HAWILLA PAGOU PROPINA À CBF PARA ESCALAR A SELEÇÃO BRASILEIRA

diarioweb_cidades_RicardoTeixeira_JHawilla

A notícia é do Diário da Região:

Durante dez anos, o empresário rio-pretense J. Hawilla pagou propina à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para interferir diretamente na escalação da Seleção Brasileira em quatro edições da Copa América. A informação consta da denúncia à Justiça dos Estados Unidos de 27 dirigentes e empresários ligados ao futebol por fraude e corrupção. Entre eles estão Ricardo Teixeira e José Maria Marin, ex-presidentes da CBF, além de Marco Polo del Nero, atual presidente da entidade – após a acusação formal, na última semana, ele se licenciou do cargo.

Dono da Traffic, empresa de marketing esportivo, Hawilla assumiu perante a Justiça dos EUA, no fim de 2014, as acusações de extorsão, conspiração por fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça. Ele também concordou em restituir US$ 151 milhões para evitar ser preso. Desde então, ele não pode deixar os Estados Unidos sem autorização do Judiciário local.

No Brasil, segundo o FBI, entre 2001 e 2011 Hawilla pagou propina à CBF para “garantir que a entidade colocaria em campo seus melhores jogadores nas edições da Copa América”. Ainda conforme a polícia dos EUA, Ricardo Teixeira instruiu Hawilla a fazer os pagamentos em contas desconhecidas pelo rio-pretense – um diretor da Traffic informou ao empresário que não eram contas da CBF.

O documento não detalha quais jogadores teriam sido escalados a mando de Hawilla, nem quais os objetivos do empresário com essa manipulação. Nesses dez anos, a Seleção participou de quatro edições da Copa América: 2001, 2004, 2007 e 2011. Foi campeã em 2004 e 2007, com Carlos Alberto Parreira e Dunga, respectivamente, como treinadores. O fato é que a competição rendeu muito dinheiro a Hawilla. Segundo o FBI, só nas edições da Copa América de 2001 e 2007 o lucro líquido da Traffic foi de US$ 39 milhões.

De acordo com o FBI, durante 24 anos, em troca de exclusividade à empresa nos contratos comerciais dos principais torneios de futebol do continente, Hawilla pagou subornos milionários a altos dirigentes. No período, foram pelo menos R$ 38 milhões de propina de Hawilla contabilizada pelo FBI, dinheiro usado para irrigar contas bancárias de cartolas mundo afora, construir piscinas em mansões e até comprar luxuosos iates. Nesses pagamentos, conforme o FBI, Hawilla usou “sofisticadas técnicas de lavagem de dinheiro”, incluindo o uso de offshores.

A notícia completa pode ser lida aqui.

5 comentários

  • hehehe

    Você tá na sonoplastia no lugar dele….kkkkk…teu guru

  • anonimo

    Deveria estar preso junto com Marin. Del Nero, Ricardo Teixeira, na verdade se o povo brasileiro quisesse mesmo moralidade abandonaria os campos de futebol, só tem falcatruas e esse mesmo povo se descabela qdo entra em campo essa tal de seleção, tem que continuar sofrendo.

  • Anônimo

    Está explicado a merda de time!!!

  • A bola virou um negocio

    Ha muito tempo que os empresarios pagam para ao tecnico da CBF para que os seus jogadores fossem vendidos para a Europa porem eu nao sabia que a CBF tinha tercerizado a escalaçao para o riopetrense J. Havilla
    Nesse jogo de venda da escalaçao, o Tite, o Muricy nao entrariam porisso nunca nao foram chamados para serem tecnico da seleçao
    Como disse o Romario, o Dunga “pega dinheiro” para escalar certos jogadores e parece ter um processo nesse sentido pois o Romario nao conseguiria provar nada
    Agora nao sei?

  • A escalação da seleção brasileira é feita somente pela NIKE!
    Temos bons jogadores que participaram dos campeonatos, com destaque em suas funções; porém, pelo fato de não serem patrocinados pela NIKE, nunca tiveram seus nomes na participação de jogos. A justiça americana está investigando e a NIKE disse que vai cooperar!
    Neymar é outra fraude, quando chega na seleção, não joga nada…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *