FERNANDA PORTO – “HOJE”

O cantor e compositor Taiguara Chalar da Silva (09.10.1945) nascido no Uruguai durante uma temporada de espetáculos de seu pai, o bandoneonista e maestro Ubirajara Silva, foi um dos melhores compositores da MPB e um dos mais assíduos cantores de festivais.

Nesses festivais, ele cantava músicas suas e de outros compositores, como é o caso de “Modinha“, do Sérgio Bittencourt (o jurado de TV e filho do Jacob do Bandolim, que compôs, entre outras, “Naquela Mesa“, em homenagem ao pai).

Considerado um dos símbolos da resistência à censura durante a ditadura militar, Taiguara teve, aproximadamente, 100 músicas vetadas pelos censores do regime, uma perseguição que o levou a se auto exilar na Inglaterra em meados de 1973.

Uma dessas músicas censuradas foi “Hoje” – o maior sucesso de Taiguara – em cujos versos algum censor mais realista que rei enxergou alusões à tortura (“trago em meu corpo as marcas do tempo”) e insinuações de que, sob o regime militar, a sociedade era infeliz. A letra, na verdade, é um desabafo de um personagem desiludido com as agruras da vida e do amor.

Em 2011, a gravadora Tratore lançou o CD “A Voz da Mulher na Obra de Taiguara”, uma homenagem ao cantor/compositor falecido em 14 de fevereiro de 1996. E coube à pianista e cantora paulista Fernanda Porto (nome verdadeiro: Maria Fernanda Dutra Clemente), interpretar “Hoje”.

No vídeo abaixo, Fernanda – que faz sucesso na Europa – canta e fala de Taiguara.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *