MATANÇA DE GATOS EM RIO PRETO. E EM JALES TAMBÉM

O portal Diarioweb publicou, nessa quarta-feira, uma notícia sobre a matança de gatos em um parque de São José do Rio Preto. Aqui em Jales, a matança também anda acontecendo, conforme foi noticiado há algumas semanas pelo jornal A Tribuna. Nesta semana, recebi um e-mail de uma visitante do blog, preocupada com a matança de gatos em alguns bairros da cidade. Abaixo, o e-mail da leitora:

Boa tarde Cardosinho!

Eu tenho observado um estranho acontecimento períodico em alguns bairros dessa cidade: a matança de gatos com veneno. No mês de maio, o bairro do Oiti teve inúmeros gatos que apareceram mortos, com suspeita de envenenamento na Rua Brás Polízio. E a matança continua! Só na Rua Manoel Garcia Cano, no bairro Primavera, outros dois gatos foram vitimas de envenenamento por estricnina, veneno cuja comercialização é proibida.
Recentemente também li notícias sobre matança de gatos no bairro São Jorge. Será que isso não seria uma maneira prática e barata que a prefeitura encontrou para controlar a superpopulação de gatos e zoonoses, já que esses animais, se apreendidos, não podem mais serem sacrificados?
Acho que isso merecia uma atenção pelas suas peculiaridades, não acha?
Desde já agradeço sua atenção!

Respondi ao e-mail, ponderando que a matança poderia ser uma ação isolada de vizinhos descontentes com o barulho que os gatos fazem à noite. A visitante do blog – uma jalesense que mora em São Paulo, mas vem a Jales todos os meses para visitar os parentes – rebateu com argumentos consistentes:

Eu até acreditaria nessa possibilidade se elas ocorressem esporadicamente de forma peculiar. No entanto o que verifico é que o modus operandi é o mesmo, ou seja, o mesmo tipo de veneno (estricnina), sempre no horário noturno, vários animais mortos num mesmo período e em diversos pontos da cidade. 

Estes dados eu levantei com os veterinários e moradores e, todos relatam o aumento assustador de casos de gatos envenenados com esse tipo de veneno em diversos bairros. Então, concluo que, ou há um serial killer de felinos agindo na cidade, ou está havendo uma política macabra de controle de zoonoses empregada pela prefeitura. No entanto, só alguém com perspicácia, influência e conhecimento é capaz de levantar a veracidade desses fatos.

Acabo de receber a ligação do veterinário e a gata da minha irmã não sobreviveu a um envenenamento. No mês passado o outro gato dela também foi envenenado e felizmente escapou. Ela mora no Parque das Palmeiras.  Minha avó, suas vizinhas também tiveram seus gatos mortos da mesma forma, na outra ponta do bairro (Jardim Primavera). 

E, prá finalizar, a notícia do Diarioweb sobre a matança de gatos em Rio Preto está aqui.

8 comentários

  • Anônimo

    Até os bichinhos andam incomodando… pô deixa os bichos em paz!

  • bobby

    Cardosinho, falando em crueldade com animais, gostaria de fazer algumas perguntas aos ” COMANDANTES ‘ da ‘ CAVALGADA ECOLOGICA”. Onde entra a ECOLOGIA nessa coisa? LUGAR NE ANIMAL É NO ASFALTO?,HAVERA USO DE ESPORAS,HAVERA USO DE REIOS? HAVERA USO DE CHARRETES COM SOM INSUPORTAVEL NAS ORELHAS DOS ANIMAIS,HAVERA UMA IMUNDICIE DE FEZES DOS ANIMAIS NAS AVENIDAS? HAVERA CAOS NO TRANSITO? HAVERA HOMENS URINANDO NAS RUAS( JA VI EM FRENTE AO BANCO HSBC) HAVERA AGUAS PARA OS ANIMAIS? HAVERA MUITA BEBIDA ALCOOLICA? AS LATINAS DE CERVEJA E GARRAFAS DE VODKA SERÃO ATIRADAS NAS RUAS? TODAS AS RESPOSTAS SÃO SIM, ENTÃO ONDE ENTRA A ECOLOGIA? AGUARDANDO RESPOSTAS. ACORDEM SERES SUB HUMANOS?

  • Cardosinho

    Preclaro Bobby, tenho alguns amigos que gostam e outros que até participam dessas cavalgadas. É tudo uma questão de gosto e isso tem que ser respeitado. No entanto, eles que me desculpem, pois, na minha opinião, essas cavalgadas refletem o atraso cultural em que vive nossa cidade. A não ser pelo estrume, normalmente verde, que os animais vão deixando pelo asfalto, não vejo nada de ecológico nisso. Acho que poderiam mudar o nome para “cavalgada escatológica”, pois ficaria mais de acordo.

  • Elaine Cristina

    “A civilização de um povo se avalia pela forma que seus animais são tratados.” – Humboldt

    Dái eu pergunto: como anda o nível de civilização dos jalesenses?

    Só para lembrar:
    Maltratar animais é crime ambiental previsto na Lei nº 9.605/98, que prevê pena de prisão e multa para quem submete animais a maus tratos e a todo tipo de crueldade.

  • Anônimo

    Muito bem Elaine…

    Que bom que você alertou para o crime.

    Há tanta coisa pra se preocupar, agora pra que matar os animais?

  • Anônimo

    E aqueles peixes que deixaram morrer na praça do japonês não se enquadra em crime ambiental?

    Aquilo foi uma crueldade!!

    Os peixes não pediram pra morar em Jales, aliás pra morrer em Jales por falta de manutenção da água.

    Acho que daria pra enquadrar em crime ambiental? Será que o MP aceitaria a denuncia, provas existem, até matéria de jornal.

  • Elaine Cristina

    Sim, Sr. Anônimo. Tal conduta também caracteriza maus tratos e pode ser alvo de denúncia, conforme previsão do artigo 29, parágrafo 3º e artigo 32 da Lei nº 9.605/98.
    Se há provas, reuna-as e leve os fatos ao conhecimento do representante (Promotor de Justiça), do Ministério Público.
    Se todos deixarem a seara da indignação e partir para o campo da ação, estes eventos tristes deixarão de manchar a história de Jales.

  • Anônimo

    Cardosinho: Acho que dá pra pedir pro Promotor denunciar a prefeitura municipal de Jales pelas mortes dos peixes da praça do Japonês!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *