CRISTOVÃO BASTOS E MÔNICA SALMASO – “TODO O SENTIMENTO”

Se tudo correr bem, nesse domingo o maestro, pianista e compositor Cristovão Bastos fará uma participação especial no Brasil & Cia, o programa que apresento aos domingos, na Regional FM, das 10 às 14 horas, com o melhor da MPB.

De acordo com o que foi combinado através de um amigo comum – o jalesense radicado em Ourinhos, Luiz Carlos Seixas – o maestro irá falar sobre o lançamento de seu novo álbum – o CD “Cristovão Bastos e Rogério Caetano” – em que ele e o violonista Rogério Caetano interpretam músicas compostas por eles e por outros parceiros.

Rogério não é o primeiro violonista com quem Cristovão grava um álbum instrumental. Aqui na minha estante, tenho entre meus preferidos o CD “Bons Encontros”, de 1992, no qual Cristovão e o violonista Marco Pereira – outro virtuose do violão – interpretam vários clássicos de Ary Barroso e Noel Rosa. O CD “Bons Encontros” rendeu a eles o Prêmio Sharp de Melhor Disco Instrumental daquele ano.

Em mais de trinta anos de carreira, o maestro já compôs com parceiros como Chico Buarque, Aldir Blanc, Paulo César Pinheiro, Abel Silva, Paulinho da Viola e Elton Medeiros, entre outros. É dele as melodias de “Suave Veneno” e “Resposta ao Tempo”, com letras de Aldir Blanc, sucessos de Nana Caymmi.

Com Abel Silva, ele compôs, por exemplo, “Raios de Luz”, música lindíssima que a Simone já gravou duas vezes. De tão bonita, “Raios de Luz” ganhou uma versão em inglês – “Let’s start rigth now” – gravada simplesmente por Barbra Streisand, em disco de 1999.

De seu lado, Rogério Caetano, violinista e compositor brasiliense, é uma referência do violão de 7 cordas de aço. Já gravou com artistas como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Beth Carvalho, Caetano Veloso, Monarco, D. Ivone Lara, Maria Bethania, Nana Caymmi, Ivan Lins, Yamandú Costa e Hamilton de Holanda, entre vários outros.

Cristovão e Rogério se conheceram na Escola de Música de Brasília, durante um curso de verão no qual ambos davam aulas, e acabaram tocando juntos pela primeira vez. “A gente teve uma empatia muito grande, tanto musical quanto pessoal. A partir disso, a gente sempre esteve próximo, em contato. Temos uma amizade grande, respeito e admiração mútua”, conta Rogério.

O CD que estão lançando tem 11 músicas, cinco delas compostas por Rogério e as outras seis por Cristóvão. Das seis músicas de Cristovão, duas foram compostas em parceria com Paulinho da Viola e uma terceira – “Choro Saudoso” – com Paulo César Pinheiro.

“Choro Saudoso” é uma homenagem ao violonista Raphael Rabello, que faleceu em abril de 1995, aos 32 anos. Raphael que era cunhado de Paulinho da Viola (casado com Lila Rabello) e de Paulo César Pinheiro (casado com Luciana Rabello), foi fonte de inspiração e a principal referência para Rogério Caetano.

A obra-prima de Cristovão Bastos é “Todo o Sentimento”, que ganhou uma das letras mais inspiradas de Chico Buarque. Eleita uma das dez melhores da obra de Chico, essa música já foi regravada por Elizeth Cardoso, Maria Betânia, Maria Creuza, Nana Caymmi, Elba Ramalho e Verônica Sabino, entre outras grandes cantoras.

Eu já postei “Todo o Sentimento” duas vezes aqui neste modesto blog, em versões da cantora Márcia Tauil e do grupo Mulheres de Hollanda, ambas acompanhadas pelo piano do maestro Cristovão Bastos. Estou postando uma terceira versão – e ainda há tantas a postar -, desta vez com a afinadíssima Mônica Salmaso, uma cantora pouco tocada em nossas emissoras de rádio, mas respeitada pelos grandes compositores e pelos melhores músicos do país.

Por sinal, uma das melhores coisas deste complicado ano de 2020, é a série de gravações feitas por Mônica, durante a pandemia, com convidados como Chico Buarque (veja aqui a felicidade do Chico cantando com ela), Zélia Duncan, João Bosco, Chico César, Hamilton de Hollanda, Yamandu Costa e o próprio Cristovão Bastos.

Abaixo, o vídeo gravado em junho, com Mônica e o maestro:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *