CORONA: HOMEM DE 45 ANOS MORRE EM SP E FILHA DIZ QUE ELE FOI INFECTADO EM SUPERMERCADO

Enquanto isso, o ignorante que elegeram para a presidência garante aos seus devotos que a covid-19 só mata os velhinhos e os doentes crônicos. A notícia é do UOL

Saudável, o segurança particular Edson Oenning, 45, foi liberado por seus patrões do trabalho por causa da pandemia de coronavírus e estava havia quase três semanas em quarentena, junto de sua mulher e três filhos na casa da família, localizada no Brás, região central de São Paulo. Na manhã de ontem, ele morreu em um hospital particular na zona oeste da cidade, em decorrência da covid-19.

No início da semana passada, Edson foi ao mercado com a esposa para comprar alimentos e álcool gel. Logo depois, sentiu falta de ar e dor no corpo, principalmente na região do peito.

Ele e a família suspeitaram de que ele pudesse estar com coronavírus e decidiram ir a um pronto-socorro particular na terça-feira (24). Lá, segundo os parentes de Edson, foram orientados a voltar para casa.

Na quinta (26), o segurança voltou ao hospital porque não conseguia respirar. Ao chegar, de acordo com a família, foi transferido para outra unidade hospitalar particular e, em seguida, entubado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Na terça-feira desta semana (31), o hospital informou aos familiares de Edson que o estado de saúde do segurança tinha melhorado. Ontem, no entanto, disseram que o rim havia parado de funcionar e que ele estava com água no pulmão. Às 6h de ontem, informaram que ele teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

“Desde quando começou a quarentena, a gente não saiu muito. Na única vez que ele saiu, meu pai saiu de casa para ir ao mercado com a minha mãe. Então, a gente acredita que tenha sido infectado lá. Nós moramos em cinco: ele, minha mãe e meus dois irmãos, mas, por enquanto, está tudo bem com a gente, a gente não teve sintomas”, diz a filha Jaqueline Gomes da Silva, 22, estudante de psicologia.

2 comentários

  • Coronavírus e o desconhecimento

    Muitos políticos: Bolsonaro, Dória, governadores e prefeitos estão falando besteiras pelo cargo que ocupam. Eles não são médicos. Deviam calar a boca! Bolsonaro disse “a covid-19 só mata os velhinhos e os doentes crônicos” porque os médicos falaram.
    Assim, ele queria que o restante da população voltasse a trabalhar. Tem um grupo dos médicos que trabalha pela saúde. Tem Bolsonaro e o Guedes que trabalham pela economia. Tem outro que olha os dois. E tem outro que quer ver o circo pegar fogo. Certamente a mídia quer ver o circo pegar fogo para sair de baixo e noticiar. Não vamos entrar em panico!
    Apesar da declaração da filha, é difícil saber se seu pai foi infectado, no supermercado. Não é assim! Na noticia, ele era do grupo de risco pois deveria ter doenças pré existentes no rim ou pulmão ou coração. Não adianta o pessoal de risco ficar em casa se os filhos ficam na rua!

  • rapizodia

    Você tem razão em questionar a filha do sujeito que faleceu, mas ela desconfia, já que o pai não apresentava ser de grupo de risco e ter ido apenas ao supermercado. No trajeto, pode ter passado por algum hospedeiro que ainda não sabe ou encostado em algo contaminado, são várias possibilidades.
    Ao Presidente e Guedes se preocuparem com a economia, penso que é o trabalho de Guedes e ele tem mesmo é que cuidar disso, ou então, pede prá sair e colocaremos outro que faça o que ele não fez até aqui. Ao serviço entregue pelo Presidente, discordo de ti. Ele é o Presidente, líder eleito democraticamente e sua obrigação é coordenar todo o esforço de preservação dos brasileiros, seja de direita, esquerda, acima ou abaixo, é seu dever e seu juramento como presidente, não deve se preocupar somente com a economia, tem que preocupar com a segurança, educação, saúde, política externa e etc., neste momento é a saúde que deteria toda a sua atenção e coordenação, se não tem competência pede prá sair também e colocaremos quem o faça. Elegemos alguém para liderar e encaminhar o país e não para implodi-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *