BOLSONARO FAZ BRASIL PASSAR PELO MAIOR VEXAME DE SUA HISTÓRIA NO G20

Deu no Brasil 247:

O Brasil se tornou motivo de piada internacional com a participação de Jair Bolsonaro no encontro do G20, as nações mais ricas do mundo, em Osaka, no Japão. Percebido como um personagem tóxico e ultrajante, Bolsonaro não teve nenhuma agenda relevante e fez sua live de quinta-feira em que falou da perspectiva de que o Brasil passe a exportar bijuterias de nióbio.

Além disso, ele teve que falar do escândalo internacional de tráfico de drogas num avião presidencial. Segundo o jornalista Fábio Pannunizio, âncora da Band, Bolsonaro conseguiu transformar o Brasil nas Filipinas das Américas, numa alusão ao presidente Rodrigo Duterte, motivo de vergonha internacional.

Detalhe: há dez anos, durante uma reunião do G20, o ex-presidente Lula foi chamado de “o cara” por Barack Obama.

18 comentários

  • Presidente e as viagens de turismo

    De acordo com o jornal “Folha”, no encontro, os presidentes Bolsonaro e Trump, se reuniram nesta sexta-feira, no Japão, durante encontro do G20. Eles discutiram temas como a situação da Venezuela, a guerra comercial com a China e a inserção do Brasil na OCDE. Os dois líderes terão encontros bilaterais com o presidente chinês, Xi Jinping.
    Na realidade esses encontros de presidentes sempre houveram e não servem para nada como não muda a vida dos brasileiros. São viagens de turismo. Mas devemos ter boas relações comerciais com os outros países. É necessário! Somos pobres, no meio dos ricos. kkkkk
    Os petistas não esquecem mas há dez anos, durante uma reunião do G20, o Lula foi chamado de “o cara” por Obama. Hoje, Lula está preso, já a um ano! O que isto significa a povo brasileiro? Uma vergonha!.
    Naquela época, Lula viajava pelos países com as empreiteiras a tira colo para “arrumar” obras. Alem disso, emprestava dinheiro (via BNDES) para esses países que também não pagavam até hoje. O que significa isso? Propinas ao PT!
    Prenderam um militar traficante com cocaína dentro do avião presidencial. O que isto significa? Nada! O trafico internacional está presente em todos os países. Uma vergonha pois estava dentro do avião presidencial.
    A mídia brasileira como os grupos da Globo, da Bandeirante, da Veja, da Folha e do Estadão (os mesmos que criticavam o PT) choram ao governo Bolsonaro, por mais dinheiro via propaganda.
    Não conseguem, então criticam por “quanto pior, melhor”
    .

  • JALESEXBURACO

    Detalhe: há dez anos, durante uma reunião do G20, o ex-presidente Lula foi chamado de “o cara” por Barack Obama.

    outro detalhe LULA ESTA PRESOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO 10 ANOS DEPOIS

  • qua qua...

    tenho curiosidade de saber o que se passa na cabeça desse povo que se diz brasileiro, mas veste camiseta vermelha….torcem contra o Brasil, acordam e a primeira oração é contra o Brasil….

  • JALESEXBURACO

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    https://g1.globo.com/economia/blog/joao-borges/post/2019/06/28/uniao-europeia-e-mercosul-fecham-acordo.ghtml

    UÉ? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK ENGOLE SECO PETISTA ESTOCADORES DE VENTO

  • Enfermeiro cubano

    Leiam as conversas dos dois corrupto:——-

    https://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2019/06/vaza-jato-veja-moro.jpg

    https://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2019/06/dialogo-moro-dallagnol-testemunhas-396×330.jpg

    Reportagem da Veja reforça a veracidade de mensagens entre Moro e Dallagnol
    Compartilhe esta matéria.

    A revista Veja iniciou nesta sexta-feira (28) a publicação de matérias resultantes das mensagens vazadas entre o ex-juiz Sérgio Moro e os procuradores da força tarefa lava jato. A base são as conversas obtidas pelo Site The Intercept.
    Segundo a revista, a mais comprometedora exposta até o momento é a que mostra Moro passando ao procurador Deltan Dallagnol a dica de duas testemunhas que teriam informações relevantes sobre negócios envolvendo a família do ex-presidente Lula.
    Seguindo a orientação do ex-juiz, Dalla­gnol procurou as pessoas citadas, mas elas teriam se recusado a colaborar. Em resposta a Moro, o procurador sugeriu se forjasse uma denúncia anônima para justificar a expedição de uma intimação que obrigasse as testemunhas a depor no Ministério Público.

    Veja o diálogo acima;

    Moro fala para Dallagnol a informação de que uma pessoa fora instada “a lavrar escrituras de transferências de propriedade de um dos filhos do ex-­presidente”. “Seriam dezenas de imóveis”, segundo Moro.
    Durante o governo do petista, pipocaram na internet inúmeros boatos sobre supostos negócios imobiliários envolvendo a família Lula. Pela primeira vez, havia uma testemunha real.
    Vinte e quatro minutos depois da mensagem, Dalla­gnol escreve que tentou fazer contato com o técnico em contabilidade, mas a testemunha “arriou”, “disse que não tem nada a falar” e, “quando dei uma pressionada”, relata o procurador, “desligou na minha cara”.
    Logo depois de tentar, sem sucesso, falar com a testemunha, Dalla­­gnol diz a Sergio Moro que estava pensando em intimar o técnico em contabilidade, se necessário, “até com base em notícia apócrifa”.
    Moro concorda em formalizar a intimação, mas não fica claro se ele avalizou a ideia de forjar a denúncia.
    Ou seja, Moro não era, na prática, o juiz do caso. Era o chefe da acusação em um processo sem juiz.
    As informações são da Veja e do Intercept.

  • Enfermeiro cubano

    Após troca de mensagens com Dallagnol, Moro precisa renunciar
    Conversas reveladas mostram como o MPF e Moro trocavam informações de modo ilegal, desrespeitando a neutralidade do Judiciário
    Por Sérgio Praçaaccess_time 11 jun 2019, 17h59 – Publicado em 9 jun 2019, 21h03 more_horiz
    Ministro Sergio Moro
    Ministro Sergio Moro (Rafael Marchante/Reuters)

    Quando era juiz federal, Sergio Moro combinou com Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato no Ministério Público Federal, estratégias de investigação para implicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em atos criminosos.
    PUBLICIDADE

    inRead invented by Teads

    Conversas mantidas por Moro e Dallagnol pelo aplicativo de mensagens Telegram – reveladas pelo site The Intercept, do jornalista Gleen Greenwald e equipe – mostram como o MPF e Moro trocavam informações de modo ilegal, desrespeitando a neutralidade do Judiciário.

    O candidato derrotado às eleições presidenciais no ano passado pelo PT, Fernando Haddad, escreveu em seu Twitter que se trata do “maior escândalo institucional da história da República”. Não está errado.

    A divulgação das mensagens não é um “ataque” à Operação Lava Jato. É o que permite a nós, cidadãos, termos acesso a como decisões de altíssima relevância pública são tomadas.

    Em outubro de 2015 noticiou-se que Alexandrino Alencar, diretor da Odebrecht que era próximo a Lula, seria solto. Imediatamente Dallagnol mandou mensagem para Moro: “Caro, STF soltou Alexandrino. Estamos com outra denúncia a ponto de sair, e pediremos prisão com base em fundamentos adicionais na cota. […] Seria possível apreciar hoje?”. O juiz respondeu com um conselho: “Não creio que conseguiria ver hoje. Mas pensem bem se é uma boa ideia”.

    Seis meses depois, em março de 2016, o povo foi às ruas pedir o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Dallagnol creditou ao juiz o movimento da população. “Parabéns pelo imenso apoio público hoje”, escreveu o procurador. “Seus sinais conduzirão multidões, inclusive para reformas de que o Brasil precisa, nos sistemas político e de justiça criminal”.

    Moro respondeu com um plural que indica mais do que autocongratulação “Fiz uma manifestação oficial. Parabéns a todos nós”. Continuou o juiz: “Ainda desconfio muito de nossa capacidade institucional de limpar o congresso. O melhor seria o congresso se autolimpar mas isso não está no horizonte. E não sei se o STF tem força suficiente para processar e condenar tantos e tão poderosos”.

    “Há a tranquilidade de que os dados eventualmente obtidos refletem uma atividade desenvolvida com pleno respeito à legalidade e de forma técnica e imparcial”, diz a nota publicada há pouco pela assessoria de imprensa do Ministério Público Federal. A julgar por essa frase e o resto da nota, intitulada “Força-tarefa informa a ocorrência de ataque criminoso à Lava Jato”, os procuradores ainda não tiveram tempo de ler nada publicado pelo The Intercept.

  • Enfermeiro cubano

    GOVERNO BOLSONARO JAPONÊS CAÇOA DA APROVAÇÃO DE BOLSONARO: “É PEQUENINHA NÉ DA APROVAÇÃO DE BOLSONARO.;;;

    ***** JAPONÊS CAÇOANHAJaponês caçoa da aprovação de Bolsonaro: “É pequeninha, né?”Ao tirar uma selfie, o japonês Xeiraro Nakabine fez um sinal com os dedos e caçoou: “Aplovação pequenininha, né?’
    O presidente Jair Bolsonaro não teve compromissos oficiais no primeiro dia de viagem oficial ao Japão para a reunião do G20. Animado e bonachão, resolveu interagir com populares pelas ruas de Osaka.Continua depois da publicidade
    Ao tirar uma selfie, o japonês Xeiraro Nakabine fez um sinal com os dedos e caçoou: “Aplovação pequenininha, né?”. Procurado por repórteres, Nakabine disse que fez referência à pesquisa Ibope divulgada hoje em que apenas 32% dos brasileiros avaliam o governo como ótimo ou bom. É a pior avaliação desde o início do mandato de Bolsonaro.

  • Cleber

    Lendo essas baboseiras que esse blog defende, eu chego a conclusão que é a mais pura verdade quando me falaram que o certo é errado e o errado é o certo !

  • mané

    CLEBER imaginando ter sua senhoria um QI acima de 150, gostaria de lhe informar que ninguém pediu ou obrigou, vossa excelência ler este blog por isso ao invés de escrever besteira fique quietinho no seu lugar e lembre-se que o blog é para todos e não para certas pessoa do seu nível tão elevado

  • Eurico

    JÁ PODEMOS CHAMAR O GOVERNO BOLSONARO DE TANG?

    MISTURA DE PÓ COM LARANJA.

  • Marreta

    https://images.immedia.com.br//19/19910_2_EL.jpg?c=201608230739

    VAZAMENTO DE DELAÇÃO QUE CITA TOFFOLI DEFLAGRA CRISE ENTRE STF E MPF.
    O ministro do STF Gilmar Mendes afirmou que os magistrados podem estar diante de “algo mórbido que merece a mais veemente resposta”, ressalta a colunista Mônica Bergamo, da Folha.
    Ontem, foi divulgado que a Procuradoria Geral da República determinou a suspensão das negociações do acordo de delação premiada do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, e de outros executivos da empreiteira. A motivação foi o vazamento de um dos assuntos tratados na fase pré-acordo.
    Na edição da última semana da Veja, foi revelado que o nome do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, foi citado nas negociações de delação premiada do empreiteiro José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, da OAS. Pinheiro relatou que engenheiros da OAS fizeram uma vistoria na residência de Toffoli, em área nobre de Brasília, após o ministro se queixar de problemas de infiltração na casa.
    Após o episódio, Toffoli teria contratado uma empresa indicada por Léo Pinheiro para fazer a reforma necessária. O empresário disse que a obra de impermeabilização foi custeada pelo próprio ministro do STF. A defesa de Léo Pinheiro propõe na negociação do acordo, diz a Veja, um capítulo apenas sobre o ministro do Supremo. No caso da citação a Toffoli, os investigadores ainda não verificaram a indicação de crime. O ministro do STF alega não ter qualquer tipo de relação de intimidade com Léo Pinheiro e argumenta que custeou, ele próprio, a obra realizada em sua casa.
    E, de acordo com a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, o vazamento de informações que envolvem Toffoli abriu uma crise entre o STF e o Ministério Público Federal. O ministro do STF Gilmar Mendes afirmou que os magistrados podem estar diante de “algo mórbido que merece a mais veemente resposta”.
    Ele diz que é possível que os próprios procuradores tenham vazado as informações e fez críticas a algumas das dez propostas de combate à corrupção elaboradas pelo MPF. “Eles estão defendendo até a validação de provas obtidas de forma ilícita, desde que de boa-fé. O que isso significa? Que pode haver tortura feita de boa-fé para obter confissão? E que ela deve ser validada?”
    Ao falar sobre a citação a Toffoli, ele afirma que “não é de se excluir que isso esteja num contexto em que os próprios investigadores tentam induzir os delatores a darem a resposta desejada ou almejada contra pessoas que, no entendimento deles, estejam contrariando seus interesses”. Isso porque, segundo Mendes, decisões de Toffoli que davam liberdade a réus da Lava Jato e que fatiavam as investigações contrariaram o MPF a tal ponto que alguns procuradores chegaram a escrever um artigo para o jornal Folha de S. Paulo em 3 de julho em que criticavam o ministro.

  • É vida que segue seus PTralhas

    Conselho Nacional do Ministério Público ARQUIVOU todas as acusações contra as escutas relacionadas a:
    Moro e Daltan, é vida que segue seus PTralhas.
    Tudo escuta ILEGAL………..

  • Ainda tem gente burra e estúpida apoiando esse desgoverno isso é um absurdo o nível de estupidez que chega o ser humano

  • Eu

    Vão pra Cuba, Venezuela, sei lá, deixem o Brasil pra quem quer realmente um país de verdade, sem malandros, o do quanto pior melhor.

  • Eurico

    EU

    Meu caro se você não quer malandros morando no Brasil e sim n a Venezuela ou em Cuba, o que você estava fazendo aqui seu boiola?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *