SIMONE – “MEDO DE AMAR No. DOIS”

O prezado leitor e a estimada leitora devem ter visto, mais embaixo, a notícia sobre a deputada que pretende proibir que se fale sobre masturbação. Suponho que “Ex-amor”, do Martinho da Vila, não mais poderá ser tocada nas escolas. Falemos, então, do erotismo na Música Popular Brasileira, antes que, nesses tempos sombrios que se avizinham, o assunto seja igualmente proibido.

Acho que a Simone é uma das cantoras que mais canta o erotismo. Na versão original de “Medo de Amar nº 2”, composição da Sueli Costa, Simone começa com gemidos e sussurros para depois cantar coisas como “Você me deixa surda e cega/Você me desgoverna/Quando me pega/Assim nos flancos e nas pernas/E me morde na boca/E me lambe na nuca…”.

A boca e a nuca, por sinal, são temas de outra música da Sueli Costa – “Porque Te Amo” – com letra igualmente sensual e cantada pela mesma Simone: “Andarei no teu corpo/Por cima do teu corpo/Dentro do teu corpo…/Andarei na tua boca desvairada/Andarei na tua nuca perfumada…”, e por aí vai.

Ana Carolina, em “Cantinho”, canta um verso que não ouso reproduzir. Assim como não acho necessário reproduzir os versos de “Pra Fuder”, que a Elza Soares gravou aos 78 anos de idade. Gonzaguinha, em “Avassaladora”, fala de uma mulher que “Senta no seu colo/Lambe o pescoço/ Morde a orelha/Enfia a língua…./Ela é louca, muito louca/E ele adora sua mão/Apertando o que deseja….”.

Roberto Carlos, antes do TOC e da religião, cantou coisas que iam além daquele amasso no portão, como em “Cavalgada”, onde ele dizia “Vou cavalgar por toda a noite/Por uma estrada colorida/Usar meus beijos como açoite/E a minha mão mais atrevida…”. Em “Seu Corpo”, o Rei dizia que só se encontrava quando se perdia no corpo da amada, onde se deixava ser levado “Por um caminho encantado/Que a natureza me ensina”.

Erasmo, o parceiro preferido do Roberto, também já foi bem safadinho. Em “Kamasutra”, ele perguntava: “Frontal, de pé, por trás ou de lado…/Coqueirinho ajoelhado/Trapézio ou carrinho de mão/Gangorra de cabeça pra baixo/
Em que posição?”. Já a Vanessa da Mata, em “Ilegais”, não tem muita dúvida e pede, quase implorando, “Eu quero você dentro de mim/Eu quero você em cima de mim…”.

O erotismo está presente, também, em músicas como “Deixa Eu Te Amar” (Agepê), “Paixão” (Kleiton e Kledyr) e “Amanhã é Sábado” (Roberta Sá). Ou em “O Meu Amor”, do Chico Buarque, onde a personagem da música diz que “O meu amor tem um jeito manso que é só seu/De me fazer rodeios, de me beijar os seios/Me beijar o ventre e me deixar em brasa…”.

Por fim, temos a titia Rita Lee que – ela não esconde de ninguém – compôs “Mania de Você” depois de uma boa transa com o maridão, o Roberto Carvalho. Na obra de Rita Lee, o erotismo está presente em outras canções, como “Amor e Sexo”, “Flagra” e “Lança Perfume”, na qual ela pede: “Me faz de gato e sapato/Me deixa de quatro no ato/Me enche de amor…”.

Fiquemos agora com o vídeo em que a Simone, diferentemente da versão original, canta “Medo de Amar nº 2” sem os gemidos, sussurros e suspiros iniciais. Em Tempo: a música se chama “Medo de Amar nº 2” porque a número um é do Vinícius. E a Adriana Calcanhoto compôs a “Medo de Amar nº 3”.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *