ASSESSOR DE FLÁVIO BOLSONARO DEPOSITOU R$ 90 MIL NA CONTA DA MÃE, QUE NÃO SE LEMBRA DO DEPÓSITO

Março de 2018? Vai ver era “Dia das Mães”. E vamos jejuar e orar pelo Bozo e seus Bozinhos. A charge é do Pelicano e notícia é do jornal O Globo:

O policial civil Jorge Luis de Souza, que atuou como assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), fez um depósito de R$ 90 mil em espécie na conta da mãe, Nicelma Ferreira de Souza, em março de 2018, quando ainda trabalhava para o então deputado estadual.

Em contato com o GLOBO, Nicelma disse que não lembra da transação e que desconhecia o trabalho do filho para Flávio Bolsonaro. A transação foi apontada pelo Ministério Público, em seu pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal de 86 pessoas e 9 empresas, como um indício de que quantias desviadas do orçamento da Alerj eram distribuídas entre lideranças do gabinete de Flávio.

O Ministério Público apura indícios de formação de organização criminosa, com desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, no gabinete de Flávio na Alerj. Em seu pedido de quebra de sigilo, o MP se refere à “expressiva quantia” de R$ 90 mil depositada por Jorge Luis, em uma única transação, na conta bancária da mãe, que mora em Rio das Ostras, no Norte Fluminense.

Procurada por telefone pelo GLOBO, Nicelma se mostrou surpresa com a informação do depósito de R$ 90 mil em sua conta. Ela está entre os alvos do pedido de quebra de sigilo feito pelo MP, assim como seu filho, Jorge Luis.

Em nota enviada ao GLOBO, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse que não tem “qualquer responsabilidade pelas ações de outras pessoas” e disse que “não são verdadeiras as informações vazadas” sobre ele.

6 comentários

  • Tiririca

    Na GloboNews, Sergio Moro fala fino sobre Flávio Bolsonaro.
    Ministro Sergio Moro trata de temas diversos em entrevista à GloboNews, mas afina ao ser questionado sobre o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente. ..
    Sergio Moro foi entrevistado na GloboNews na última quarta-feira (15) e falou fino ao ser questionado sobre o senador Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente.
    O ministro da Justiça do governo Bolsonaro respondeu a todas as perguntas que lhe foram feitas, mas esquivou-se na hora de falar a respeito da situação delicada de Flávio.
    “Não cabe ficar respondendo a esse tipo de questão. Não estou criticando a pergunta, mas eu acho que não cabe a mim ficar respondendo a essas questões. Acredito que o senador [Flávio Bolsonaro] vai ter plenas condições de esclarecer os fatos”, disse um Moro constrangido.
    Flávio já foi convocado quatro vezes pelo Ministério Público a prestar esclarecimentos, mas nunca compareceu. O MP afirma que o senador atua para impedir a continuidade do inquérito.
    “O senador Flavio Bolsonaro tem direcionado seus esforços para invocar o foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal ou mesmo tentar interromper as investigações, como o fez junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, fato amplamente noticiado nos meios de comunicação”, diz o órgão.
    Documento do Ministério Público do Rio de Janeiro anota que Flávio Bolsonaro (PSL) aplicou R$ 9,4 milhões na aquisição de 19 imóveis. Farejaram-se nas transações indícios de lavagem de dinheiro.
    Quando os entrevistadores da GloboNews colocaram em pauta a prisão de Michel Temer, o ex-juiz da Lava Jato sentiu-se mais à vontade e adotou um outro discurso.
    “O que eu vi, à distância, nas argumentações das decisões das prisões preventivas [de Michel Temer], somente no aspecto das provas, me pareceu bastante robusto. Infelizmente, muito infelizmente”, destacou Moro.
    O jornalista Josias de Souza fez o seguinte comentário sobre os pesos e medidas de Sergio Moro:
    No caso de Flávio Bolsonaro, Moro disse coisas definitivas sem definir muito bem as coisas: “Essa questão do senador está com o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro […] não está comigo, está em outro lugar”. Absteve-se de recordar que o Coaf, ainda sob seus cuidados, é fornecedor de matéria-prima usada contra Flávio.
    Temer frequenta o banco dos réus em seis ações penais. Nenhuma delas está com Moro. Todos os processos estão “em outro lugar”. Mas a localização geográfica não foi obstáculo para que Moro desejasse a Temer um futuro sombrio.
    É uma pena que a proximidade impeça Sergio Moro de tratar Flávio Bolsonaro com a mesma objetividade. O ministro declarou a certa altura: “Não vou ser advogado de ninguém.” Bom, muito bom, excelente. Agora só falta advogar em nome do interesse público, aplicando ao filho do presidente a mesma simplicidade: “Se cometeu crimes, tem que responder pelos seus atos.”
    MP pede auxílio a Moro
    Nesta sexta-feira (17), o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MP-RJ) solicitou auxílio ao ministério da Justiça, sob o comando de Moro, para obter informações sobre empresa com sede no Panamá que é sócia da pessoa jurídica que adquiriu salas comerciais vendidas por Flávio Bolsonaro na Barra da Tijuca.
    De acordo com informações do jornal Valor Econômico, quando apurações criminais evoluem e demandam informações que podem estar disponíveis em outro país, cabe ao ministério da Justiça estabelecer a ponte oficial para a transmissão de dados à investigação.
    Até o fechamento deste texto, Sergio Moro ainda não se pronunciou sobre a solicitação do Ministério Público.

  • sukodilaranja

    Como seria possível prever que um congressista com 30 anos de experiência e muito trabalho árduo, com inúmeros projetos para o bem e crescimento do país em diversas áreas. Um político que nunca fez uso de privilégios, mordomias, nunca nomeou um único parente para cargo público, nunca aceitou o auxilio moradia para pagar aluguel. Respeitoso, coerente, equilibrado, honesto, com um discurso muito inteligente. Com filhos exemplares que também são coerentes, inteligentes, equilibrados, honestos… Seria tão incompetente no executivo mesmo com uma equipe formada apenas com critérios técnicos. Quem poderia prever isso? Votou no Bozo? Parabéns. Considero que a falta de opção … fez o caminho fake-desconhecido ser pior do que o pior caminho conhecido

  • SÓ JUMENTO VOTOU EM BOZONARO.,

    E AINDA HÁ JUMENTOS DEFENDENDO ESSA FAMILIA.

  • Eu não sabia

    A mãe do assessor é muito cara de pau! Mas os políticos também são. Lembro de alguns que disseram que não sabia que seus diretores estavam roubando. Ou que sua mulher cuidava de tudo.
    Ele disse “veja! eu, como presidente da republica, não sou obrigado a saber de tudo”
    Quem sabe quem ele é!

  • Rapizodia

    Sérgio Moro e o Presidente acham e até acredito que eles acreditam que o povo é um bando de tapados ignorantes! Já se sabia do acordo entre ambos desde aquele dia do encontro para o tal convite para o ministério. O Moro queria ser grande e o Presidente precisava do megalomaníaco para dar os primeiros ares de escolha tecnocrata para o governo. Pronto! Estava formada a famigerada parceria, tudo acertado e escondidinho como deve ser, até que o mentecapto deixa escapar o acordo, talvez deliberadamente, neste caso não tão mentecapto assim, pois acuou o Ministro, já que este esboçava começar um levante e precisava ser colocado sentadinho no seu lugar. Devidamente sem caneta contra seu algoz, o pequeno Ministro afina a voz e vislumbra o troninho a uma pequena distância, que se for bom menino alcançará. A política senhores é assim! Não sejam ingênuos!

  • Rapizodia

    Como sabemos agora, o Presidente não tem como saber de tudo que se passa no governo, mas tem o dever de responder por tudo. Alguém tem dúvida que o Presidente da Vale tenha que responder pelo rompimento da barragem!?
    Quanto ao trabalho árduo como congressista nós últimos 28 anos, não acho que foi assim tão árduo, foi bem tranquilo, deu prá escolher novas esposas, ter novos filhos e claro, organizar as finanças da família. Também gritou ao vento, homenageou famigerados e destilou veneno nos mais frágeis. Nada que causasse maiores problemas, mas agora…!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *