DEPUTADA ACUSADA DE ASSASSINAR O MARIDO JÁ ESTEVE EM JALES

O confrade Betto Mariano lembrou, em seu portal de notícias – A Voz das Cidades – que a deputada federal, pastora e cantora gospel Flordelis dos Santos de Souza, acusada de matar o marido, já esteve em Jales. Na foto acima, a pastora aparece ao lado do ex-colunista social da Folha Noroeste, Juliano Ferreira.

O marido assassinado, Anderson do Carmo, igualmente pastor, também esteve em Jales na mesma ocasião. A visita à nossa pacata urbe ocorreu em julho de 2010, durante o 16º Chá da Amiga, promovido pelo Ministério com Mulheres da Primeira Igreja Batista de Jales.

Ao lado do marido, Flordelis falou a cerca de 1.400 mulheres de Jales e região sobre sua história de vida. Nascida e criada na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, ela tinha à época, 46 filhos adotivos e 04 biológicos. Atualmente, ela teria, segundo a imprensa, 55 filhos, entre adotados e biológicos, dos quais pelo menos 07 foram presos por suposta participação no crime.

No púlpito da igreja de Jales, Flordelis, discorreu sobre os preconceitos sociais, as grandes dificuldades econômicas, as perseguições e até mesmo as ameaças que teria sofrido por conta da adoção dos filhos. E, para edificar a fé das cristãs que lá estavam, discorreu, também, sobre suas vitórias em Cristo Jesus.

Segundo Ministério Público do Rio de Janeiro, Flordelis já vinha planejando matar Anderson desde 2018, como única saída para evitar um divórcio que “escandalizaria o nome de Deus”. Ela teria convencido um dos filhos sobre a necessidade de matar o marido-pastor, argumentando: “Fazer o quê? Separar dele não posso, porque senão ia escandalizar o nome de Deus”.

1 comentário

  • Pastor, as tentativas de matar e a internet

    Certamente, O pastor morto, com mais de 30 tiros, sabia dos planos da família para tentar matá-lo. De acordo com a polícia, antes do assassinato, houve ao menos oito tentativas frustradas, seis delas por envenenamento com arsênico ou cianeto. A família tentou ainda forjar dois latrocínios – roubo seguido de morte –, que acabaram não sendo levados adiante pela quadrilha. Flordelis nega!
    Com as tentativas frustradas de envenenamento com arsênico, duas filhas adotivas do casal, teriam passado a fazer buscas na internet e compraram cianeto.
    Porem mataram o pastor com 30 tiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *