FRANCESAS ADEREM AO MOVIMENTO “NO BRA” E COMEÇAM A DESCARTAR USO DE SUTIÃ

Parece que estamos vivendo uma segunda “revolução francesa”. Não bastassem os protestos dos tais coletes amarelos, agora temos esse movimento feminino em que as francesas prometem se livrar de seus porta-seios. Deu no DCM:

Nas redes sociais, as hashtags relacionadas aos movimentos ganham a cada dia mais popularidade desde que ícones pop, como a cantora Rihanna ou as atrizes Jennifer Lawrence e Emma Watson, tiveram a iniciativa de posar nos tapetes vermelhos sem sutiã. Da brincadeira #NoBraChallenge (desafio sem sutiã), descartar o acessório centenário por convicções feministas ou por uma questão de saúde conquistou as francesas.

Ironia do destino, foi na França que nasceu o soutien-gorge – como o acessório é chamado em francês, ganhando também o diminutivo soutif. A designer de espartilhos Herminie Cadolle propôs dividir suas criações em duas partes, com o objetivo de dar mais conforto às mulheres. A peça foi apresentada pela primeira vez na Exposição Universal de Paris, em 1889, sob o nome de Bien-Être (bem-estar).

Mas, longe de ser associada ao bem-estar, em 1904, a criação passou a ser comercializada com o nome de mantien-gorge, que ao pé da letra poderia ser traduzido como “retenção da garganta” em português. No entanto, de acordo com o Dicionário Histórico da Língua Francesa, de autoria de Alain Rey, a palavra gorge (garganta) seria um eufemismo para se referir aos seios.

Décadas se passaram e a peça se transformou conforme a moda de cada época, sem nunca se adaptar, de fato, ao conforto das mulheres. Ao contrário, o sutiã é frequentemente associado a uma forma de opressão do corpo feminino, sob a justificativa de evitar os efeitos da gravidade sobre os seios.

Não foi à toa que o sutiã foi utilizado como ferramenta de um célebre protesto de feministas, em 1968. Ao contrário da lenda, entretanto, as militantes da emblemática manifestação contra o concurso Miss America não queimaram sutiãs – um falso relato criado pelos jornalistas que cobriram o evento.

2 comentários

  • Foto censurada

    Cuidado com essa foto Cardoso, días desses uma revista teve uma foto semelhante a esta (artista da Globo), CENSURADA, foi publicada, e logo após surgiu uma tarja na foto.

  • Foto censurada

    Inclusive o senhor foi bastante ousado heim, na Universa (fonte de onde foi copiada esta notícia), não tem essa foto, que aliás é uma bela foto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *