O BRASIL E A PRIMAVERA DOS CANALHAS

canalhas

Do jornalista Fernando Brito, em seu blog, o Tijolaço:

O “coxismo”, o “moralismo”, o golpismo e, agora, a mais desumana abjeção.

No Brasil destes tempos, vivemos a primavera dos canalhas.

Surgiu em Curitiba – agora, ao que parece, transformada naquela famosa cervejaria da Baviera – um tal “Movimento Pela Reforma de Direitos”, que divulga, na internet – assinado, até esta noite, felizmente, apenas por 128 imbecis – pedindo a retirada do que chama de “privilégios” que os deficientes têm, legalmente.

Querem, por exemplo, a redução em 50% de filas e assentos exclusivos para deficientes, porque ficam muito tempo esperando vaga no shopping; querem também o fim da isenção de impostos na compra de carro, quem sabe para não ter mesmo vaga nenhuma para deficiente,  senão as para cadeiras de rodas, o fim das gratuidades para deficientes em  atividades culturais e, claro, o fim das cotas para deficientes nos concursos públicos e nas grandes empresas, porque ” quem for bom vai ser contratado, sendo deficiente ou não”.

É claro que sempre existiu gente má, perversa, emocionalmente doente, gente que acha que pessoas com deficiências físicas ou mentais deveriam mesmo é ser eliminadas – talvez sem se dar conta que eles próprios, neste caso, poderiam ser, por deficiência de humanidade.

Mas o que repugna é que, no Brasil de hoje, estes ratos saíram de suas tocas imundas.

E os “politicamente corretos”, alegando “democracia” e “republicanismo” não os chamam do que são: filhos da puta, com as minhas desculpas às putas, que não merecem isso.

Eles podem até não saber disso, mas são nazistas. São os homens da “eugenia”, os que consideram seres humanos inferiores por natureza, os que não os veem como seus irmãos mais frágeis, ao qual qualquer irmão protege.

Deus nos livre de que tenham filhos com deficiências, porque estas crianças precisam de gente que ame, de gente que apoie, de gente que só os discrimine com mais amor, mais atenção, mais carinho, mais delicadeza.

Só há um tipo de deficiente que não merece isso, os deficientes de humanidade, de compaixão,  de coração, como estes – de novo, perdão, escrotos.

E se alguém disse que temos de aceitá-los assim, porque isso é a democracia, então maldita seja esta democracia.

11 comentários

  • anonimo

    E essas pessoas que querem isso, são os piores deficientes que existem, deficientes de raciocínio, de inteligência, mas por outro lado são dotados de imbecilidade, de covardia, enfim são os vermes que vivem no meio da sociedade.

  • Thiago

    Acredito que isso faça parte de alguma campanha publicitária, justamente para chamar a atenção para os deficientes.

    Lembram quando aquele conde espalhou que sepultaria seu carro e no final revelou se tratar de uma campanha para a doação de órgãos ?

    Enfim !, espero de coração que seja isso porque me recuso a acreditar que existam pessoas que realmente acreditem no que afirma esse cartaz.

  • Pixuleco

    O PT vem tirando os direitos de todos brasileiros, não só dos deficientes, e ninguém fala nada. Povinho conformado com as passadas de mãos na traseira.

  • Penso que essas pessoas se esquecem que algum dia podem precisar desses benefícios; ou então, algum de seus familiares!

  • Antenado

    Isso deve ser alguma armação do esquema petralha para desviar o foco da lava-jato.

  • Thiago

    Realmente foi uma jogada publicitária do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Curitiba para “chamar a atenção para o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, celebrado no dia 03 de dezembro de 2015”, conforme anunciado no site do e-farsas.

    http://www.e-farsas.com/campanha-publicitaria-contra-deficientes.html

    Infelizmente, como tudo nesse país, a coisa descambou pra política e alimentou a rixa entre os fanáticos adoradores de partidos políticos.

  • Prof: Zico

    Devia ter amado mais.
    Ter chorado mais.
    Ter visto o sol nascer.
    Devia ter arriscado mais e até errado mais.
    Ter feito o que eu queria fazer.
    Queria ter aceitado as pessoas como ela são.
    Cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração.
    O acaso vai me proteger.
    Enquanto eu andar distraido
    O acaso vai me proteger.
    Enquanto eu andar.
    Devia ter complicado menos.
    Trabalhado menos.
    Ter visto o sol se por.
    Devia ter me importado menos com problemas pequenos.
    Ter morrido de amor.
    Queria ter aceitado a vida como ela é.
    A cada cabe a alegria e a tristeza que vier.
    Devia ter complicado menos trabalhado menos.
    Ter visto o sol se pôr.

    Compositor: Sergio Britto.
    Banda: Titãs.

  • Depois que o barco afundou..... A primavera acabou

    Quando o PT assumiu o governo, deu privilegio e credito ao pobre para estudar, — comprar uma casa, lote, carro e mobilia, gaz, — deu uma bolsa (familia) de dinheiro para gastar como tambem barateou o credito para o aposentado.
    Pois o governo tinha dinheiro e a empresas iam muito bem, logo o PT saqueou a Petrobras para encher o bolso do partido e de seus politicos para fazer campanha politica
    Agora que acabou o dinheiro– a roubalheira veio a tona — e o PT esta’ tirando os privilegios dos pobres com falta de credito, inflaçao, juros altos, recessao, etc e reclama dos coxinhas pois nao tem apoio politico de ninguem e fala em moralismo.
    Acusa a oposiçao dizendo que se tirar a Dilma, e’ golpe mas esqueceram que o golpe faz parte da constituiçao portanto e’ democracia
    Engole o choro

  • Ditao

    Nao me considero canalha mas colocar aquelas placas em toda extensão das calcadas na avenida Francisco Jales , acho um exagero, nunca vi um cego se utilizando desta sinalização.
    Da mesma forma ne frente o banco do Brasil ate chegar nos caixas também é exagero e também nunca vi um deficiente visual se utilizando deles.
    a demarcação para cegos na calcada atrapalha os cadeirantes.
    E tenho Dito.

  • O Esclarecedor

    Cardosinho, infelizmente o ódio cegou e fez murchar o cerebro do coxinhas que infestam a sua coluna. Perderam a noção do ridículo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *