O ESTRANHO CASO DO HABEAS CORPUS DE GILMAR MENDES PARA ROGER ABDELMASSIH

Para ler e refletir. A opinião é do jornalista Kiko Nogueira, no DCM:

roger-abdelmassih1Algumas das mulheres estupradas pelo médico Roger Abdelmassih, preso ontem no Paraguai, devem representar contra Gilmar Mendes na Corte Internacional.

Uma delas, ao recebê-lo no aeroporto, avisou, dirigindo-se às câmeras de TV: “Não tem ministro que vai tirar você daqui”.

Abdelmassih foi condenado a 278 anos de prisão pela Justiça criminal de São Paulo em novembro de 2010, acusado de 52 estupros de suas próprias clientes. Estava detido.

Gilmar, então presidente do STF, entendeu que ele deveria recorrer em liberdade da sentença porque não representava perigo. Já tinha o registro cassado, não podia mais exercer a profissão e, portanto, não teria como continuar cometendo o crime.

No início de 2011, Abdelmassih era um foragido.

Gilmar é o mesmo que considerou “estranho” o episódio das doações feitas para pagar multas dos réus do mensalão. “Imagino que os militantes se disponham a cumprir alguns dias nos presídios”, disse, em resposta a uma carta de Suplicy.

Em matéria de estranheza, ele possui antecedentes. Concedeu habeas corpus a Daniel Dantas, preso pela Polícia Federal no caso Satiagraha em 2008.

Fez o mesmo com Cristina Maris Meinick Ribeiro, condenada por sumir com o processo de sonegação fiscal da Receita Federal contra a Globo.

Em maio de 2010, o habeas corpus de Abdelmassih fora negado pela ministra Ellen Gracie. Gilmar, porém, cravou que não havia elementos “concretos e individualizados, aptos a demonstrar a necessidade da prisão cautelar do ora paciente”.

A escritora Teresa Cordioli, vítima do médico nos anos 70, não perdoa o juiz. “O maior estupro foi feito pelo Gilmar Mendes, que o soltou. Aí nós criamos mais força na busca”, disse.

Gilmar nunca se manifestou sobre o episódio Roger Abdelmassih. Até agora, pelo menos.

9 comentários

  • só para constar

    Cardosinho, o juiz (ou ministro) tem discricionariedade nas suas decisões, ou seja, ele decide cada caso de acordo com o seu entendimento. o médico em questão já tinha tido seu registro cassado pelo CRM e portanto não mais oferecia perigo a sociedade. responder em liberdade é um direito constitucional de todos, desde que não represente perigo a sociedade ou não vá atrapalhar no processo. portanto, não vejo nada de estranho no habeas corpus concedido ao médico. quanto as doações aos mensaleiros, como se levanta milhões em menos de 48 horas????

    • Conheço amigos que colaboraram para o pagamento das multas. Isso é um problema deles.

    • anônimo

      não vou entrar no mérito dos mensaleiros, cada um faz com seu dinheiro a loucura que quiser… tem gente que usa pra comprar droga… mas esse ex medico representa perigo sim, o fato de não ter mais registro e de não poder clinicar é apenas um detalhe, pra fazer o que ele fazia basta estar solto.

  • JUAREZ QUECIDO

    TUCANO FECHA O BICO QUANDO PRECISA

  • só pra constar II

    Tem razão o “ai de cima”, se tirar a arma do bandido é sinal que ele não representa perigo !!!????? Mais bandido é quem recebeu dinheiro das estupradas para soltá-lo. A mesma mão que pegou $$$ do médico, pegou dinheiro do Daniel Dantas, da Globo, também condenou o Genoino. Ah esta mão sempre esteve ao lado do Joaquim Barbosa…

  • Maria Isis

    Esse medico e um gato

  • anonimo

    Acabou com a vida de tantas mulheres e ainda vem dizer que não representa perigo prá sociedade, só na cabeça desse cara mesmo, talvez ele representa mais perigo do que esse sujeitinho aí.

  • ministro$ do STF sao gente honesta

    Nao sei por que lembrei do Parini mas historia que o medico nao oferece perigo a sociedade e’ para soltar os ricos da cadeia.
    Assim como e’ a prisao domiciliar pois veja agora que soltaram a Suzane Ristofen, os mensaleiros, etc
    Cadeia foi feita para os pobres e pretos pois os ricos e os politicos sao “gente boa”

  • Mineiro Come Quieto

    TEM QUE FRITAR ESSE CARA, SEM ÓLEO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *