QUARTETO DO RIO E YAMANDU COSTA – “ÚLTIMO DESEJO”

Quando saí hoje à tarde para o passeio vespertino com meus fiéis companheiros – o vira-latas Teddy e a bassezinha Sofia – ainda não tinha ideia sobre o vídeo musical que eu postaria neste sábado. Na volta, dei de cara com um vídeo postado pelo meu amigo Luiz Carlos Seixas, o Bochecha, em sua página no feicibuque.

Por sinal, o Bochecha – que mora em Ourinhos há muitos anos – esteve aqui em Jales na semana passada e me prometeu uma visita lá na Regional FM, mas acabou não dando o ar de sua graça. Certamente que ele e o seo Bernardino, o pai dele, arranjaram coisa melhor com que se ocupar.

Voltando ao vídeo postado pelo Bochecha, ele mostra o Quarteto do Rio interpretando, à capela, um dos clássicos de Noel Rosa – “Último Desejo”. Pronto! Estava resolvido: não obstante já ter postado um vídeo dessa música aqui no blog, com o Ney Matogrosso, achei que valeria a pena um repeteco com o Quarteto do Rio.

Noel Rosa morreu muito jovem, com 27 anos, e “Último Desejo”, como o próprio nome indica foi uma de suas últimas composições. Hospitalizado por conta de uma tuberculose, Noel estava desconfiado de que estava prestes a deixar este mundo cruel e resolveu homenagear a bailarina Juraci Correia de Moraes, a bela Ceci (foto acima), com quem viveu um atribulado caso de amor.

“Último Desejo” não foi a única música de Noel inspirada em Ceci. Antes, ele já tinha feito “Dama do Cabaré” para ela. Ceci não foi, porém, a única paixão de Noel, que foi apaixonado também pela tímida operária de uma fábrica de tecidos, Josefina, inspiração para “Três Apitos”. Já os versos de “Feitio de Oração” foram inspirados em Julinha, outra paixão.

Aparentemente, ele só não era apaixonado pela mulher, Lindaura, com quem se casou aos 23 anos, forçado pela mãe da moça, dez anos mais nova e grávida de um filho que não resistiu à gestação. Apesar das paixões de Noel, Lindaura permaneceu ao lado dele até que a morte os separou, em maio de 1937.

Naquela época, a tuberculose era uma doença fatal, principalmente para os boêmios e fumantes, como Noel. Em 1935, ele chegou a se afastar do Rio de Janeiro, para um tratamento. Foi para Belo Horizonte com Lindaura, onde se hospedaram na casa de uma tia, mas o tratamento não durou muito, pois logo ele se apaixonou pela noite de BH. Foi lá em Minas que ele recebeu a notícia do suicídio do pai, que se enforcou.

De volta ao Rio de Janeiro, em 1936, ele buscou outros tratamentos, mas eles eram sempre prejudicados pela sua vida boêmia. No dia 1º de maio de 1937, sobreveio uma crise fatal de hemoptise. Noel morreu na noite do dia 04 de maio, enquanto em frente à sua casa comemoravam o aniversário de uma vizinha numa festa em que tocavam suas músicas.

“Último Desejo” é uma das poucas canções em que Noel compôs letra e música, calando de vez aqueles que achavam que ele não era um bom melodista. Ele não teve tempo, porém, de ouvir a primeira versão de “Último Desejo”, gravada por Aracy de Almeida e lançada em março de 1938, quase um ano após a morte do poeta.

A versão de Aracy foi apenas a primeira de muitas. O vídeo postado pelo Seixas não é o mesmo que estou postando abaixo. Naquele, o Quarteto do Rio canta à capela, como eu já disse. Neste, os quatro rapazes cantam acompanhados pelo violão mágico de Yamandu Costa.

1 comentário

  • Vera Especiato

    Que lindoooo, Cardozinho! Obrigada por nos presentear com as informações do grande Noel Rosa é o vídeo do Quarteto do Rio e do Yamandu Costa. Belíssimo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *