A TRIBUNA: PREFEITURA DIZ QUE ESTÁ CUMPRINDO DECISÃO JUDICIAL AO PAGAR SALÁRIO A SERVIDOR AFASTADO, MAS NÃO É BEM ASSIM

No jornal A Tribuna deste final de semana, matéria do repórter Alexandre Ribeiro, o Carioca, traz informações sobre os dois projetos protocolados pela Prefeitura de Jales no âmbito do MIT (Município de Interesse Turístico), que continuam cobertos de incertezas. Segundo a matéria, ninguém sabe ao certo a quantas andam o projetos, deixando dúvidas sobre a aprovação dos mesmos e a liberação das verbas. Um dos projetos, do ano passado, destinaria R$ 595 mil para reforma do Teatro Municipal, mas o convênio foi suspenso pelo governo João Dória. O outro projeto, de 2019, prevê a liberação de recursos para a repaginação da Praça “João Mariano de Freitas”, mas…

Destaque, também, para o caso do servidor municipal N.G.J., que foi afastado do cargo de chefe de gabinete da Secretaria de Fazenda, sob a suspeita de participar de um esquema de fraudes em contratos de seguros veiculares, descoberto pela Polícia Federal. A matéria diz que o servidor, apesar de estar proibido de chegar a menos de 200 metros do prédio da Prefeitura, continua recebendo normalmente o salário de chefe de gabinete, que, em abril, foi de R$ 6.739,24 brutos. Segundo a Secretaria de Comunicação, ao pagar o salário, a administração está apenas cumprindo decisão judicial, mas a matéria desmente essa versão.

O caso de um morador do JACB, que perdeu a visão do olho direito após cirurgia e está responsabilizando a Prefeitura; a situação da “Praça Japonesa”, próxima à Rodoviária, que virou dormitório de moradores de rua; o estudo do Tribunal de Contas do Estado, que mostra a Câmara Municipal de Jales como uma das mais econômicas de São Paulo; e a ação de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público de Jales, que pede punição para 19 candidatos aprovados em um concurso público da Prefeitura de Mesópolis que, segundo apuração do Gaeco, foi fraudado, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, destaque para o despejo coercitivo de uma loja da ex-tesoureira Érica Carpi – a Clube Kids – que ocupava um imóvel alugado na Rua Dez. O despejo foi autorizado em novembro do ano passado, mas só foi efetivado no início desta semana. Na página de opinião, o assunto do artigo do Valmor Bolan é a falta de rumo do MEC, enquanto o tema da crônica do blogueiro Hélio Consolaro é o inverno. No caderno social, além da badaladíssima coluna do Douglas Zílio, destaque para a inauguração, na Rua Oito, da Vivaz Projetos e Ambientes, da arquiteta Daniela Alvizi Amaral.

14 comentários

  • JOSUE

    ao ler os destaques da matéria sobre o funcionário que está recebendo eu o conheço,tenho duvidas ele é concursado,ele já foi condenado,a justiça determinou a suspensão de seus vencimentos,se for concursado ja muda a historia,se for de confiança não poderia estar recebendo,gostaria de ter mais esclarecimentos sobre esse fato.DEUS ABENÇOE JALES.

  • Rapizodia

    Conheço o rapaz e tenho dúvidas também sobre sua participação nesta infâmia. Ele é ingênuo demais e tudo leva crer que se envolveu inadvertidamente. Claro que tem responsabilidade, mas jogar nas costas do rapaz toda a mazela é muita crueldade, mas o mundo político é assim: tamo junto até feder, daí é cada um por sí. A prefeitura de Jales é terra arrasada administrativamente falando.

    • JOSUE

      RAPIZODIA,concordo plenamente com vc,desde que entrei na prefeitura eu o conheço acho muito dificil sua participação nesse esquema sozinho,funcionário fora das paredes da prefeitura é uma coisa. peita chefe,responde,discute em suas razões,coloca seus pontos de vista na mesa,mas qdo recebe um cargo de diretor as coisas mudam,quem quer perder um salario de 6.000 reais,nessa hora voce dança e começa a obedecer ordens inadequadas ,porque vc passa a visar seus interesses pessoais e familiar,e qdo a corda arrebenta vc se torna o bobo da corte,vc lembra da cpi dos vereadores sobrou para quem? os bobos da corte.ganhar dinheiro é bom mas ter carater para dizer não é ainda melhor.

  • JOSUE

    nos destaques do jornal ,A TRIBUNA,não deu destaque a visita do prefeito com os vereadores a Brasilia,gostaria deixar meu apreço por tal atitude,afinal de contas até o melhor prefeito do BRASIL, Sergio Menegueli,de Colatina correu atras de verbas para seu municipio,concordo com essa postura temos que cobrar dos parlamentares recursos para melhorar nossa cidade,agricultor para colher prepara a terra,joga semente para depois colher,assim tem que fazer nossos politicos,correr atras de verbas,melhor que ficar discutindo por besteiras.DEUS ABENÇOE JALES.

  • cabiana

    Recebe 6.000 pra ficar em casa?

  • grobo

    No meu ponto de ver o primeiro que tinha que ser afastado era o Fla. desde da Érica. se fosse uma Câmara séria.

  • Se ele é concursado teve que estudar leis para passar nesse concurso,logo não é tão ingênuo , a não ser que ele não passou mas foi passado , coisa que acontece mto em concursos municipais,se ele era xuxado como o prefeito ele pode ter sido usado pelas RAPOSAS VELHAS, aí então é ingenuidade mesmo, pq em toca de RAPOSAS só entra coiotes.

    • JOSUE

      coiotes,a informação é a seguinte ele trabalhava no setor de trafego da prefeitura,onde por sinal fazia um bom trabalho,qdo recebiamos multa na ambulancia,tinhamos que acertar com ele em dez pagamentos,para descontar no holerite, sempre gente boa,jogaram ele nesse setor sem saber de nada,o dinheiro fala muito nessas horas,mas não pensamos nas conseguencias,obrigado bom dia.

      • Rapizodia

        Josué acho que temos um alinhamento de pensamento, mantenho o adjetivo de ingênuo para o rapaz. Ele só pensou na remuneração, não percebeu que a administração municipal estava toda corrompida, como sempre fora, nesta e nas demais administrações. Recebeu o cargo e junto também os problemas atuais e passados, foi incompetente e acabou por se envolver neste imbróglio. Em outro comentário sobre Bolsonaro, falei exatamente sobre isso, quando não basta ser honesto para desempenhar função pública, pois a incompetência aniquila a honestidade. Acredito que este seja um exemplo.

  • Raposa da Vila

    Pelo que entendi na matéria o rapaz era braço direito do prefeito e está recebendo os proventos relativos ao cargo comissionado. Não pelo cargo concursado.tratace de uma grande contradição porque ele não pode entrar na prefeitura,mais continua recebendo o pagamento pelo cargo que foi dado a ele pelo prefeito.

    • Rapizodia

      Não entendo desses tratos legais! Entendi que ele foi afastado, mas ainda detém o cargo e assim recebe o valor deste. Ele precisa prover sustento da família e até aqui é só investigado. E se for provada sua inocência!? Temos que pensar também nesta possibilidade. As investigações é que vão indicar responsabilidade, inclusive do Prefeito por nomear servidor incompetente para a função. Acho que o termo neste caso é improbidade administrativa.

  • Ele se envolveu nesse imbróglio por conta do cargo comissionado, que oferece um salário melhor ou seja, desvio de função, errado,depois continua recebendo o salário sem trabalhar , errado de novo, porque n assumir o cargo do concurso ? Se ele preferiu ficar sem trabalhar por causa do salário que é melhor ou ele é ingênuo mesmo ou tá fazendo carreira no time das RAPOSAS.

    • JOSUE

      CURIOSO,o que mais existe dentro de nossa querida prefeitura é desvio de função se for fazer uma reformulação ou readequação de função vamos ter sérios problemas na mesma,a maioria dos motoristas que dirigem carros da prefeitura é por portarias e muitos que exercem outras funções tem que dirigir por falta de motoristas,assumindo o risco,esse rapaz foi só mais uma vitima de um sistema vitimizado por politicagem sem fazer as devidas avaliações e capacitação para exercer uma função,e desviando do concurso prestado.

  • JOSUE

    parabens a todos os comentarios com a palavra o poder judiciario e prefeitura para maiores esclarecimentos a população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *