FAGNER E DORI CAYMMI – “AS ROSAS NÃO FALAM”

O cantor e compositor Raimundo Fagner está se preparando, desde 2015, para lançar um novo álbum com músicas inéditas. Para tanto, ele vem compondo novas músicas em parcerias com Chico César, Clodo Ferreira, Fausto Nilo, Moacyr Luz e Zeca Baleiro.

No entanto, para tristeza de dois amigos deste blogueiro – o Tinhoso e o Odair Brassolatti, da Transportadora Zero Hora, fãs do cearense – o Fagner parece que vai, mais uma vez, adiar o projeto do álbum de inéditas. Por sinal, o último que ele gravou com músicas novas foi “Pássaro Urbano”, de 2014.

O motivo para o adiamento é que – menos mal – Fagner vai se dedicar a outro projeto: um disco de tom seresteiro, com músicas antigas, a maioria da década de 1930. A informação é do jornalista e crítico musical do G1, o Mauro Ferreira.   

Segundo o Mauro, estão previstas as regravações de músicas como “Rosa” (que foi composta por Pixinguinha em 1917, e recebeu letra do compositor Otávio de Souza em 1937), “Malandrinha” (de Freire Júnior, 1927), “Maringá” (Joubert de Carvalho, 1931), “Noite Cheia de Estrelas” (Cândido das Neves, 1937), “Chão de Estrelas” (Sílvio Caldas e Orestes Barbosa, 1937), “Lábios Que Beijei” (J.Cascata e Leonel Azevedo, 1937) e “Deusa da Minha Rua” (Newton Teixeira e Jorge Faraj, 1939).

Além da safra 1920/30, Fagner deverá gravar, também, “Serenata do Adeus” (Vinícius de Moraes, 1958) e “As Rosas Não Falam” (Cartola, 1976). Com relação a esta última, não será a primeira vez que Fagner irá regravá-la.

A obra-prima do semi-analfabeto Cartola é umas das canções do álbum “Eu Canto”, de 1978, o quinto disco de Fagner. Afora isso, “As Rosas Não Falam” está também no disco “Me Leve”, de 2020, em bonito registro “ao vivo” de Fagner.

Raimundo Fagner Cândido Lopes irá completar 71 anos no próximo 13 de outubro. Apesar do nome bem brasileiro, que ele herdou da mãe, dona Francisca Cândido Lopes, Fagner é filho de um imigrante libanês de sobrenome Haddad Lupus.

No vídeo, Fagner canta “As Rosas Não Falam”, na boa companhia de Dori Caymmi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *