A TRIBUNA: MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGA CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO VIADUTO ‘ANTONIO AMARO’

No jornal A Tribuna deste final de semana, o principal destaque é a operação “Farra no Tesouro 2”, deflagrada pela Polícia Federal de Jales na quinta-feira, 14, quando foram presos dois sócios – A.B.R. e E.P. – de uma corretora de seguros, sob suspeita causarem prejuízos aos cofres públicos em contratos de seguros superfaturados. Um dos sócios – E.P. – teve sua prisão temporária revogada no mesmo dia. Um funcionário da Prefeitura – N.G.J. – foi afastado por tempo indeterminado. Os crimes investigados são organização criminosa, peculato, estelionato e fraude à licitação. Além disso, um dos corretores – A.B.R. – poderá responder pelo crime de posse ilegal de arma de fogo, uma vez que, durante as buscas da PF em sua residência, foram encontradas quatro armas.

O jornal está destacando, também, que o diretor do Hospital de Amor, Henrique Prata, descartou a criação de uma faculdade de medicina no Jales Clube. A proposta foi feita pelo presidente do clube, Clóvis Pereira, mas, depois de uma visita ao local na terça-feira, 12, Henrique Prata comunicou não ter interesse no negócio. A reportagem do Carioca informa, ainda, que o tradicional Jales Clube poderá fechar suas portas, diante da baixa frequência e do reduzido número de sócios. Atualmente, cerca de 500 sócios pagam mensalidade de R$ 110,00 e, para manter suas portas abertas, o clube precisaria ter pelo menos 1.500 sócios.

O cancelamento – uma semana antes da operação da Polícia Federal – do contrato firmado com uma Seguradora no final de 2018; o saco de bondades dos vereadores que estão apresentando quatro projetos para alterar a Zona Azul; o projeto aprovado pela Câmara de Pontalinda, que corta pela metade os salários dos agentes políticos do município; os acidentes que mataram duas pessoas em dois dias, na rodovia Elyeser Magalhães; e a investigação do Ministério Público Estadual a respeito das condições de segurança do viaduto “Antônio Amaro”, são outros assuntos da edição 1.552 de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, informações sobre uma portaria do prefeito Flá Prandi que suspendeu, por 90 dias, uma professora da EMEI “Aparecido Tadeu Estanislau”  (Jardim Municipal), acusada de praticar ofensas físicas contra crianças da creche. Na página de opinião, artigo do atleta de alcova Marco Antônio Poletto tem o título “A dieta da laranja”, mas não é sobre o laranjal do PSL. No caderno social, destaque para a coluna do Douglas Zílio e para a Gobbi Assessoria e Consultoria – dos irmãos Alessandro e Eder Gobbi – uma empresa aqui de Jales que se tornou uma das melhores e mais eficientes do país em serviços de assessoria para aqueles que pretendem obter dupla cidadania.   

7 comentários

  • Chaves

    Farra do tesouro 1 , farra do tesouro 2 , quantos capítulos ou série tem isto????

  • Só qdo acabar o chaves e começar a praça e nossa, KKK

  • E a compra dos armários ?

    A quantas anda aquela compra dos armários feita pelo nobre presidente da Câmara Municipal de Jales ?.
    Mesma pergunta referente ao concurso onde aconteceu suposta compra de vagas ?.
    Parece que esta tudo embaixo do balaio, quero crer que estou errado, só a justiça prá nos livrar, porque esses nobres edis, é de lascar.
    Viram, o povo esquece fácil as coisas.

  • A falência de um bom clube e de seus donos

    Como contribuinte (não sou sócio) para usar as dependências do Jales clube, fico muito triste em saber que o clube vai fechar. Só 30% “do necessário” pagam o clube! É deficitário.
    Graças a incompetência de seu idoso presidente e seus donos, em administrar um clube como também perceber as mudanças de habito da população.
    Naquela época, construíram um clube grandioso demais, graças a desvios de materiais e serviços da prefeitura como também ao dinheiro da população em ajudar a construir um clube deles.
    Investimento errado em construir o maior ginásio de esporte da cidade que nunca foi usado para nada. Basta lembrar que dirigentes montaram um time de futsal e tiveram que jogar em Santa Fé do Sul por capricho do sr. Clóvis Pereira.
    Temos no clube um imenso salão de baile que poderia ser usado para alugar ou patrocinar festas, bailes, shows, etc. Uma fonte de renda! Eles sequer alugam! Está se deteriorando.
    Vale salientar que já passaram vários gerentes que quiseram mudar o clube e torna-lo mais rentável.O sr. Clóvis Pereira não deixou. Graças a uma parceira com a faculdade, o clube não fechou a 6 anos atras.
    Realmente, oferecer uma imensa e cara área de clube com piscina para se fazer uma faculdade para um empresário — não daria certo.
    É inviável!

  • Jumento

    Cardoso pode um servidor secretário de escola trabalhar em outra função ganhando quase o triplo de salário e a escola precisando dele?

  • Denuncia na secretaria da educação, primeiro vc tem que ter provas, e ter certeza de que ele está lesando o Estado em questão de horário de suas funções, se estiver ele pode perer o cargo e ainda complicar a vida de seus chefes, mas vale a pena investigar,pq não é justo, enquanto muitos ralam durante oito horas de trabalho por um salário mínimo outros roubarem um salário de secretário de escolas do governo pra trabalhar em outro emprego. Investigue e denuncie, estamos vivendo a Hera dó esclarecimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *