ZIZI POSSI – “ASA MORENA”

Assim como o João Só (“Menina da Ladeira”) e o Gílson (“Casinha Branca”), o gaúcho Zé Caradipia é um daqueles compositores de apenas um sucesso. Chico Feitosa, compositor de “Fim de Noite”, é outro caso. Tanto que ficou conhecido como Chico Fim-de-Noite, da mesma forma que o Gílson é chamado de Gílson Casinha.

No caso do Zé Caradipia, o sucesso único chama-se “Asa Morena”, gravada em 1982 pela Zizi Possi. A composição não foi importante apenas para o autor, mas também para a Zizi, que, em certa ocasião declarou que “foi mesmo a Asa Morena que me fez voar”.

Não é para menos: gravada no quinto disco de Zizi, “Asa Morena” foi considerada uma das músicas românticas mais populares do século XX. Tão romântica que, de vez em quando, alguma noiva canta essa canção antes de dizer o sim, como no caso que se poderá ver aqui.

José Luís Fernandes é o nome verdadeiro do Zé Caradipia. O apelido é uma derivação de “cara de piá”, ou seja, “cara de guri”, como são chamados no sul aqueles que tem cara de garoto. Ele começou a cantar músicas regionais em 1976 e, quatro anos depois, foi convidado a gravar um disco na Polygram.

O disco não saiu, mas, na viagem que fez ao Rio de Janeiro, em 1980, para tratar do assunto, Zé Caradipia mostrou algumas de suas composições ao produtor de Zizi Possi – João Augusto – que gostou de uma delas, justamente a “Asa Morena“, gravada por ela dois anos depois.

A música, explica Zé Caradipia, nasceu quando ele ouviu uma notícia na televisão sobre Luiz Gonzaga e teve a ideia de compor “Asa Morena” – uma toada – como contrapartida ao baião “Asa Branca”.

Zé Caradipia só conseguiu gravar seu primeiro disco em 1996, mas a gravação de “Asa Morena” pelo próprio autor só veio em seu terceiro CD – e, por enquanto, último – gravado em 2003, durante show realizado em Porto Alegre. No vídeo abaixo, dona Maria Izildinha Possi interpreta “Asa Morena”

3 comentários

  • O que é uma pena somente a música Asa Morena ser conhecida do grande público, já que Zé Caradípia possui muitas canções lindíssimas.
    como mostra o currículo na página do artista, Zé Caradípia foi gravado por muitos outros artista, inclusive o Padre Fábio de Melo. A informação que a composição asa Morena só foi gravada no seu terceiro disco, não procede. Ela foi gravada no seu primeiro trabalho intitulado “Onda Forte”, primeira música do Cd.
    Atuando no circuito musical desde 1976, Zé Caradípia tem uma carreira sólida com diversos sucessos em seu currículo de compositor, cantor e músico. Asa Morena, sua música mais famosa, ficou conhecida por meio da interpretação de Zizi Possi e está entre as 100 músicas mais tocadas no século XX no Brasil. Em novembro de 2015, o Padre Fábio de Melo registrou no CD/DVD Deus no Esconderijo do Verso em gravação realizada ao vivo no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a música Ser Menino e Ser Amado, composta por Zé Caradípia.
    Zé Caradípia gravou até o presente momento quatro cds: Onda Forte, Pintando Falas, Retina da Alma (ao vivo), Mariana Em Canto (infantil), e o DVD/CD Armadilha Zen.
    Entre os seus parceiros musicais destacam-se os nomes de Paulo de Campos, Euclydes Dutra de Moraes (Kydo), Jerônimo Jardim, Richard Serraria, Paulo Antônio Berquó, Márcio Celli, Reginaldo Mil, Rogério Nascente, Paulo Ricardo Vargas Pinto, Luiz Mauro Vianna, Zé Aughusto Marques, Beto Bollo, Marcelo Lehmann, Sérgio D’Almeida, Chicão Dornelles, Negendre e Dimitri Arbo (Duo Quintal de Clorofila), Robson Barenho, Talo Pereyra, Silvio Genro, Dinho Oliveira, João Palmeiro, Greice Morelli; Luiz Coronel, Jairo Luiz de Souza; Hique Barboza; Vitor Hutor Santos (Turuga), Marcos Barreto, Sérgio Napp, Galileu Arruda, Nando d’Ávila e Paulo Sitó.
    Composições de sua autoria foram gravadas e/ou são interpretadas por vários artistas da cena local e nacional: Lucinha Lins, Loma, Márcio Celli, Lui Coimbra, Nilson Chaves, Paula Souto, Adriana Sperandir, Nanci Araújo, Flora Almeida, Maria Lúcia, Marina Falcão, Dani Rauen e o Grupo Canto Livre.

  • milton alvin Santos Cardoso

    Os grandes autores nem sem sempre são reconhecidos… Mas esse é galo… galo gaucho, viva Zé caradipia.

  • milton alvin Santos Cardoso

    Mas esse é galo… galo gaucho, viva Zé caradipia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *