EM NOTA, POLÍCIA MILITAR FALA SOBRE TUMULTO APÓS FESTA DO MOTORISTA

O comandante da Polícia Militar de Jales, capitão Tominaga, enviou nota de esclarecimento à imprensa, a respeito de tumulto ocorrido na madrugada de domingo, logo após o final da Festa do Motorista de Jales. Ei-la:

A Polícia Militar foi acionada via fone 190-emergência para atender uma ocorrência na avenida “Paulo Marcondes”, em frente ao local onde havia ocorrido a Festa do Motorista. Digo “havia ocorrido” porque a referida festa já havia se encerrado.

Segundo o solicitante, no local havia um grande tumulto, além de brigas, som em alto volume e indivíduos impedindo o tráfego de veículos. Com a chegada das viaturas, ainda sem saber ao certo o que havia, os policiais foram recebidos com garrafadas, sendo que uma delas atingiu a porta de uma das viaturas e os estilhaços lesionaram a mão de um policial, o qual teve que ser medicado na UPA e recebeu dois pontos.

Devido ao grande número de pessoas e as várias garrafas e pedras que eram atiradas contra os policiais, os mesmos tiveram que se afastar a uma distância segura e solicitaram apoio de outras viaturas. Com a chegada das viaturas de apoio, os policiais se posicionaram na avenida e, ainda sendo recebidos a pedradas e garrafadas, além de ofensas verbais, começaram a se deslocar em direção ao tumulto com o fim de dispersá-lo, entretanto, as pessoas que lá estavam insistiram em permanecer e a jogar pedras nos policiais.

Desta forma, foi necessário o uso de meios menos letais, como gás pimenta, granadas de efeito moral e munição de elastômero (“bala de borracha”) para fazer frente à injusta agressão que estavam sofrendo. Quando cessaram as pedradas e garrafadas, os policiais, agora sem usar qualquer tipo de arma ou munição, avançaram e conseguiram dispersar a multidão.

Após, dois indivíduos foram abordados nas imediações e conduzidos á Central de Polícia Judiciária de Jales, onde foi registrado um boletim de ocorrência sobre as ofensas, dano e lesão corporal sofrida pelo policial militar, ressaltando que até o término do registro da ocorrência não tínhamos conhecimento de nenhum civil lesionado.

6 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *