MORADORES DO SÃO LUCAS PROMETEM COMPARECER À SESSÃO DA CÂMARA

Matéria do jornal A Tribuna, de domingo, informa que alguns moradores do Residencial São Lucas e de outros bairros adjacentes estariam se organizando para comparecer à sessão da Câmara, desta segunda-feira. Eles estão descontentes com a aprovação, em regime de urgência, do projeto enviado pelo prefeito Humberto Parini, que autoriza a doação de um terreno localizado no bairro, para a Cáritas Diocesana.

Para os moradores, a instalação de um projeto de recuperação de jovens dependentes de drogas naquele terreno vai desvalorizar as residências no seu entorno, mas, o pior, segundo eles, serão os outros problemas que virão junto com o projeto. Eles temem que, após a implantação da clínica de recuperação, o sossego e a segurança, principalmente de idosos, donas de casa e crianças, não serão os mesmos.

“Não temos nada contra o trabalho louvável da Cáritas, mas achamos que o local não é o mais apropriado para esse tipo de projeto”, argumenta uma das moradoras do bairro. “Além disso, aquele local foi reservado pelo loteamento para ser uma praça”, completa.

Como já foi informado por este blog, o prefeito Humberto Parini já havia tentado doar o mesmo terreno ao governo estadual, para a construção de uma escola, mas os técnicos da Secretaria de Estado da Educação se recusaram a receber a doação, uma vez que se tratava de área reservada ao sistema de lazer do bairro.

Hoje, no Jornal do Povo, o bispo dom Demétrio Valentini falou sobre a importância da casa de recuperação para jovens dependentes de drogas e ressaltou que a Cáritas já desenvolve projetos parecidos em Estrela D’Oeste, Santa Fé do Sul, Pereira Barreto, etc. Ao final, disse que a Diocese está aberta ao diálogo quanto à destinação do terreno e alertou que, no caso de polêmica, a Cáritas se retira deixando a iniciativa para outras entidades.   

9 comentários

  • Anônimo

    Então é assim, senhor Dom Demétrio! Se tiver polêmica, a Cáritas, vai se retirar. Bom exemplo de democracia. Agora, senhores moradores, apertem o presidente da Câmara, o Macetão, que aceitou o projeto em regime de urgência, não dando direito aos vereadores de uma discussão e até mesmo cunsulta junto aos moradores daquela setor da cidade. Vamos lá, Macetão…….fanfarrão.

  • Anônimo

    Já é polêmico a instalação dessa casa de recuperação naquele local. Quem dialogar, agora?

  • ZÉ MANÉ

    MELHOR UMA CASA ASSIM, DO QUE UM PRESIDIO QUE VAI GANHAR CATANDUVA E REGIÃO..

  • anonima

    Então senhor Zé Mané…pede pra colocar esse projeto perto da sua casa..

  • Anônimo

    Louvável a atitude do bispo. Se for pra valer. Se ele e a igreja tiverem interesse real de instaurar uma casa para tratamento de drogados devem aceitar qualquer lugar. A menos que queira mais um tereno para engordar o seu bolso e não estejam pensando nos pobres coitados.

  • Tricolor

    quanta bondade esta doação e rapidinha, acho que querem ter um lugar no céu, fazer graça com chapeu dos outros é muito facil, a igreja tem tantos béns em jales e regiao e com certeza uma conta bancária melhor ainda, poderiam muito bem comprar um terreno ou doar um dos que ja tem, mas é sempre bom um a mais…
    Isso nao quer dizer que uma obra dessa nao e importante e, muito relevante, somente a forma de como foi feita, a causa em si é nobre.

  • Anônimo

    Nesse momento, os moradores estão na sessão da câmara conversando com os vereadores.
    Não tem muito o que fazer, além da justiça, o que não poderia ter acontecido, já aconteceu, o Macetão não poderia ter aceito o projeto em regime de urgência, assim os vereadores poderiam ter discutido a doação com a população. Pau no Macetão….esse fanfarrão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *