GUEDES É CONDENADO A PAGAR R$ 50 MIL POR CHAMAR SERVIDORES DE “PARASITAS”

A notícia é do Poder360:

O ministro da Economia Paulo Guedes foi condenado a pagar R$ 50.000 ao Sindpol-BA (Sindicato de Policiais Federais da Bahia) por dano moral coletivo. Em fevereiro, Guedes chamou servidores públicos de “parasitas” e afirmou que eles ficavam em casa “com geladeira cheia”. Ainda cabe recurso.

A decisão é da juíza federal Cláudia da Costa Tourinho Scarpa. Ela considera que houve “violação aos direitos da personalidade dos integrantes da categoria profissional” representada por pelo sindicato.

O Sindpol-BA entrou com o pedido em maio deste ano. A organização informou que “o dinheiro pago pelo ministro será doado ao Hospital Santo Antônio, que pertence às Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), e ao Hospital Aristides Maltez, que são organizações sem fins lucrativos de Salvador e que estão à frente no combate à pandemia do novo coronavírus”.

Poder360 procurou a assessoria de Paulo Guedes para comentar o caso. Também perguntou à AGU (Advocacia Geral da União) se irá recorrer da decisão. Não houve retorno até a publicação desta reportagem.

Guedes comparou servidores públicos à “parasitas” em fevereiro, ao comentar a necessidade da reforma administrativa. Na ocasião, o ministro também comparou o Estado brasileiro a um “hospedeiro”:

“O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático”, declarou. De acordo com Guedes, os servidores têm reajustes salariais altos, além de privilégios, como estabilidade no emprego e aposentadoria “generosa”.

Servidores públicos reagiram às afirmações. O Ministério da Economia afirmou que as falas do ministro foram retiradas de contexto. Guedes depois pediu desculpas pelas suas colocações.

2 comentários

  • Eu

    As vezes falar a verdade é punido!!!!!!

  • Paulo Guedes não mentiu, que provem o contrário.

    Condenado pela mais elevada casta do funcionalismo. O Ministro foi grosseiro mas não errou. O Estado Brasileiro custa muito para o que entrega.
    Dá benefícios e privilégios incabíveis (estabilidade para qualquer cargo, irredutibilidade de salários em qualquer situação, penduricalhos salariais de todo tipo). Não remunera bem carreiras importantes (saúde, educação e segurança) e supervaloriza outras de menor impacto na prestação de serviços aos cidadão. Precisa de uma revisão urgente.
    Como se diz no mundo do Direito, “existe a Justiça boa, a Justiça ruim e a Justiça da Bahia”. Não é isso que dizem? Há dezenas de anos se faz piada. O Ministro fez uma crítica válida e lúcida, que tem, sim, base na realidade. Chega de juiz ditador que interfere no debate político

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *