PERRONE: “CASO RONALDINHO ME MOSTROU COMO O BRASIL ESTÁ PERDENDO PARA O PARAGUAI NO COMBATE AO CORONAVÍRUS”

O texto é do jornalista Ricardo Perrone, que viajou ao Paraguai para acompanhar o caso Ronaldinho:

Quando desembarquei em Assunção, no Paraguai, para cobrir o caso Ronaldinho Gaúcho, no final do sábado retrasado, minha temperatura foi medida por agentes de saúde na saída do avião. Antes de pisar no salão do aeroporto.

Na segunda-feira,16, ao chegar ao mesmo aeroporto para voltar para casa minha temperatura também foi medida na entrada do salão principal em busca de um possível sintoma do novo coronavírus.

Quando embarquei em Cumbica rumo ao Paraguai ninguém mediu minha temperatura. Na volta, a mesma coisa. Nada de agentes públicos verificando as condições dos passageiros que acabavam de chegar do Paraguai em Cumbica.

Esses fatos mostram resumidamente como o caso envolvendo os documentos paraguaios falsos de Ronaldinho Gaúcho e Assis me revelaram a distância que o governo paraguaio abriu em relação ao brasileiro no quesito combate à evolução do novo coronavírus.

No último domingo, andei por ruas desertas do centro de Assunção em busca de um restaurante. Boa parte da população atendeu ao pedido do governo para não sair de casa. Parques estavam fechados, e os poucos restaurantes abertos praticamente vazios, atendendo mais a pedidos para viagem.

No Brasil, no mesmo dia, manifestantes favoráveis ao governo Bolsonaro foram às ruas. O presidente chegou a participar de ato com seus entusiastas em Brasília.

Quando uma funcionária do hotel em que me hospedei em Assunção me perguntou como estava a prevenção contra o novo coronavírus no meu país, falei sobre as manifestações e da atuação do presidente. Seu queixo literalmente caiu. “Como assim, o presidente apoiou uma aglomeração?”, disse ela.

Sua indignação teria sido maior se eu tivesse dito que Bolsonaro chegou a tocar os manifestantes, algo que Ronaldinho Gaúcho, Assis e seus colegas de prisão foram orientados a não fazer. Eles participaram de palestra sobre medidas de prevenção.

O quartel da polícia paraguaia adaptado para também receber presos limitou as visitas a uma pessoa por detento. E os visitantes precisam passar por uma checagem médica antes de entrarem.

No início da semana passada, o governo paraguaio, quando existiam cinco casos confirmados no país, adotou medidas drásticas. Eventos com aglomerações e até aulas foram suspensas. A conta até a publicação deste post estava em sete casos.

No Brasil tem sido uma confusão só. O governo aperta aqui, relaxa ali e os cidadãos batem cabeça. Enquanto isso, o vírus agradece e se espalha.

2 comentários

  • Não se compara o Brasil compara com a China e Itália. Agora, o Paraguai!

    Acho que o jornalista demonstra falta de conhecimento de geografia. Pois comparar o Paraguay com o Brasil é uma prova extrema de desconhecimento geográfico. Nosso vizinho com todo respeito equivale em tamanho a um estado médio brasileiro
    Assim evidente o total despreparo querer passar a ideia de organização frente as desproporcionais medidas entre eles, é mais sim uma vergonhosa tentativa de um despatriado ferir o Brasil.
    A responsabilidade é do povo e não do Governo. A doença apareceu. O Governo e a mídia informou seus riscos. A população é responsável por se cuidar. O Governo não pode amarrar pessoas pra ficarem em casa. Cada um que se cuida da sua própria vida.
    Se o Governo cria uma lei ele é culpado. Se não cria ele também é culpado. Fica muito difícil para o governo agradar os do contra. Mas o Brasil está propenso a entrar em um colapso com tanta gente sendo contra .
    Daqui a pouco o Bolsonario vai ser responsabilizados por não haver como atender os pacientes infectados.

    • Rapizodia

      Li seu comentário e achei que você quiz tapar o sol com a peneira literalmente. Sinto dizer, mas o repórter fez uma constatação, pois esteve nos dois ambientes imediatamente, Paraguai e Brasil e relatou o que sentiu. É de conhecimento geral o que nosso governo não fez e qual foi sua inspiração. Nem Trump foi tão quadrúpede.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *