ATAQUE AO GRUPO ‘MULHERES UNIDAS CONTRA BOLSONARO’ FOI ATESTADO DE BURRICE

A charge é do Ribs. E o texto é do jornalista Leonardo Sakamoto, em seu blog, no UOL:

Tão logo o grupo ”Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, no Facebook, foi atacado e teve seu nome, identidade e conteúdo alterados para parecer que prestava apoio ao ex-capitão, as redes sociais e aplicativos e mensagens foram tomadas pela indignação de mulheres. Mas também houve manifestações de militantes do candidato de extrema direita, comemorando o saída do grupo do ar, principalmente homens. Dependendo da bolha digital em que você está, viu um tipo de reação ou outro.

O grupo se tornou, nos últimos dias, um fenômeno de crescimento, com mais de 2,4 milhões, tanto que estava sofrendo ameaças e intimidações. De acordo com a pesquisa Datafolha, divulgada nesta sexta (14), a rejeição de Jair Bolsonaro é maior entre as mulheres (49%) – mesmo índice da pesquisa de segunda (10). Enquanto isso, a rejeição entre os homens oscilou de 37% a 38%. Ou seja, metade do eleitorado feminino afirma que não vota no deputado de jeito nenhum.

Após o ataque, o Facebook suspendeu o grupo após detectar ”atividade suspeita” e, segundo comunicado distribuído por porta-voz da empresa, para ”esclarecer o que aconteceu” e ”restaurar o grupo às administradoras”.

Entre as mensagens vindas de perfis masculinos que comemoravam o ataque, variações de ”calamos a boca dessas vadias”.

Poucas coisas podem ser mais representativas da expressão ”um tiro no próprio pé” do que esse tipo de celebração. Aliás, poucas coisas podem dar mais errado do que, neste momento, em que movimentos de mulheres assumem o papel de principal força mobilizadora, no Brasil e no exterior, alguém tentar calar a boca de mulheres ou comemorar que isso aconteceu. O resultado é o oposto: você multiplica as vozes silenciadas.

O saldo do ataque foi deixar muitas mulheres mais irritadas ainda, empurrando mais gente para as manifestações de rua contra Bolsonaro. Ou seja, o responsável prestou um grande desfavor ao seu candidato.

1 comentário

  • Bolsominion Esclarecido

    Ô Cardosinho, o grupo de MULHERES COM BOLSONARO conta com mais de 750 mil integrantes, viu? E o outro CONTRA que foi comprado com outro nome e depois “hackeado” parece estar com dificuldade de se recompor. Um pouco de imparcialidade faz bem. Abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *