HÁ ONZE ANOS, JALES VIVIA MOMENTOS CONTURBADOS COM MORTE DE CAPARROZ

caparrozNa quarta-feira, 18, um dia após a posse do vice Pedro Callado, completaram-se 11 anos do falecimento do então prefeito José Antônio Caparroz. No início da noite do dia 18 de fevereiro de 2004, a cidade – que já tinha perdido o prefeito titular, José Carlos Guisso, morto em acidente – foi sacudida pela notícia de que Caparroz havia morrido em São Paulo, aos 83 anos, após uma cirurgia cardíaca.

Os bem informados sabiam que a situação de Caparroz era crítica, mas, para a maioria da população, foi uma surpresa. Os problemas com o coração de Caparroz eram antigos. Ele já tinha passado por uma cirurgia em 1989, quando foi operado pelo ex-ministro da Saúde, Adib Jatene.

Naquele 18 de fevereiro de 2004, uma equipe do Incor, chefiada pelo médico Sérgio Almeida de Oliveira, começou a cirurgia no velho coração de Caparroz por volta das 09:00 horas e terminou às 18:00 horas, mas o prefeito não respondeu a estímulos e acabou falecendo uma hora depois. 

Caparroz já tinha sido vice-prefeito entre 1965-69 e prefeito duas vezes – de 1977 a 1983 e de 1989 a 1992 – e, já muito doente, assumiu a Prefeitura após a morte de Guisso. Que eu me lembre, foi a primeira vez que um vice-prefeito assumiu definitivamente a cadeira de prefeito, em Jales.

O último mandato de Caparroz durou de novembro/2001 até sua morte, em fevereiro/2004, mas foi entrecortado por três licenças médicas. Em 2003, por exemplo, Caparroz ocupou a cadeira por apenas quatro meses. Nos outros oitos meses, foi substituído pelo presidente da Câmara, Hilário Pupim. Antes, em 2002, ele já tinha sido substituído por Jediel Zacarias, durante licença de um mês.

Depois da morte de Caparroz, o que já estava ruim ficou pior. Eleito indiretamente pela Câmara para um mandato de nove meses, Hilário Pupim assumiu uma Prefeitura cheia de problemas. Nos últimos meses de seu mandato-tampão, Hilário decretou cortes de despesas e, em meio a um calor senegalesco, proibiu até que os condicionadores de ar do Paço, inclusive do gabinete, fossem ligados.

Onze anos depois, a cidade vive novos momentos de tensão política com a cassação da prefeita Nice Mistilides, cujo retorno não se pode descartar. Enquanto isso, Pedro Callado assume uma prefeitura em condições parecidas com as encontradas por Hilário Pupim.

13 comentários

  • Ó do Borogodó

    Olha, tá fazendo falta não, ninguém!

  • anonimo

    Cardosinho, você tem informação de algum pedido de liminar da ex prefeita.

  • Jalesense

    Grande CAPARROZ
    Saudades do ex prefeito que fez muito pela
    cidade de Jales.
    Epoca que Jales tinha boas liderancas e pujanca.
    Epoca que Jales tinha Boas festas FACIP, CARNAVAIS, ARRAIA NA PRACA, CAJ, FESTA DA UVA etc.

  • Ze Gatti

    Caparroz pra mim foi o melhor prefeito de Jales ate hoje

  • comerciante

    Nossa cidade é sofrida, mas depois da tempestade…, espero que venha coisas boas…todos temos que torcer e ajudar no que for possivel..Sorte pra Jales…..

  • SECRETARIADO DO CALLADO

    CARDOSINHO, CADÊ AS INFORMAÇÕES?
    ADEMIR MOLINA FOI NOMEADO SECRETÁRIO DE ESPORTES E AQUI NÃO FOI POSTADO NADA!

    • As informações estarão em A Tribuna, mas, que eu saiba, não foi nomeado nenhum secretário ainda. O Ademir Molina foi convidado e aceitou o convite.

      • Mal informado

        Enfom os cargos estão sendo oferecidos por gente capacitada e técnica. Parabéns ao Molina que faz tempo que carrega aquela secretaria sozinho. Sem ele os jogos regionais em jales teriam sido um fiasco.

  • anônimo

    Cardoso, já sabemos que vc não publica tudo que sabe… tornar público o que não se pode provar é punível com os rigores da Lei… mas vc acredita que algum magistrado poderá ir contra um ex magistrado numa questão como essa?

    • Ouvi dizer que a defesa da prefeita pretende entrar com um recurso diretamente em Brasília. Não sei se isso é possível, mas, se for, não me causará estranheza se ela conseguir uma liminar. A tese de que a sessão de julgamento não poderia ter sido realizada porque ainda havia uma liminar pendente no TJ-SP pode, de repente, ser aceita por algum magistrado. Aqui mesmo, em Jales, tem gente do Judiciário que acha que a Câmara deveria ter esperado a revogação da liminar parcial concedida pelo desembargador Gavião de Almeida. Enfim, eu creio que o fato de o doutor Pedro ser um juiz aposentado ajuda, mas não é tudo.

  • Em se tratando de amor próprio essa senhora é totalmente desprovida,sinto pena dela pois um pouco de orgulho ela teria que ter de sua própria pessoa,não entendo pq ela faz tanta questão de continuar tentando administrar uma uma cidade falida como Jales a não ser que exista uma mina de dinheiro no subsolo dessa prefeitura que só ela tem acesso,ou são as licitações a mina de ouro? Paixão por Jales ninguem tem isso é demagogia ,só exite dois motivos pra tanta teimosia ;mania de poder ou dinheiro. Se eu fosse ela graças a Deus q n sou, enfiaria minha viola no saco e iria cantar em outra freguesia.Essa senhora é simplesmente ridícula !!!!! Vai Nice caminha que o mundo é grande e a sapucaí é longe….

  • Thiago

    Dá pra notar o tamanho da decadência política de uma cidade quando um prefeito igual o Caparroz faz falta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *