SANTA CASA RECEBE NOTEBOOK COMO PRÊMIO DO CONCURSO ‘MÁRIO COVAS’

(por Vívian Curitiba)

Na tarde do dia 04 de outubro o superintendente regional da Sabesp, Antônio Rodrigues da Grela Filho, o Dalua, esteve na Santa Casa de Jales para fazer a entrega do notebook conquistado no “Prêmio Governador Mário Covas”, no qual o hospital foi o vencedor com a apresentação do projeto “Nasce Uma Criança, Plante Uma Árvore”.

“A Sabesp representou a Santa Casa nesse grande projeto idealizado pela CIPA. Parabéns a todos os colaboradores que participaram do plantio das árvores”, disse Dalua.

Na ocasião, o administrador hospitalar Carlos Henrique Merighe, representou o provedor José Devanir Rodrigues, o Garça, agradeceu pelo prêmio e parabenizou os colaboradores envolvidos com o projeto. “Esse prêmio é uma conquista da equipe da CIPA que desenvolve tão bem esse brilhante projeto”.

 Saiba mais:

Preocupada com seu papel sócio-ambiental a Santa Casa de Jales desenvolve desde 2009 o projeto Nasce uma Criança, Plante uma Árvore. Para cada criança que nasce no hospital é plantada uma muda de árvore nativa e frutífera na área de reflorestamento da Lagoa de Tratamento da Sabesp. A cada 3 meses são plantadas em média 460 árvores, entre elas Oiti, Goiabinha, Ipê, Amoreira e coqueiros.

A iniciativa partiu da CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e tem como objetivo incentivar que os colaboradores e a comunidade se envolvam com as causas ambientais de preservação do meio ambiente. Desde 2009, mais de 1,5 mil árvores foram plantadas.

4 comentários

  • Camarada Martini

    Se essa moda pega, nosso nordeste vai virar

    uma selva de mata fechada.

  • MEU NOBRE BLOGUEIRO, POR FALAR EM ÁRVORES, VC. PODERIA ME INFORMAR SE O ACORDO QUE DERRUBOU/EXTERMINOU A NOSSA AMADA SERINGUEIRA JÁ TEVE A CONTRAPARTIDA, OU SEJA OS DESTRUIDORES PLANTARAM AS ÁRVORES PREVISTAS?????????

    • Sim, meu intrépido guru. Se vc está se referindo à seringueira que cedeu lugar a um posto de gasolina, os empresários reflorestaram uma área nas proximidades do jardim Maria Silveira.

  • Anônimo

    PATRIMÔNIO X MEIO AMBIENTE
    Caro Polleto, o caso da “Seringueira” na verdade foi pura embromação. Na verdade o impacto do corte daquela majestosa árvore não é ambiental, por ser apenas uma árvore e por ela não ser espécie protegida por lei. O verdadeiro impacto daquela árvore é histórico, portanto nem o plantio de 1.000 árvores vai compensar a derrubada daquela cinquentenária. Eu acho que o plantio prometido em troca daquela sirva para tentar compensar as árvores cortadas na avenida central de Jales.
    Por isso o conselho de cultura se manifestou contrário ao corte e o conselho do meio ambiente deliberou à favor (é claro que existiram algumas influências nesse segundo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *