AGRESSOR DE FRENTISTA HAITIANO É TRITURADO POR REPÓRTER DO CQC

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

Acima, o vídeo com reportagem do programa CQC, da Band. E, abaixo, texto do blogueiro Eduardo Guimarães, do blog da Cidadania:

No último sábado, o Blog denunciou que o fanático de ultradireita Daniel Barbosa Amorim,  que agrediu verbalmente frentista haitiano que trabalha em um posto de gasolina da cidade gaúcha de Canoas, cumpriu pena de prisão por furto, entre outras complicações com a lei.

Amorim é, também, “administrador” do grupo fascista “Revoltados On Line”, segundo informação postada por esse grupo em seu perfil no Facebook.

Na última segunda-feira, o programa humorístico da Band Custe o Que Custar (CQC) fez um excelente trabalho jornalístico ao ir ao Rio Grande do Sul entrevistar o frentista agredido e, também, o ex-presidiário Daniel Barbosa Amorim.

Para quem não assistiu ao programa, vale a pena conferir a belíssima reportagem de um programa polêmico cujo conceito entre os analistas sérios nunca foi bom, mas que vem melhorando após a saída do âncora Marcelo Tas.

O que espanta na reportagem do CQC é a postura arrogante e agressiva do ex-presidiário que agride pessoas indiscriminadamente. Por várias vezes ele bateu no peito do repórter que o entrevistou, tentando provocar uma reação e gerar um confronto físico.

Parece que ainda não caiu a ficha do ex-presidiário e “administrador” do grupo fascista “Revoltados On Line”. Além de sua atitude truculenta ao tocar provocativamente o repórter da Band, ainda insinua que irá processar suas vítimas e quem lhe denunciou o crime.

No vídeo, vê-se uma mulher que acompanhava o ex-presidiário filmando o trabalho do repórter Marcelo Salinas, do CQC, e “ordenando” que a entrevista terminasse.

De qualquer forma, o saldo desse episódio é positivo. A excelente argumentação do repórter da Band expôs toda estupidez do ex-presidiário que ajuda a “administrar” o perfil dos “Revoltados On Line” no Facebook.

A reiterada baboseira desse grupo sobre o Foro de São Paulo foi literalmente triturada pelo repórter da Band. Além disso, ao reconhecer que cumpriu pena por roubo, o ex-presidiário truculento expôs ao país que tipo de gente é esse que tem a ousadia de acusar os outros de corrupção.

Esse é o principal mérito da democracia. Com liberdade de expressão, excessos de gente autoritária, estúpida e antidemocrática como Amorim e seu grupo de “revoltados” podem ser expostos e, aos poucos, o país vai entender que essa gente é perigosa e precisa ser contida.

5 comentários

  • anonimo

    Excelente reportagem, o repórter Juliano manteve-se numa postura invejável, perguntas e respostas inteligentes, pena que do outro lado estava uma babaca. A diferença entre um inteligente e um idiota é que, o inteligente pode fingir-se de idiota, o mesmo não acontece do outro lado.

  • Marcio

    Se todos os estrangeiros tiverem que abandonar o Brasil, sobrarão somente os índios. Somos todos filhos de imigrantes caso esse ignorante não saiba.

  • Jalense

    Claro que a truculência sempre é utilizada por aqueles que não têm argumentos… ou se os têm, são baseados no pensamento raso, ignorante e preconceituoso, com diria Bonner “do Homer Simpson brasileiro”… contra a ignorância e a má informação: EDUCAÇÃO e CULTURA… o que tem de pessoas consideradas cristãs e humanistas com essa visão é de cair o queixo… nem esquerda e nem direita podem desprezar o ser humano… mas como o Haiti não tem petróleo, poucos minérios e politicamente é um zero à esquerda, os EUA deixaram para o Brasil, via ONU, essa árdua missão de reconstrução.

  • Thiago

    “Além disso, ao reconhecer que cumpriu pena por roubo, o ex-presidiário truculento expôs ao país que tipo de gente é esse que tem a ousadia de acusar os outros de corrupção”. Segundo essa afirmação o pensamento do político é mais ou menos assim : “Se o cidadão roubou eu posso roubar também e ninguém pode falar nada”

  • prof Zico

    A melhor resposta que damos a alguém soberbo e arrogante é o silêncio.( Fernando Pessoa )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *