GEORGE HARRISON E ERIC CLAPTON – “WHILE MY GUITTAR GENTLY WEEPS”

Durante esta semana, comemorou-se os cinquenta anos do lançamento do 10º álbum dos Beatles que, oficialmente, chama-se simplesmente “The Beatles”, mas, por conta de sua capa minimalista, totalmente branca, ficou mundialmente conhecido como o “Álbum Branco”. A foto ao lado é da contracapa.

Lançado em 22 de novembro de 1968, o “Álbum Branco” é considerado um dos mais relevantes do grupo, embora nenhuma de suas trinta músicas esteja entre os maiores sucessos dos Beatles. Me lembro que aqui em nossa região, a música mais tocada do disco era “Ob-La-Di, Ob-La-Da”. Atualmente, “Blackbird” é a mais ouvida na internet.

O disco traz uma história curiosa. A maioria das músicas foi composta num período em que o grupo, sob pressão, foi fazer meditação transcendental em Hishikesh, com o guru indiano Maharishi Mahesh Yogi. Era para ser um ambiente de retiro, mas John Lennon e Paul McCartney davam algumas escapadelas para compor.

Ringo Starr – cujo estômago sensível não se deu bem com a comida indiana – foi o primeiro a abandonar a meditação e deixar a Índia. Paul McCartney também voltou logo, enquanto os persistentes Lennon e George Harrison voltaram algumas semanas depois, em meio a rumores de que o guru indiano teria tentado se aproveitar sexualmente de uma de suas alunas, o que nunca ficou comprovado.

De qualquer forma, a meditação resultou em um disco criativo, gravado em meio a desentendimentos entre os quatro cabeludos de Liverpool. Um dos motivos para tensão era a nova namorada de John Lennon, a japa Yoko Ono, que insistia em frequentar o estúdio durante as gravações. Os quatro rapazes tinham um acordo pelo qual somente eles deveriam permanecer no estúdio quando estivessem gravando.

O fato é que, segundo os beatlemaníacos, o “Álbum Branco” foi o início do fim dos Beatles. Eles chegaram a gravar outros dois discos – “Abey Road”, aquele da capa em que os quatro aparecem atravessando uma rua, de 1969, e “Let Be”, de 1970 – mas o fim já havia sido decretado por desavenças que se intensificaram logo após a meditação transcendental.

“While My Guitar Gently Weeps” (Enquanto minha guitarra suavemente chora), de autoria do George Harison, por sinal o mais ligado ao guru indiano, é uma das músicas do “Álbum Branco”. Aqui no Brasil, o ex-Barão Vermelho Roberto Frejat, gravou essa canção, acompanhado – vejam quanta criatividade! – pelo grupo Os Britos.

No vídeo abaixo, “While My Guitar Gently Weeps” é cantada pelo George Harrison, acompanhado pela suave e chorosa guitarra do Eric Clapton, uma demonstração de que o episódio Pattie Boyd não abalou a amizade entre eles.

Em tempo: Pattie Boyd, uma modelo inglesa, foi casada com George e abandonou o ex-Beatle para ir morar com Eric Clapton. Como diria meu falecido amigo Hodofildo, Pattie tinha “barulho”, pois inspirou duas músicas imortais: “Something“, de George, e “Layla“, de Eric. Vamos ao vídeo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *