DEPOIS DE REUNIÃO COM VEREADORES, CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE EMITE NOTA DE ESCLARECIMENTO

Como já adiantado pelo blog, o Conselho Municipal de Saúde reuniu-se na quinta-feira, 16, para discutir alguns assuntos de sua alçada. Quase todos os conselheiros – são 32 no total, entre titulares e suplentes – compareceram. A situação da frota de veículos da Secretaria de Saúde foi um dos assuntos discutidos, mas…

Mas o tema principal da reunião foi, sem dúvida, a nota de repúdio emitida na semana passada pelo Conselho, com críticas à Câmara Municipal por conta da reforma que está sendo realizada no prédio do Legislativo. O presidente Tiquinho e o vereador Deley – únicos representantes da Câmara presentes – argumentaram que o Conselho foi injusto com os vereadores.

Deley disse que a nota foi precipitada e que o Conselho deveria ter buscado informações na Câmara, antes de procurar a imprensa para anunciar o repúdio. Tiquinho, de seu lado, disse não concordar com o repúdio, uma vez que os membros do Conselho nunca procuraram a Câmara para reivindicar alguma coisa.

E como a melhor defesa é o ataque, Tiquinho tratou de jogar parte da responsabilidade para cima do prefeito Flá. Ele declarou que, em 2018, a Câmara devolveu dinheiro ao Executivo com o compromisso de que a grana seria utilizada na aquisição de uma ambulância. Segundo ele, o prefeito não teria honrado o compromisso. “Nós não falhamos com a saúde”, afirmou Tiquinho.

A secretária de Saúde, Maria Aparecida Moreira, deixou claro, no entanto, que o dinheiro devolvido em 2018 – coisa de R$ 90 mil – não era suficiente para a compra de uma ambulância, que custaria algo em torno de R$ 200 mil. “Nós optamos por utilizar o dinheiro na aquisição de um veículo para transporte de material biológico, já que estávamos correndo o risco de levar uma multa que poderia chegar a R$ 100 mil”, explicou Maria Aparecida.

Os dois vereadores tentaram, então, convencer os membros do Conselho a retirar a nota de repúdio. O pleito dos vereadores foi colocado em votação e, por 14 votos a 01, os conselheiros rejeitaram a proposta e decidiram manter o repúdio.

Ao fim e ao cabo, vereadores e conselheiros chegaram a um acordo pelo qual a Câmara se compromete em repassar parte das sobras deste ano, que estão estimadas em pouco mais de R$ 300 mil, para aquisição de uma ambulância. É esse o assunto da nova nota emitida pelo Conselho de Saúde na sexta-feira, 17, cujo teor reproduzo abaixo:

Nota de Esclarecimento

Jales, 17 de janeiro de 2020

O Conselho Municipal de Saúde de Jales, em sua 178ª Sessão Plenária Extraordinária datada de 16/01/2020, contando com quase totalidade de seus membros, acordou com o Presidente da Câmara de Jales, Sr. Nivaldo Batista de Oliveira, e o vereador Vanderley Vieira dos Santos (Deley), o repasse de sobra de orçamento referente a junho e dezembro de 2020 convencionado em Ata entre as partes.

Através do diálogo e cooperação entre ambos os órgãos, a saúde pública de Jales será contemplada com mais recursos no ano de 2020. 

ass.: José Célio Martini – presidente do Conselho

1 comentário

  • Dengosa do oiti

    Ano eleitoral é assim!! Então quero ver quando faltar remédio ou tiver uma epidemia de dengue de Novo quero ver se este povo vai dar moção de repúdio de novo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *