A FORMIDÁVEL JUSTIÇA POÉTICA DAS DELAÇÕES CONTRA AÉCIO

MORO E AÉCIO2

Do jornalista Paulo Nogueira, no Diário do Centro do Mundo:

Tudo de ruim que aparece contra Aécio nas delações tem o sabor de justiça poética.

É o caso dos 50 milhões de reais que Marcelo Odebrecht afirmou que Aécio recebeu por conta da construção de uma usina em Rondônia.

Foi em 2007, quando Aécio era governador de Minas. Os 50 milhões de reais, em valores de hoje, são 90.

Foi a Folha que deu o furo. Mas deu de uma forma miserável. Escondeu a notícia na primeira página.

É parte do jornalismo de guerra da Folha e demais veículos da grande imprensa: você dá com estardalhaço coisas negativas sobre seus inimigos. E ou não dá ou dá bem escondidas coisas negativas para os amigos.

Duas vezes, num texto que não é tão longo assim, os autores da matéria fizeram questão de dizer que Marcelo não usara a palavra “propina”, mas repasse.

Mas os repassadores — pausa para rir — deixaram claro que queriam retribuições. Não existe almoço grátis, sabemos todos, e muito menos repasses daquele tamanho. (A Odebrecht entrou com 30 milhões e a Andrade Gutierrez com 20 milhões, segundo a delação.)

Ri sozinho diante da defesa de Aécio. (A alternativa era chorar.) Ele disse, em suma, que era uma tremenda de uma mentira, e que achava um absurdo publicar acusações de tamanha gravidade sem antes comprovar.

Ora, ora, ora.

Aécio, nas incontáveis vezes em que as denúncias eram contra o PT, jamais fez nenhuma restrição à publicação delas.

Ao contrário: sempre as amplificou e ajudou a dar ainda mais repercussão às acusações. Ele estava sempre pronto para atender a jornalistas em busca de comentários sobre delações contra o PT.

Se ele tivesse tido a decência de ponderar então o que fala agora, não estaria na situação de calamidade em que se encontra hoje.

Aécio se comporta como um canalha. E já faz tempo.

Ele foi o golpista número 1. Desde o primeiro momento, conhecidos os resultados da eleição presidencial, se dedicou a boicotar a democracia.

Jamais aceitou a derrota.

Com sua atitude, teve uma contribuição milionária para o golpe.

É uma ironia da história: seu avô Tancredo ajudou a reconstruir a democracia, no início dos anos 1980. Aécio ajudou, três décadas depois, a destruí-la.

Ele sempre teve a certeza de que estaria protegido de desconfortos em delações pela mídia amiga e por seus camaradas na Lava Jato. A imagem disso é a infame foto dele com Moro numa festa pouco tempo atrás, os rostos quase que colados, ambos sorrindo fraternalmente.

Os vazamentos seletivos, no mundo dos sonhos de Aécio, se perpetuariam até o fim da Lava Jato. E ele seria um candidato poderoso para a presidência em 2018.

Não foi isso que aconteceu. Aécio acabou também como vítima de um processo que iniciou.

Robespierre inaugurou a guilhotina e no final foi sua cabeça que rolou rumo ao cesto.

A cabeça de Aécio já está no cesto.

4 comentários

  • Choro petista!

    Com certeza, é mais um jornalista chorando o impeachment de Dilma dizendo que é golpe e chama todos de “golpistas”. Velha mentira!
    O jornal paulista é particular portanto noticia o que quer e da forma que quer logo os jornalistas petistas deveriam defender seus politicos corruptos, de outra forma.
    O que o jornalista tem com isso? pois a Folha não é a justiça para julgar ninguem. E noticia da forma que quer, como você, Cardozinho?

  • CHORO DE COXINHAS:–

    Corrêa diz em depoimento que tucano, durante governo FHC, foi um dos responsáveis por indicação de ex-diretor e teria se beneficiado de propina.
    Pedro Corrêa revela propinas para Congresso não investigar a Petrobrás desde 2002.
    Janot põe em inquérito contra Aécio depoimento de ex-diretor de Furnas.
    Gilmar Mendes autoriza abertura de segundo inquérito contra Aécio Neves.
    O ex-deputado Pedro Corrêa afirmou em depoimentos de sua delação premiada que o então deputado (hoje senador) Aécio Neves (PSDB-MG), foi um dos responsáveis pela indicação do diretor de Serviços da Petrobrás, Irani Varella, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Segundo Corrêa, Varella era responsável por conseguir “propinas com empresários para distribuir com seus padrinhos políticos” por meio de seu genro, identificado apelas como Alexandre.
    Esta é a primeira vez que o nome do senador tucano é relacionado por um delator da Operação Lava Jato a um suposto esquema de pagamento de propinas na Petrobrás.

  • CHORO DE COXINHAS GOLPISTAS

    Aécio Neves é delatado por corrupção pela Odebrecht.
    Senador tucano é acusado de fraudar licitação quando em governador de Minas Gerais.
    Reportagem da Folha de S.Paulo vazou informações da delação da Odebrecht .
    O senador Aécio Neves (PSDB-MG) é o primeiro nome a aparecer nas novas delações da Odebrecht. De acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo, Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, afirmou em acordo com a Lava Jato que se reuniu com Aécio, quando ele era governador, para tratar de um esquema de fraude em licitação na obra da Cidade Administrativa para favorecer grandes empreiteiras.
    A obra, antes orçada em R$ 500 milhões, acabou saindo por R$ 2,1 bilhões. As empresas teriam repassado cerca de 3% em propinas para o tucano, o equivalente a R$ 63 milhões. A fraude também foi confirmada pelo superintendente da Odebrecht em Minas, Sergio Neves.
    As informações são de reportagem de Bela Megale, Marina Dias e Mario Cesar Carvalho.
    Benedicto Júnior, conhecido como BJ, disse aos procuradores que, após o acerto, Aécio orientou as construtoras a procurarem Oswaldo Borges da Costa Filho. De acordo com o depoimento, com Oswaldinho, como é conhecido, foi definido o percentual de propina que seria repassado pelas empresas no esquema. Ainda de acordo com o delator, esses valores ficaram entre 2,5% e 3% sobre o total dos contratos.
    Oswaldinho é um colaborador das campanhas do senador mineiro, atuando como tesoureiro informal. De acordo com informações obtidas pela reportagem, o ex-executivo da Odebrecht afirmou que o próprio Aécio decidiu quais empresas participariam da licitação para a obra.
    CHORA COXINHA GOLPISTA.

  • CHORO DE COXINHAS GOLPISTAS:–

    Delcídio diz em delação que Aécio foi beneficiário de corrupção em Furnas. Senador fez delação premiada com o Ministéio Público.
    O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou em acordo de delação premiada que o atual senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi beneficiário de um “grande esquema de corrupção” na estatal Furnas.
    Esse esquema, segundo Delcício, era operacionalizado por Dimas Toledo, ex-diretor de engenharia de Furnas, e que teria “vínculo muito forte” com Aécio.
    “Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente diz se que não sabe precisar, mas sabe que Dimas operacionalizava pagamentos e um dos beneficiarios dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves, assim como também o PP, através de José Janene; que também o próprio PT recebeu valores”, diz o texto da delação premiada.
    O acordo entre Delcídio e a Procuradoria-Geral da República (PGR) foi homologado nesta terça-feira (15) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).
    COXINHAS VOCÊS NÃO VÃO BATER PANELAS?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *