BOLSONARO DECIDE “FRITAR” SÉRGIO MORO

Deu no Catraca Livre, do Gilberto Dimenstein:

“Se o senhor não pode ajudar, por favor, não atrapalhe” — disse Bolsonaro para Sérgio Moro, segundo o GLOBO

Reportagem do jornal mostra o crescente desgaste de Bolsonaro com seu ministro.

A suspeita é simples: Bolsonaro humilha seu ministro para forçá-lo a pedir demissão.

Veja um trecho da reportagem:

O abalo da relação entre Jair Bolsonaro e Sergio Moro — que atingiu seu ápice nesta semana com as declarações do presidente de que é ele, e não o ministro, quem manda na Polícia Federal — começou a crescer há quase um mês. Mais precisamente na tarde de 28 de julho, quando Moro foi ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, pedir que ele fizesse uma revisão da decisão em que restringiu o compartilhamento de relatórios do antigo Coaf , hoje Unidade de Inteligência Financeira (UIF), com os ministérios públicos e a Polícia Federal. O movimento do ministro irritou o presidente Jair Bolsonaro.

Desde que soube do pedido de Moro a Toffoli e a outros ministros do STF, Bolsonaro decidiu inviabilizar a presença do ministro no governo. Os dois já vinham tendo alguns desentendimentos desde o início do ano. O pedido foi a gota d’água. A petição para suspender investigações iniciadas com base em relatórios detalhados do ex-Coaf fora feita pelo advogado Frederik Wassef em nome do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente.

Tão logo foi informado do interesse de Moro em reduzir o impacto da decisão de Toffoli, Bolsonaro chamou o ministro para uma reunião no Palácio do Alvorada. No encontro, foi direto ao assunto, com uma breve introdução. Primeiro, o presidente disse que nunca pediu qualquer favor ao ministro. Disse também que Moro nunca ofereceu qualquer ajuda a ele. Mas, naquele momento, precisava deixar as coisas claras.

— Se o senhor não pode ajudar, por favor, não atrapalhe! — disse Bolsonaro, segundo relatou ao GLOBO uma fonte com bom trânsito entre familiares e amigos do presidente.

A partir dali, a conversa teria subido de tom e, ao final, o ministro deixou o Alvorada com o semblante carregado. Dias depois, Bolsonaro foi informado de que Moro, mesmo após o tenso diálogo, continuava fazendo gestões em favor da revisão da decisão de Toffoli. No mesmo instante, o presidente resolveu que ampliaria a beligerância contra o ministro da Justiça.

Na última quinta-feira, o presidente elevou ainda mais o tom, ao dizer que poderia demitir mesmo o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, uma escolha de Moro. Perguntado se não seria uma interferência, dispensou meias palavras, afirmando que é ele quem manda na PF.

A declaração foi interpretada por aliados e críticos do ministro como mais um recado para forçar Moro a pedir demissão. Se não pode mandar na PF, o ministro da Justiça não teria muito o que fazer no governo. O raciocínio era repetido por políticos e policiais, que esperavam uma reação de Moro. O GLOBO tentou, sem sucesso, falar com o ministro sobre os desentendimentos com Bolsonaro.

3 comentários

  • Claudia

    Tudo disfarce
    Moro é conivente a todas besterices do presidente ilegítimo .
    Dois golpistas que envergonham nossa nação

  • Bolsonaro e seu filho. Moro e a Policia Federal

    Bolsonaro mudou seu discurso e retirou a carta branca prometida ao Moro, quando ele viu seu filho sendo investigado pela policia Federal. Correu para interferir na PF. Logo é apontada internamente como a mais emblemática da falta de poder do ex-juiz no cargo atual, mas episódios com teor semelhante se acumularam ao longo de mais de oito meses do governo Bolsonaro.
    Ele disse que Moro teria liberdade total para o combate à corrupção e ao crime organizado. Prometeu um cargo de ministro no STF. Apesar dos ataques à sua prometida autonomia, Moro permanece calado.
    A mídia começou a dizer que Moro tem mais prestigio popular para ser candidato a presidente mesmo com a divulgação das fofocas das gravações hackeadas. Logo Bolsonaro ficou preocupado.
    Moro merece o nosso respeito. Ele e a equipe da Lava Jato colocaram muitos corruptos na cadeia. Recuperaram, até agora, 4 bilhões para os cofres públicos. Não podemos ter corruptos de estimação e ficar contra a lei e a justiça.
    Se você ataca o Moro reavalie seus conceitos de moralidade e honestidade. Vai descobrir que você não é tão honesto assim

  • Rapizodia

    Olha que interessante! Bolsonaro convida Moro para ser seu ministro e esteio do seu governo, carta branca e tal, pois não havia credibilidade e seriedade e o impoluto as traria para a turba. Do lado do juíz, este trocou uma carreira mediana por uma de ministro vitalício do STF, um baita upgrade na carreira e só precisava esperar no máximo 2 anos. Tudo lindo e maravilhoso até que os podres da grande famiglia Bozo viessem a tona e manchassem a reputação do então ilibado Moro. Para piorar já que sujeira pouca é bobagem, a casa do juíz também foi invadida pela sua própria lama vinda da sua corrupção em processos que o jogaram no colo do famigerado Bolsonaro. Agora o peixinho Moro está capturado pelo tubarão Bolsonaro, pois se deixar o governo perde o STF, se sair candidato a presidente são poucas as chances de eleição, pois não tem traquejo e está com as botas cheias de lama. Resta ficar calado, fingir surdez, esconder como um rato e agir como carrapato no couro do Bolsonaro. Em menos de um ano, o sujeito ferrou com a vida dele e por tabela ferra a gente, pois continua emprestando sustentação na forma de poste para este governo débil da qual agora é refém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *