RIVELINO DÁ PONTAPÉ INICIAL E MARCA PRIMEIRO GOL DA ARENA CORINTHIANS

arena corinthians-10.05

A “inauguração” da Arena Corinthians foi transmitida pelo Sportv e, provavelmente, deu mais audiência do que muito jogo do Campeonato Brasileiro.

Ronaldo Fenômeno, Biro Biro, Tupazinho, Casagrande e Neto, grandes ídolos corintianos, não puderam participar do jogo festivo, em virtude de outros compromissos.  A notícia abaixo é do Super Esportes:

Maior ídolo do presidente Mário Gobbi, Roberto Rivellino teve o seu dia de glória quatro décadas após ser apontado como vilão na derrota do Corinthians para o Palmeiras na final do Campeonato Paulista de 1974. Foi dele o pontapé inicial e o primeiro gol do jogo de abertura do estádio do clube em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo.

Vestido com uma camisa branca e o número 77 às costas (uma irônica referência ao título que ele queria ter conquistado), Rivellino se dirigiu ao centro do campo para iniciar o primeiro dos seis amistosos entre ex-corintianos na arena. Ele integrou o mesmo time de ídolos como o ex-goleiro Ronaldo e de jogadores contestados como o ex-lateral Iran.

Os cerca de 20.000 torcedores presentes fizeram festa para as equipes escaladas. E até para quem não podia participar da inauguração. “É Sócrates!”, gritou o público antes de a bola rolar, em homenagem ao ídolo falecido no dia da conquista do Campeonato Brasileiro de 2011.

Fgoleiro Emerson Leão, contrário à Democracia Corintiana, gesticulou com a arbitragem, orientou os seus companheiros e não demorou a deixar o campo. Pediu a bola, chutou para a torcida e saiu brevemente aplaudido.

No final da partida, surgiu a chance do primeiro gol. A arbitragem marcou pênalti para a equipe que vestia a camisa 90, e Ronaldo reclamou como nos velhos tempos. A torcida pediu para Vampeta cobrar – e ele até chegou a admirar a bola na marca da cal. Quem bateu, porém, foi o adversário Rivellino, deslocando o goleiro e fazendo história.

8 comentários

  • Pasquale

    E o primeiro gol do Itaquerão foi de um palmeirense…

  • Menos copa, mais saude

    O governo provou que nós nao temos dinheiro para construir hospitais, escolas e estradas mas temos para estadios.
    Com dinheiro dos impostos da prefeitura de SP e do BNDES, o Corintians construir seu estadio.
    Mas ficaram as dividas
    Alguem acredita que o Corintians pagara’?

  • CAMARADA MARTINI

    Quando falamos em Copa do Mundo no Brasil, um assunto difícil de abordar é a questão do estádio de São Paulo, que está inclusive ameaçando a participação da cidade no evento. Esse assunto é difícil porque envolve diferentes aspectos que, a meu ver, deveriam ser tratados separadamente: a necessidade de um novo estádio para São Paulo, a falta de um estádio para o time mais popular da capital e o futuro do bairro de Itaquera, na Zona Leste paulistana.

    Em primeiro lugar, a cidade de São Paulo precisa construir um novo estádio para a Copa do Mundo? Não. O Morumbi poderia perfeitamente ser reformado para o evento, o que significaria economia de recursos financeiros. As razões da decisão da Fifa de não aceitar a reforma proposta pelo São Paulo, aliás, até hoje não ficaram claras. Aparentemente, há uma necessidade muito maior de gerar gastos de bilhões de reais do que de superar problemas técnicos.

    Obviamente, o Morumbi tem problemas, a começar por sua localização. Some-se a isso o difícil acesso ao estádio por transporte público. Mas a implementação de um bom projeto de mobilidade seria um ganho para toda a cidade, não apenas para quem usa o Morumbi, seja em dias de jogos, seja em dias de shows, mas também para os moradores, trabalhadores e frequentadores da região.

    A segunda questão é: o Corinthians merece ter o seu próprio estádio? Como clube de futebol mais popular da cidade, paixão e alma paulistana, o Corinthians merece, sim, ter seu estádio. Mas será que o estádio do Corinthians não é o Pacaembu? Além de ser extremamente bem localizado, com fácil acesso por metrô e ônibus, o Pacaembu é também o estádio mais bonito do Brasil em termos de arquitetura e inserção urbana. Uma parceria entre o Corinthians e a prefeitura de São Paulo poderia viabilizar esta solução, mantendo o estádio aberto ao público como deve ser. O Pacaembu merece o Corinthians e o Corinthians merece o Pacaembu.

    Por fim, em relação à Itaquera: o bairro merece intervenções urbanísticas que proporcionem melhorias para a região? Claro que sim! Itaquera, um dos centros da Zona Leste, a região mais povoada – e historicamente negligenciada – de São Paulo, carece de investimentos urbanísticos há muito planejados e nunca implementados. Mas, seguramente, um estádio não tem a capacidade de transformação urbanística positiva que se quer vender com a construção do Itaquerão.

    Em lugar nenhum do mundo, grandes estádios atraem grande densidade de usos e investimentos em seu entorno. Muito pelo contrário – no mais das vezes, acabam gerando uma zona morta ao seu redor, já que ocupam grandes áreas, exigem grandes espaços de estacionamento e áreas de escape e, assim, bloqueiam a urbanidade. Ou seja, uma intervenção urbanística em Itaquera é bem-vinda, mas não será o Itaquerão que proporcionará as melhorias de que o bairro precisa. Itaquera e a Zona Leste merecem algo muito melhor que um estádio que, após a Copa, se tornará um elefante branco.

    Infelizmente, ao se misturar três questões muito distintas, esconde-se o que não se quer dizer e impede-se – pela paixão – de se tomar uma decisão a altura de São Paulo, dos corinthianos e dos moradores da Zona Leste.

  • esse estadio do BNDS parece uma maquina de xerox …

  • Anônimo

    ARENA PALMEIRAS MIL VEZES MELHOR!!!

  • francisco

    presença em massa das gaivotas da fiel prestigiando o curintia!!

  • caio pinto

    esse estadio parece barracaõ do costa mello armazenzar limão

  • adriana

    na hora que teve o sorteio que a copa de 2014 era no Brasil todos aplaudiu agora estão tirando o corpo fora vai
    entender vocês Brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *