, Toffoli e Lewandowski vão soltar os Farias. Esperem e verão!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *