JORNAL DE JALES: HENRIQUE DO CAJ SAI DO ARMÁRIO E REVELA TER SIDO O AUTOR DA DENÚNCIA CONTRA EX-TESOUREIRA ÉRICA

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, onde a principal manchete destaca que as irmãs Érica e Simone Carpi – que cumpriam prisão domiciliar – aguardarão o julgamento do caso “Farra no Tesouro” em liberdade. Ou seja, até o pronunciamento final da Justiça, elas poderão circular livremente pela cidade. A decisão que concedeu a elas a liberdade provisória foi do juiz Adílson Vagner Ballotti, após pedido dos promotores Horival Freitas Júnior e Eduardo Shintani. Segundo o jornal, os representantes do Ministério Público e o magistrado entenderam que as acusadas não poderiam mais influir no processo ou coagir testemunhas.

Destaque, também, para a sessão da Câmara Municipal, realizada na segunda-feira, 26, quando os vereadores aprovaram o projeto de lei que autoriza o prefeito Flá Prandi a fazer um financiamento de R$ 11 milhões junto ao Ministério das Cidades. O jornal relata que o projeto foi aprovado pelos 10 vereadores e alguns deles destacaram a luta dos moradores do Jardim do Bosque e Parque das Flores e dos empresários dos Distritos Industriais I e III, onde a Prefeitura pretende investir boa parte do dinheiro em obras de infraestrutura. O JJ ouviu alguns desses empresários que compareceram à Câmara para acompanhar a votação do projeto.

A reeleição do advogado Marlon Luiz Garcia Livramento para a presidência da subseção da OAB de Jales e a eleição do também advogado Aislan Queiroga Trigo para o cargo de secretário-geral da seccional da OAB-SP; a aprovação do novo Plano Diretor do Município, que deverá ser confirmada nessa segunda-feira, em segunda votação; a réplica de uma moto que será sorteada durante o almoço da APAE, programado para o próximo domingo; e a visita do deputado federal eleito, Geninho Zuliani(DEM), que veio anunciar uma verba de R$ 220 mil para a Santa Casa, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior, que foi uma das testemunhas de defesa arroladas no caso “Farra no Tesouro”, revela nome, sobrenome e apelido do autor da denúncia contra a ex-tesoureira Érica, principal acusada pelos desvios: Luís Henrique Vicente de Oliveira, o Henrique do CAJ. Segundo Deonel, o polêmico homem-bomba – que também foi arrolado como testemunha, só que da acusação – saiu do armário e revelou ter sido dele a iniciativa de procurar o Ministério Público para repassar as suspeitas sobre os possíveis malfeitos da ex-servidora. Henrique disse que, dias depois de ir ao MP, ele foi chamado na sede da PF e confirmou a denúncia ao delegado Cristiano Pádua da Silva, revelando, ainda, que teria alertado a administração municipal, em 2015, sobre suas suspeitas.  

5 comentários

  • Petrukio

    E eu que pensei que esse cara não prestava pra nada, kkk fui surpreendido parabéns pela atitude só falta agora denunciar o restante ao seu redor

  • Cidadão

    Parece que colocou nas costas do Dr. Pedro e Magalhães também!!!!

  • elias

    Meus parabéns, Fez oq muitos deveriam ter feito muito tempo atrás. Embora a prefeitura se livrou desses roubos mensais, continua a falação que a prefeitura está sem dinheiro. 23% aumento de IPTU, retirada do 14º dos servidores, Erika presa, Área Azul arrecadando e multando a doidado e como sempre nunca tem dinheiro. É oq eu digo, muda prefeito mas só muda os nomes mesmo, pois as desculpas são sempre as mesmas.

  • Thiago

    Luís Henrique Vicente de Oliveira, parabéns pela sua iniciativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *