JOGOS REGIONAIS: “PRAÇA DAS BANDEIRAS” SERÁ INAUGURADA NO DIA 26

A Praça “Euphly Jalles” não está lá essas coisas, mas é possível que, nos próximos dias, ela passe por uma pequena maquiagem. Afinal, por conta dos Jogos Regionais 2011, ela será transformada na “Praça das Bandeiras”, a partir do dia 26 de maio. A notícia está no blog da Folha Noroeste:

Em reunião nessa segunda feira, 9 de maio , os integrantes do Comitê Organizador, Irineu de Carvalho, Wilter Guerzoni, Ilson Colombo e José Antonio de Carvalho definiram, em reunião com o prefeito Humberto Parini, que no dia 26 de maio, uma quinta feira, será realizado o Congresso Administrativo dos 55º Jogos Regionais da 6ª Região Esportiva da cidade de Jales.
Paralelo a este Congresso, será lançada a Praça das Bandeiras, onde cada município participante do JRs 2011 de Jales estará hasteando sua bandeira na praça Dr.”Euplhy Jalles”, repetindo a atração de 2002. Cerca de 70 bandeiras deverão fixadas naquele local.
O Congresso será importante para os chefes de delegações conhecerem todo o aparato organizacional dos Jogos, segundo o Comitê Organizador dos Jogos Regionais em Jales. Todos os parceiros na organização como Policias Militar, Civil, Rodoviária, Federal, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Saúde, e Samu participarão dando orientações e informações pertinentes ao evento, onde todos poderão tirar duvidas sobre os locais de competições, comitê de recepção, abertura e regulamento geral da participação de cada município.
Os chefes de delegações deverão enviar a bandeira do município para a Prefeitura de Jales (Rua cinco, N.2266, centro, CEP 15700.000) até o dia 20 de maio.
 
 
 
Nas fotos, o hasteamento das bandeiras, por ocasião dos Jogos Regionais de 2002, em Jales.  Ismael Toniolli organizou o hasteamento.
 

3 comentários

  • Astolfo

    Primeiro tem que tirar aqueles tocos de árvore que a tribuna mostrou no domingo.Já pensou o vexame de ter uma praça das bandeiras com o pau da bendeira segurando a praça?

  • Nossa cidade não é local onde apenas se ganha dinheiro, não se resume em ser apenas dormitório para seus habitantes.Nela vivem seres humanos que possuem memória própria e são parte integrante da nossa história.Por esse motivo, não passa despercebido pelos habitantes conscientes da cidade à destruição da casa de seus antepassados, de antigos cinemas, bares, campos, a saudosa seringueira e outros bens históricos.Toda essa “destruição do patrimônio” para dar lugar ao automóvel ou a prédios deixa nossa , sem emoção e sem saudade. Seus habitantes perdem um pouco da identidade e identificação com o local onde vivem.Preservar é preciso.

  • Anônimo

    Poletto, você tem notícia da IGREJINHA feita pelo seu Genésio? Aquela que foi destruída para montar uma exposição de Hiroshima? Destruindo a NOSSA MEMÓRIA para exaltar outra. Nada contra a exposição que veio para Jales, pelo contrário, ela foi ótima, mas daí destruir a NOSSA memória é demais. Bem, da última vez que vi essa igrejinha, ela estava “jogada” na escada do ex-museu, do mesmo jeito que caiu no dia em que quebrou.
    Cidade sem Memória, sem Patrimônio é uma cidade fantasma, sem passado e consequentemente, sem FUTURO.

Deixe uma resposta para Anônimo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *