RUBEL – “ONTEM AO LUAR”

Estava pensando em postar um vídeo com o Arnaldo Antunes cantando “Velha Infância” com duas “patrícias” – a Carminho e a Manuela Azevedo – mas estou vendo o compridíssimo “O Irlandês” na Netflix e pretendo ver “Ben Hur” ainda hoje. De modo que, ao invés de gastar meu latim com Antunes & Cia, vou me limitar a reproduzir um texto do GGN, do Luís Nassif, sobre Catulo da Paixão Cearense e “Ontem ao Luar”:   

A melodia de “Ontem ao Luar” foi composta originalmente pelo flautista Pedro Alcântara(1866- ), em 1907. Inicialmente era uma polca e se chamava “Choro e Poesia”. Mais tarde(1913) recebeu a letra (à revelia do autor) de Catulo da Paixão Cearense(1863- 1946) e passou a se chamar “Ontem ao Luar”. A primeira gravação de “Ontem ao Luar”, em 1918, é de Vicente Celestino.

Curiosidades sobre Catulo: Era autodidata e aprendeu praticamente sozinho a tocar violão, os meandros da matemática, do português e do francês, chegando inclusive a fazer traduções de poetas franceses.

Já conhecido nas rodas de boemia foi convidado para uma festa na casa do Senador Gaspar da Silveira Martins, onde deixou todos impressionados com sua inteligência. A esposa do senador então contratou-o como professor dos filhos. Passou então a morar na residência do senador.

Apesar de muitos pensarem que Catulo é cearense (por causa do sobrenome), ele nasceu em São Luiz do Maranhão. Só aos 12 anos de idade mudou-se para o sertão do Ceará.

No bairro do Engenho de Dentro existe uma rua rebatizada em homenagem a Catulo. A antiga rua Francisco Méier (onde ele morou nos últimos anos de vida) passou a chamar-se Rua Catulo da Paixão Cearense. Em vários outros estados do país encontramos nomes de ruas em homenagem a Catulo.

A música durante vários anos trazia apenas Catulo como compositor. Em 1976, graças aos esforços de uma neta de Pedro de Alcântara, uma decisão judicial restabeleceu o nome de Pedro Alcântara como co-autor da composição.

“Ontem ao Luar” esteve presente nas trilhas das novelas “Nina” ( 1977-1978 / Altemar Dutra), “Senhora” (1975 / Paulo Tapajós), “A Sucessora” ( 1978-1979 / Fafá de Belém).

 

Em tempo: 1) Catulo da Paixão Cearense não morou em Dirce Reis, mas foi homenageado também no nosso vizinho município, onde uma das principais ruas leva o nome do compositor. Eu tentei descobrir qual foi o político dircense que teve a ideia, mas não consegui.

3) Apesar de longo, “O Irlandês” é muito bom, com atuações impagáveis de Robert de Niro e Al Pacino.

2) Como diria o Galvão Bueno, “Ontem ao Luar” também é tetra! Além de integrar a trilha sonora das três telelágrimas citadas pelo Nassif, ela agora está no remake de “Éramos Seis”. Na nova versão, “Ontem ao Luar” é cantada pelo cantor Rubel.

3 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *