REINALDO AZEVEDO ESCREVE SOBRE A TURMA QUE MELHOROU DE VIDA COM A FARSA DA LAVA JATO

Em sua coluna no UOL, o antipetista Reinaldo Azevedo falou sobre a Lava Jato e os vazamentos deste domingo (14). Para quem ainda não viu, Deltan Dallagnol foi flagrado em diálogos com a esposa e outro procurador, sobre como aproveitar a Lava Jato para ficar rico. Eis o artigo do Tio Rei:

O Brasil e os brasileiros vão mal. Mas os procuradores Deltan Dallagnol, Roberson Pozzobon e outros — além, é claro, do ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro — passam muito bem.

Só Deltan, o Menino Prodígio, previu um aumento de R$ 400 mil na sua conta bancária, no ano passado, com recursos oriundos de palestras. Reportagem da Folha e do site “The Intercept Brasil”, publicada no jornal neste domingo, traz a estratégia do rapazola, em diálogos com Pozzobon e com sua própria mulher, para obter lucros com a operação. Nas suas palavras: “Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”.

Era e é preciso combater a corrupção no Brasil?

Todos sabem a resposta.

Esse combate precisa se dar à margem da lei?

A boa resposta também é conhecida.

A Lava Jato provocou um estrago gigantesco na política e na economia. Não em razão do combate ao crime. Mas porque também ela agrediu as leis sob o pretexto de combater ilegalidades.

A realização de parcerias com uma firma organizadora de formaturas e outras duas empresas de eventos também foi debatida nessa conversa.

A lei proíbe que procuradores gerenciem empresas e permite que essas autoridades apenas sejam sócios ou acionistas de companhias.

Sim, Deltan já tinha dado “aula” em curso da Conquer. Escrevi neste blog no dia 13 de março de 2018 um post intitulado “Deltan Dallagnol vira professor de autoajuda. Faz sentido… Ninguém ajuda tanto a si mesmo. Logo, vai começar a curar pessoas ou fundar uma religião”. No post, afirmei:

“Ninguém se auto-ajudou tanto nestes tempos como Deltan. Da obscuridade para o estrelato, sem ter produzido uma obra que fique para a posteridade que não seja o desrespeito sistemático às leis e a Constituição. Um dos causadores do terremoto político em curso no Brasil será professor de um troço que proclama ser uma escola dos que “não ficam de mimimi”. Aliás, no Brasil, até a Constituição virou “mimimi”. O herói de um tempo diz muito sobre esse tempo. É do balocobaco! Mais um pouco, esse rapaz começa a curar pessoas. É esperar para ver. Ou funda a sua própria igreja.”

MORO E JANOT

Deltan trata também com Rodrigo Janot, já ex-procurador-geral, e com o então juiz Sérgio Moro a operação como um negócio, como um meio de vida.

Ah… Os membros da Lava Jato nas mãos da Lava Jato seriam alvos de pedido de prisão deferido por Moro. Em vez disso, a gente nota que todos melhoraram de vida.

Só o país piorou. E muito!

Até quando Deltan e seus amigos continuarão a insultar a inteligência alheia em prejuízo do país e em benefício de si mesmos?

Com a palavra, o Conselho Nacional do Ministério Público.

Com a palavra, a Corregedoria do Ministério Público Federal.

(…) 

15 comentários

  • Deltan e Moro! A pedra do sapato petista

    Os petistas acusam a turma da Lava Jato de provocar um estrago gigantesco na política e na economia certamente eles queriam continuar com a corrupção ou melhor, eles roubando! Pelo menos não teríamos recessão kkkkkk
    Depois de ver Lula fazer palestras para “esquentar” o dinheiro das empreiteiras. Era uma mesada? Agora temos o Deltan. O Menino Prodígio, previu um aumento de R$ 400 mil na sua conta bancária, no ano passado, com recursos oriundos de palestras. Que pobreza! O Lula ganhava isso, em cada uma palestra que ele fazia. kkkkkk
    Deltan e Moro colocaram mais de 100 políticos petistas na cadeia e os advogados petistas não conseguiram tirar. Aliás se pegar o dinheiro que os advogados petistas tomaram de Lula daria muito mais do que esse misero dinheiro
    kkkkkkk

  • Laranja

    “Depois da última reportagem de Veja, sobre o dossiê Intercept, fica claro que as entranhas do Judiciário serão expostas. Não apenas as manobras com o TRF4, como com instâncias superiores, até bater no Supremo Tribunal Federal.
    Ficará claro que a Lava Jato era apenas a peça inicial autorizada, os valentes sem risco, amparados pelo pode real (Judiciário, mídia), enfrentando um governo desarmado – em todos os sentidos, especialmente no sentido institucional.
    Qual será a reação? Até agora acusados, juízes e procuradores, têm recorrido ao álibi Luis Roberto Barroso. Usam o argumento de que o vazamento foi criminoso para fugir de qualquer avaliação sobre o conteúdo exposto das conversas.”

  • Laranja

    *******Deltan usou Lava Jato para lucrar com palestras e livro em parceria com a Folha de S.Paulo

    O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, montou um plano de negócios para lucrar com eventos e palestras na esteira da fama e dos contatos conseguidos durante a operação, mostram mensagens obtidas pelo Intercept e analisadas em conjunto com a equipe da Folha de S.Paulo.
    Em um chat sobre o tema criado no fim de 2018, Dallagnol e um colega da Lava Jato discutiram a constituição de uma empresa na qual eles não apareceriam formalmente como sócios, para evitar questionamentos legais e críticas. A ideia era usar familiares.
    Os procuradores também cogitaram a criação de um instituto sem fins lucrativos para pagar altos cachês a eles mesmos, além de uma parceria com uma firma organizadora de formaturas para alavancar os ganhos do projeto.
    A lei não proíbe que procuradores sejam sócios, investidores ou acionistas, desde que não tenham poderes de administração ou gestão da empresa. Os chats examinados pela Folha e pelo Intercept indicam que Dallagnol ocupou os serviços de duas funcionárias da Procuradoria em Curitiba para organizar sua atividade pessoal de palestrante no decorrer da Lava Jato.
    conversas mostram ainda que o procurador incentivava outras autoridades ligadas ao caso a realizar palestras remuneradas, entre eles o ex-juiz e atual ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot e outros procuradores que atuaram no escândalo de corrupção.
    Pouco antes do primeiro aniversário da Lava Jato, em fevereiro de 2015, a dedicação de Dallagnol ao trabalho de palestrante já gerava descontentamento entre os colegas da Procuradoria em Curitiba. Em um chat com o procurador Carlos Fernando Santos Lima, no aplicativo Telegram, o procurador buscou justificar sua atividade, dizendo que ela compensava um prejuízo financeiro decorrente da Lava Jato.
    “Estou a favor de maior autonomia, mas não me encham o saco, pra usar sua expressão, a respeito de como uso meu tempo. To me ferrando de trabalhar e ta parecendo a fábula do velho, do menino e do burro. Uns acham que devo atender menos a SECOM, outros que é importante. Uns acham que devo acompanhar cada um, outros acham que os grupos devem ter mais liberdade. E chega de reclamar dos meus cursos ou viagens. Evito dormir nos voos pra render. To até agora resolvendo e-mails etc”, desabafou Dallagnol.
    “Essas viagens são o que compensa a perda financeira do caso, pq fora eu fazia itinerancias e agora faria substituições. Enfim, acho bem justo e se reclamar quero discutir isso porque acho errado reclamar disso”, continuou Dallagnol no mesmo chat.
    Dallagnol se refere a dois tipos de trabalho no Ministério Público que podem engordar o contracheque. A itinerância é quando um procurador substitui as funções de outro, geralmente em outras cidades, com recebimento de diárias. Como integrante de uma força-tarefa que exige dedicação exclusiva, ele foi impedido de ocupar posições fora de Curitiba. Já no caso das substituições, o membro do MP assume o cargo de outro – como alguma função de chefia –, mas de forma mais modesta.
    “Acho que o crescimento é via de mão dupla. Não estamos em 100 metros livres. Esse caso já virou maratona. Devemos ter bom senso e respeitar o bom senso alheio”, completou o procurador.
    ‘Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok?’
    A ideia de criar uma empresa de eventos para aproveitar a repercussão da Lava Jato foi manifestada por Dallagnol nos chats em dezembro passado. “Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”, afirmou em conversa com a esposa. No mesmo mês, o procurador e seu colega na força-tarefa da Lava Jato Roberson Pozzobon criaram um chat específico para discutir o tema, com a participação das mulheres de ambos.
    “Antes de darmos passos para abrir empresa, teríamos que ter um plano de negócios e ter claras as expectativas em relação a cada um. Para ter plano de negócios, seria bom ver os últimos eventos e preço”, afirmou Dallagnol no chat.
    Pozzobon respondeu: “Temos que ver se o evento que vale mais a pena é: i) Mais gente, mais barato ii) Menos gente, mais caro. E um formato não exclui o outro”.
    Após a troca de várias mensagens sobre formatos do negócio, em 14 de fevereiro deste ano Dallagnol propôs que a empresa fosse aberta em nome das esposas, e que a organização dos eventos ficasse a cargo da firma Star Palestras e Eventos.

  • Laranja

    *****Reinaldo Azevedo e a farsa da Lava Jato: agora é com o Conselho Nacional do Ministério Público

    Em sua coluna no UOL, Reinando Azevedo falou sobre a Lava Jato e os vazamentos deste domingo (14).
    O Brasil e os brasileiros vão mal. Mas os procuradores Deltan Dallagnol, Roberson Pozzobon e outros — além, é claro, do ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro — passam muito bem.
    Só Deltan, o Menino Prodígio, previu um aumento de R$ 400 mil na sua conta bancária, no ano passado, com recursos oriundos de palestras. Reportagem da Folha e do site “The Intercept Brasil”, publicada no jornal neste domingo, traz a estratégia do rapazola, em diálogos com Pozzobon e com sua própria mulher, para obter lucros com a operação. Nas suas palavras: “Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”.
    Era e é preciso combater a corrupção no Brasil?
    Todos sabem a resposta.
    Esse combate precisa se dar à margem da lei?
    A boa resposta também é conhecida.
    A Lava Jato provocou um estrago gigantesco na política e na economia. Não em razão do combate ao crime. Mas porque também ela agrediu as leis sob o pretexto de combater ilegalidades.
    A realização de parcerias com uma firma organizadora de formaturas e outras duas empresas de eventos também foi debatida nessa conversa.
    A lei proíbe que procuradores gerenciem empresas e permite que essas autoridades apenas sejam sócios ou acionistas de companhias.
    Sim, Deltan já tinha dado “aula” em curso da Conquer. Escrevi neste blog no dia 13 de março de 2018 um post intitulado “Deltan Dallagnol vira professor de autoajuda. Faz sentido… Ninguém ajuda tanto a si mesmo. Logo, vai começar a curar pessoas ou fundar uma religião”. No post, afirmei:
    “Ninguém se auto-ajudou tanto nestes tempos como Deltan. Da obscuridade para o estrelato, sem ter produzido uma obra que fique para a posteridade que não seja o desrespeito sistemático às leis e a Constituição. Um dos causadores do terremoto político em curso no Brasil será professor de um troço que proclama ser uma escola dos que “não ficam de mimimi”. Aliás, no Brasil, até a Constituição virou “mimimi”. O herói de um tempo diz muito sobre esse tempo. É do balocobaco! Mais um pouco, esse rapaz começa a curar pessoas. É esperar para ver. Ou funda a sua própria igreja.”

    MORO E JANOT

    Deltan trata também com Rodrigo Janot, já ex-procurador-geral, e com o então juiz Sérgio Moro a operação como um negócio, como um meio de vida.
    Ah… Os membros da Lava Jato nas mãos da Lava Jato seriam alvos de pedido de prisão deferido por Moro. Em vez disso, a gente nota que todos melhoraram de vida.
    Só o país piorou. E muito!
    Até quando Deltan e seus amigos continuarão a insultar a inteligência alheia em prejuízo do país e em benefício de si mesmos?
    Com a palavra, o Conselho Nacional do Ministério Público.
    Com a palavra, a Corregedoria do Ministério Público Federal.

  • Enfermeiro cubano

    NOVOS ESCÂNDALOS——

    *****O escândalo da #VazaJato chegou ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), Corte responsável pela condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2ª instância, no processo da Lava-Jato.
    *****Novos trechos de diálogos entre promotores da força-tarefa revelados pelo site The Intercept Brasil, Folha de São Paulo e revista Veja mostram a citação do desembargador João Pedro Gebran Neto em suposta “tabelinha” com o procurador Deltan Dallagnol para embaraçar a defesa dos réus.
    Neste novo trecho, o personagem é Adir Assad, um dos operadores de propinas da Petrobras e de governos estaduais, preso pela primeira vez em 2015.
    Os diálogos foram extraídos de chats denominado “Grupo de Januario 1”, na plataforma Telegram. A citação do desembargador reforça as evidências de uma relação promíscua entre um membro do poder judiciário em 2ª instância e integrantes do ministério público, deixando as defesas dos réus às cegas durante julgamentos, conduta que pode destruir a confiança em todo o sistema jurídico.
    Aos poucos a #VazaJato também vai destruindo uma das principais linhas de defesa do ex-juiz Sérgio, que enfrenta denúncia de parcialidade e comprometimento nos julgamentos. Em várias ocasiões, ele argumenta que suas sentenças de primeira instância, que condenou o ex-presidente Lula, foram confirmadas por tribunais superiores.
    Moro tem repetido isso em entrevistas, e disse o mesmo em audiências no Senado e Câmara Federal. Em julho de 2017, no entanto, reportagem assinada pelo repórter Andreas Müller na revista Piauí, destaca as relações de intimidade entre Moro e o desembargador do TFR4. CONFIRA:
    “Sua trajetória reconhecida não o poupou de polêmicas, sobretudo por um detalhe pessoal nada irrelevante entre os réus condenados na Lava Jato: Gebran é amigo de Sérgio Moro, de quem foi colega de mestrado na Universidade Federal do Paraná, no início dos anos 2000. Os dois foram orientados pelo mesmo professor, o renomado constitucionalista Clèmerson Merlin Clève.
    Na seção de agradecimentos do livro A Aplicação Imediata dos Direitos e Garantias Individuais, com base na sua tese de mestrado, Gebran descreve Moro como um “homem culto e perspicaz”. “Nossa afinidade e amizade só fizeram crescer nesse período, sendo certo que [Moro] colaborou decisivamente com sugestões e críticas para o resultado deste trabalho”, escreveu Gebran.
    (…)
    “Se sou ou não sou amigo do juiz Sérgio Moro, isso é uma questão juridicamente irrelevante”, declarou Gebran, em abril, a uma emissora de tevê do Paraná.”

    RELAÇÕES PERIGOSAS

    Com as novas revelações, o The Intercept Brasil demonstra que o TRF4 também está sob suspeição nos julgamentos da Lava-Jato. Confira trechos da reportagem da revista Veja:
    “Cinco meses antes do julgamento do caso em segunda instância no TRF4, o procurador Deltan Dalla­gnol, chefe da força-tarefa em Curitiba, comenta em um chat com outros colegas do MPF:
    “O Gebran tá fazendo o voto e acha provas de autoria fracas em relação ao Assad”.
    O assunto é tema de outra conversa, de 5 de junho de 2017, entre Dalla­gnol e o procurador Carlos Augusto da Silva Cazarré, da força-tarefa da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, que atua junto ao TRF4.
    No diálogo, ocorrido às vésperas do julgamento da apelação de Assad, Dalla­gnol mostra-se novamente preocupado com a possibilidade de Gebran absolver o condenado. Naquele momento, em paralelo, a força-tarefa negociava com o condenado um acordo de delação (esse acordo seria fechado em 21 de agosto de 2017).
    Daí a preocupação do MPF com a possibilidade de Assad ser absolvido e voltar atrás nas conversas sobre delação. No chat, Dallagnol aciona Cazarré, que fica em Porto Alegre, sede do TRF4. “Cazarré, tem como sondar se absolverão assad? (…) se for esse o caso, talvez fosse melhor pedir pra adiar agilizar o acordo ao máximo para garantir a manutenção da condenação…”, escreve Dalla­gnol.
    “Olha Quando falei com ele, há uns 2 meses, não achei q fisse (sic) absolver… Acho difícil adiar”, responde Cazarré. Na sequência, Dalla­gnol volta a citar Gebran: “Falei com ele umas duas vezes, em encontros fortuitos, e ele mostrou preocupação em relação à prova de autoria sobre Assad…”. Dalla­gnol termina pedindo ao colega que não comente com Gebran o episódio do encontro fortuito “para evitar ruído”. (Clique aqui e leia a íntegra da reportagem na Veja, aberta para não-assinantes)
    8 de fevereiro de 2017;

    Grupo Filhos do Januario 1

    18:22:02 Deltan Tenho dúvidas. Tem que ver o que ele fala… pelo que Vc disse ele não falava nada…
    18:22:30 Deltan O Gebran tá fazendo o voto e acha provas de autoria fracas em relação ao Assad
    18:22:40 Deltan Pode ser uma solução para isso

    5 Jun 17

    Chat ADIR ASSAD

    00:14:25 Cazarre PRR4 Pessoal Terça trf4 julga apelação de adir, duque, vaccari etc
    00:14:40 Cazarre PRR4 Estarei na sessão e informo desdibramentos
    00:30:40 Deltan Cazarré, tem como sondar se absolverão assad? Parece que o Gebran tava tendendo a absolver… se for esse o caso, talvez fosse melhor pedir pra adiar agilizar o acordo ao máximo para garantir a manutenção da condenação…
    00:33:43 Cazarre PRR4 Olha Quando falei com ele, há uns 2 meses, não achei q fisse absolver… Acho difícil adiar. O processo está com ele desde fev/16 e nos últimos dias negou pedidos de afianento das defesas. Mas Vou ver o que descubro amanhã.
    00:37:11 Deltan Falei com ele umas duas vezes, em encontros fortuitos, e ele mostrou preocupação em relação à prova de autoria sobre Assad…
    00:37:34 Deltan Nova modalidade de investigação: encontro fortuito de desembargador
    00:37:47 Cazarre PRR4 Hahahaha
    00:38:09 Deltan Só não menciona que comentei, para evitar ruído… melhor perguntar se ele entende conveniente espeara em relação a Assad ou se sente seguro, dizendo que quer colocá-lo a par do andamento do acordo rs
    A série de reportagem publicada pelo The Intercept, Folha de São Paulo e revista Veja é um escândalo global, expondo as relações íntimas entre poderes que deveriam ser independentes.

  • eu

    ******Greenwald garante: revelações vão sair, mesmo que me joguem na prisão!

    Glenn Greenwald durante o 57º Congresso da UNE, em Brasília, na última quinta-feira

    O MUNDO DA DIREITA BRASILEIRA CAIU!!!!!!!!!!!!!!!!

    ***Com chamada na capa, o Washington Post traz hoje reportagem de seu correspondente no Brasil, Terence McCoy, contando o que vive o jornalista Gleen Greenwald, sofrendo as ameaças “semioficiais” com que Sérgio Moro insufla os bolsonaristas.
    ***-Enquanto eles acham que podem calá-lo com meia dúzia de rojões e uma caixa de som em Paraty, o caso vergonhoso para o Brasil se espalha pelo mundo.
    ***E Greenwald é claro: mesmo que o prendam, publicará todo o material das promiscuidades de Curitiba.
    ***Glenn Greenwald já enfrentou dificuldades para ser repórter antes. Mas não assim.
    ***Glenn Greenwald ficou nervoso. Ele tinha outra grande história em andamento, e a atmosfera em torno de seu escritório em casa era frenética: cachorros latindo, 27 câmeras de segurança filmando, grandes homens armados de guarda.
    Durante semanas, de uma casa transformada em um bunker, Greenwald publicou alegações lançando dúvidas sobre a imparcialidade da investigação de corrupção que levou à prisão do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e contribuiu para a ascensão do presidente Jair Bolsonaro.
    Em dois dias, ele publicaria outra história alegando que o juiz que supervisionou o caso de Lula, Sérgio Moro, herói nacional no Brasil por seu papel na corrupção, havia conspirado com promotores para condená-lo.
    “Este material vai sair”, disse ele. “Mesmo que eles me ponham na prisão.”
    A perspectiva parecia real o suficiente. Greenwald, o jornalista norte-americano polarizador que ganhou proeminência relatando os programas de vigilância do governo dos EUA expostos por Edward Snowden, havia prometido meses de histórias – um constante vazamento de vazamentos que poderia pôr em perigo a agenda de Bolsonaro. Alguns membros do Congresso pediram sua deportação. Outros o acusaram de cometer um crime. Ameaças de morte estavam rolando.
    Mais recentemente, a Polícia Federal, comandada por Moro, hoje ministro da Justiça de Bolsonaro, começou a investigar as finanças de Greenwald em uma investigação que os defensores da imprensa vêem como uma tentativa de silenciá-lo.
    As ameaças públicas contra Greenwald representam um teste inicial para o Brasil sob Bolsonaro, o ex-oficial militar de direita que ganhou a presidência no ano passado com apelos ao nacionalismo, homofobia e nostalgia pela ditadura militar de duas décadas do país.
    Este governo tolerará denúncias prejudiciais de um jornalista gay? Ou será que vai silenciá-lo, confirmando os temores do potencial de autoritarismo de Bolsonaro?
    (…) Uma figura central no arquivo de materiais que obteve foi Moro, uma das pessoas mais populares do Brasil, visto por muitos como um defensor da probidade pública.
    A primeira história do Intercept, publicada no início de junho, desafiou essa narrativa. Alegou que Moro havia trabalhado de forma inadequada com promotores federais para prender Lula, o líder nas eleições presidenciais, limpando o caminho de Bolsonaro para a presidência. Moro negou ter cometido erros.
    O relatório gerou respostas que refletiram as divisões do país. Embora a maioria tenha desaprovado suas alegadas comunicações com os promotores durante a investigação “Lava Jato”, as pesquisas mostraram que a maioria continua a apoiá-lo. E Greenwald, que nunca escondeu seu desdém por Bolsonaro, viu-se diante de uma acusação que ouviu antes : que ele é menos um jornalista do que um ativista.
    “Ele está muito claramente posicionado no Brasil”, disse Oliver Stuenkel, professor assistente de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo. “Muitas pessoas dizem que ele tem uma agenda e ele não é objetivo”.
    Logo a história se tornou tanto sobre Greenwald – sua sexualidade, seu casamento com um homem brasileiro, sua condição de estrangeiro – quanto sobre as alegações que o Intercept publicava.
    Carlos Bolsonaro, o filho do presidente, divulgou teorias de conspiração e insinuou chamar de “menina” o marido de Greenwald . Uma petição online para a deportação do jornalista acumulou quase 100.000 assinaturas. Mensagens homofóbicas atravessaram as mídias sociais. Moro disse que o Intercept foi “aliado” de “hackers criminosos”.
    Na semana passada, o site Antagonista, que tem uma reputação no Brasil como anti-Lula, informou que a polícia federal estava investigando as finanças de Greenwald. As autoridades recusaram-se a confirmar ou negar uma investigação.
    “Nossa constituição é muito dura na defesa da liberdade de expressão e imprensa”, disse Leandro Demori, editor executivo da Intercept Brasil. “Mas as nossas instituições são fortes o suficiente para proteger a constituição? Acho que não. Eu realmente não sei. Estamos com medo.
    Greenwald está inclinado a concordar. Ele sofreu ameaças e denúncias após as revelações de Snowden. Mas isso parece diferente, ele disse. É mais pessoal.
    “Com Snowden, eu era apenas o repórter”, disse Greenwald. “Neste caso, não há fonte identificável, então eles me identificaram pessoalmente, como se eu fosse a pessoa que pegou o material.
    “Eu sou um bom alvo. Sou estrangeiro. Eu sou gay. Sou casado com um político socialista.”
    Ele olhou para fora por um momento, onde tudo era sol e folhagem. Ele diz que o Brasil ainda é “paraíso”. Mas além das árvores havia muros de concreto, agora recém-fortificados com espirais de arame farpado eletrificado. Atualmente, ele raramente se aventura além de sua barreira, ele disse, por medo de assassinato.
    Ainda assim, ele não tem planos de sair.
    “Eu não vejo o Brasil como um lugar estrangeiro”, disse ele. “É a minha casa.”

  • eu

    DELTAN REAPARECE, SE FAZ DE VÍTIMA E É MASSACRADO NAS REDES SOCIAIS

    O procurador Deltan Dallagnol, que forjou a acusação contra Lula e orou pela ascensão da extrema-direita no Brasil, diz que suas ações, demonstradas ilegais pela Vaza Jato, reduziram o sofrimento humano no Brasil. As respostas dos internautas foram desvastadoras.

    O procurador Deltan Dallagnol, que forjou a acusação contra o ex-presidente Lula, participou de um conluio com o ex-juiz Sergio Moro para condená-lo, orou pela ascensão de um governo de extrema-direita que avacalha a imagem do Brasil no mundo e produz desemprego e estagnação econômica, diz que suas ações na Lava Jato contribuem para mitigar o sofrimento humano. “Trabalhar na Lava Jato gera um grande custo pessoal. Mas todos da força-tarefa estamos dispostos a pagá-lo para cumprir nosso dever e contribuir para um país com menos corrupção e menos sofrimento humano causado por essas práticas espúrias”, afirmou.

    As reações ao seu tweet, no entanto, foram extremamente negativas. Confira abaixo:

    Deltan Dallagnol

    @deltanmd
    · 22h
    Trabalhar na Lava Jato gera um grande custo pessoal. Mas todos da força-tarefa estamos dispostos a pagá-lo para cumprir nosso dever e contribuir para um país com menos corrupção e menos sofrimento humano causado por essas práticas espúrias. https://bit.ly/2Y4Bu6X

    ‘Se buscássemos aliados, seriam importantes Lula, Eduardo Cunha e Sérgio Cabral’, diz Deltan da…
    Em entrevista ao Estadão , procurador da força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná, base e origem da maior

    politica.estadao.com.br

    carol proner
    @carolproner
    Você está encrencado, Deltan, ainda bem que ainda existe liberdade de imprensa e constituição para que possamos descobrir seus crimes a tempo de impedir mais prejuízos ao erário. Terá que explicar tanta leniência, meu caro.

    2.469
    19:06 – 13 de jul de 2019
    Informações e privacidade no Twitter Ads
    529 pessoas estão falando sobre isso

    carol proner
    @carolproner
    · 21h
    Respondendo a @deltanmd
    Você está encrencado, Deltan, ainda bem que ainda existe liberdade de imprensa e constituição para que possamos descobrir seus crimes a tempo de impedir mais prejuízos ao erário. Terá que explicar tanta leniência, meu caro.

    Renilton Oliveira
    @renilton
    O enorme “sacrifício” de DD e seus asseclas foi precificado em US$ 2.5 bi. Mesmo sob a ameaça do marreco e a leniência do parceiros de toga, a farsa da operação (já bem conhecida) vai sendo exposta em seus mínimos detalhes. O cinismo dessa gente não tem limite.

    19:42 – 13 de jul de 2019
    Informações e privacidade no Twitter Ads
    Veja outros Tweets de Renilton Oliveira

    Deltan Dallagnol

    @deltanmd
    · 22h
    Trabalhar na Lava Jato gera um grande custo pessoal. Mas todos da força-tarefa estamos dispostos a pagá-lo para cumprir nosso dever e contribuir para um país com menos corrupção e menos sofrimento humano causado por essas práticas espúrias. https://bit.ly/2Y4Bu6X

    ‘Se buscássemos aliados, seriam importantes Lula, Eduardo Cunha e Sérgio Cabral’, diz Deltan da…
    Em entrevista ao Estadão , procurador da força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná, base e origem da maior

    politica.estadao.com.br

    Kepler & Kopernikus
    @kepler_johann
    Deltan, você, Gebran e Moro são três desqualificados. Foram desmascarados agindo em conluio. Agiram para prejudicar o único candidato que derrotaria o fascista Bolsonaro. Hoje o país passa vergonha no mundo, graças a gente como vocês e o mentecapto que ajudaram a eleger.

    415
    19:37 – 13 de jul de 2019 · Santos, Brasil
    Informações e privacidade no Twitter Ads
    116 pessoas estão falando sobre isso

    Deltan Dallagnol

    @deltanmd
    · 22h
    Trabalhar na Lava Jato gera um grande custo pessoal. Mas todos da força-tarefa estamos dispostos a pagá-lo para cumprir nosso dever e contribuir para um país com menos corrupção e menos sofrimento humano causado por essas práticas espúrias. https://bit.ly/2Y4Bu6X

    ‘Se buscássemos aliados, seriam importantes Lula, Eduardo Cunha e Sérgio Cabral’, diz Deltan da…
    Em entrevista ao Estadão , procurador da força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná, base e origem da maior

    politica.estadao.com.br

    Leonardo Boff
    @LeonardoBoff
    Alguém precisa ser muito corrupto na mente para ser contra a corrupção.A Lava Jato o fez corrompendo as relações que não podem ser corrompidas entre o juiz e os procuradores.A corrupção de vocês é diferente mas tb é corrupção.Propuseram-se prender Lula.Fizeram-no corruptamente.

    2.406
    18:42 – 13 de jul de 2019 · Petrópolis, Brasil

  • Uma quadrilha pedindo a prisão de um xerife, só no Brasil

    Depois de não conseguir a queda do ministro Moro, o PT se juntou aos jornalistas petistas para vasculhar a vida de Deltan. Muito comum, eles fazerem palestras assim como ex presidentes, ministros do STF, etc.
    O PT não perdeu tempo pois fez representação ao Conselho do MP, para pedir apuração das relações de Dallagnol com três empresas que organizam palestras. Solicitou ainda o afastamento do procurador por 120 dias ou a abertura de processo disciplinar. Porem o CNMP avalizou as palestras de Deltan Dallagnol como legais e filantrópicas.
    Muita gente não gostou principalmente os ministros do STF kkkkkk Quem diria !!!!
    Parece que as denuncias só fazem sucesso nas redes sociais

  • eu

    Um Xerife louco e psicopata, além de Imbecil lutando para defender o MP e Mouro, só pode ser um Asno.

  • Thiago

    Deve ser frustrante pra esquerda ter que se apegar com Reinaldo Azevedo, Jean Wyllys, Gleisi Hoffmann, José de Abreu, Guilherme Boulos, etc.

    Já senti repulsa pela esquerda, ultimamente só sinto pena

  • jALESENSE

    Deputado protocola pedido de retenção do passaporte de Deltan Dallagnol, para evitar fuga.

    O protocolo foi feito na Comissão de Direitos Humanos e Minorias, uma das comissões a que havia sido submetida a presença de Dallagnol para explicar as últimas denúncias feitas pela imprensa. O procurador, que é coordenador da Lava Jato, optou por não comparecer às audiências a que foi convidado, sem apresentar justificativa plausível.
    “Dallagnol tem tempo para responder a órgãos de comunicação, como o Estadão, mas não demonstra a mesma boa vontade para falar com os parlamentares, o que é no mínimo uma afronta à democracia”, diz o deputado Rogério Correia.Continua depois da publicidade
    “Neste momento em que se agravam as acusações contra ele e seu parceiro Sergio Moro, é importante termos a garantia de que ele não poderá deixar o país, como aliás fez este fim de semana o próprio ministro da Justiça, viajando aos EUA.”

  • mané

    EM NOVAS MENSAGENS DIVULGADAS, MORO, QUE ESTA SUMIDO, TERIA PAUTADO IMPRENSA CONTRA LULA

    O site The Intercept Brasil deu prosseguimento na noite desta sexta (14) à divulgação de mensagens atribuídas ao ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública.
    No conteúdo divulgado nesta sexta está um episódio ocorrido em 10 de maio de 2017. Moro já presidia um processo criminal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    *****Vem mais coisa por aí, a máscara de Moro vai cair’, garante Glenn Greenwald
    De acordo com o Intercept, Moro enviou mensagens com o intuito de coordenar uma reação midiática ao que o então juiz se refere como “showzinho” da defesa de Lula, de acordo com as mensagens vazadas.
    No episódio narrado, Moro manda mensagem para Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato, questionando sobre o depoimento do ex-presidente no processo que futuramente renderia sua condenação.

    EXCLUSIVO e NOVO: Sergio Moro, enquanto julgava Lula, sugeriu à Lava Jato emitir uma nota oficial contra a defesa. Eles acataram e pautaram imprensa #VazaJato https://interc.pt/2ILtzBH por @rafaelmmartins, @demori, @ggreenwald, @amandafaudi
    Moro sugeriu nota para direcionar a imprensa após interrogar Lula. Lava Jato obedeceu.
    Horas depois do primeiro depoimento de Lula, o então juiz procurou o Ministério Público para sugerir nota à imprensa que esclarecesse “contradições” do petista.

    Veja a sequência que o Intercept divulgou:

    Santos Lima – 22:10 – Achei que ficou muito bom. Ele começou polarizando conosco, o que me deixou tranquilo. Ele cometeu muitas pequenas contradições e deixou de responder muita coisa, o que não é bem compreendido pela população. Você ter começado com o Triplex desmontou um pouco ele.

    Moro – 22:11 – A comunicação é complicada pois a imprensa não é muito atenta a detalhes

    Moro – 22:11 – E alguns esperam algo conclusivo

    Moro – 22:12 – Talvez vcs devessem amanhã editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele

    Moro – 22:13 – Por que a Defesa já fez o showzinho dela.

    Santos Lima – 22:13 – Podemos fazer. Vou conversar com o pessoal.

    Santos Lima – 22:16 – Não estarei aqui amanhã. Mas o mais importante foi frustrar a ideia de que ele conseguiria transformar tudo em uma perseguição sua.

    O Intercept afirma ter entrado em contato com Moro antes da divulgação e recebeu a seguinte nota:

    “O Ministro da Justiça e Segurança Pública não comentará supostas mensagens de autoridades públicas colhidas por meio de invasão criminosa de hackers e que podem ter sido adulteradas e editadas, especialmente sem análise prévia de autoridade independente que possa certificar a sua integridade. No caso em questão, as supostas mensagens nem sequer foram enviadas previamente.”
    Moro esta com o rábico piscando e não passa nem uma agulha.

  • Jales

    Thiago a esquerda sobrevivi sozinha e sem se apegar a qualquer um inclusive sua pessoa eu sempre senti nojo, asco, pena etc….da direita ordinária e fascista, agora quero que ela se foda no buteco da esquina cuja proprietária e sua moeder.

  • Jalesense

    DIREITA FASCISTA COMANDADA AGORA POR MORO QUE ESTA SUMIDO, TENTANDO PEGAR QUEIROZ, OS ASSESSORES DE FLÁVIO BOLSONARO, DO DONO DOS LARANJAIS , DO CX.2, DO DONO DAS RACHADINHAS, DO NOVO EMBAIXADOR DOS EUA ETC….

    *****
    QUEM SERÁ O NOVO MILIONÁRIO? SERGIO MORO VAI PAGAR BEM PRA QUEM FIZER PAPEL DE HACKER.
    Essa tática equivocada fracassará. A razão é simples: as evidências provando a autenticidade do material são tão grandes, e oriundas de tantas fontes de credibilidade conhecida, que nenhuma “confissão” do tipo seria verossímil.
    MORO ESTA FERRADO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *