VEREADORA QUER AULAS DE LIBRAS EM TODAS AS SÉRIES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE JALES

Nossos ilustres e nobres vereadores voltam a se reunir nessa segunda-feira, 22, às 20 horas, para discutir os graves problemas que afligem esta pacata urbe e sua brava gente.

A essa altura do domingo, o vereador Rivelino Rodrigues, 1º secretário da Mesa, já deve estar fazendo uns gargarejos com cascas de romã, sal e vinagre, para estar com a garganta em dia. Afinal, ele terá que ler nada menos que 51 indicações apresentadas por seus colegas e por ele próprio.

Sete ou oito delas pedem a instalação de quebra-molas – ou, se preferirem, redutores de velocidade – em várias ruas da cidade e até na chamada Estrada da Uva. Outras tantas pedem operações tapa-buracos em diversos pontos. E tem uma indicação da vereadora Carol Amador, provavelmente inspirada pela primeira-dama Michelle, que pede a inclusão de aulas de libras em todas as séries do ensino municipal.

A sessão terá, ainda, a apresentação de 11 requerimentos. Num deles, o vereador Hilton Marques pede explicações ao prefeito Luís Henrique sobre a abertura de um pregão visando a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de assessoria e consultoria técnica na área de licitações e contratos.

Para a segunda parte da sessão, a chamada “Ordem do Dia”, está prevista a votação de 11 projetos, a maioria de somenos importância. Um desses projetos tem por objetivo a criação de dois cargos efetivos – 01 Assistente Social e 01 Educador Social – para atendimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público.

6 comentários

  • Corretor Jr

    Que bom que algum vereador resolveu questionar o prefeito sobre a “licitação da terceirizacao da licitação”. Pena que a resposta só virá depois que empresa já estiver contratada. Ai o esquema já estará armado, do jeito que o prefeito gosta. OLHO NELE MP!!!

  • Rubia

    Aulas de Libras, a valorização, presença e difusão da língua de sinais, não é uma questão de damismo. Pessoas representantes da comunidade surda de Jales estão lutando pelos seus direitos linguísticos e educacionais e têm buscado na voz dos vereadores, uma alternativa.

    • Rayani Donda

      Com certeza. Falta busca de conhecimento. Porém eu sou surda eu formei pedagogia, eu sei como minha pele na comunidade surda tem direitos querer buscar melhorar pela educação, Libras e acessibilidade. Sei que está faltando mais.

  • Rubia

    A presença, difusão e valorização da Libras não é uma questão de damismo. Representantes da comunidade surda de Jales têm buscado uma alternativa junto aos vereadores para terem seus direitos linguísticos e educacionais garantidos. A cidade mal tem um profissional intérprete, está na hora de melhorar em aspectos de acessibilidade e inclusão. Como é estar em um lugar em que as pessoas não te entendem, nem fale sua língua?

  • Rayani

    Com certeza Rubia.
    Eu sou surda, eu sou de Jales, eu me formei, porem fiquei acompanho as informações de Jales nesse site vários, sobre aula de Libras, então isso falta de conhecimento sobre Libras, comunidade surda, língua de Libras, identidade surda, cultura surda, então sobre como essa escola, eu minha particular, importante profissional professor(a) surdo(a) dar aula de Libras, e interprete de Libras, eu concordo Rubia esta dizendo sobre seus direitos linguísticos e educacionais garantidos.

  • Edu Bueno

    Bem que poderiam ensinar um pouco mais sobre a história de Jales. A esmagadora maioria não faz ideia de quem foram Francisco Jales, Maria Jales, João Amadeu Alfonso Rossafa, João Mariano de Freitas e outras figuras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *