BOLSONARO USA INFORMAÇÕES FALSAS PARA ATACAR JORNALISTA MÍRIAM LEITÃO

Bolsonaro acredita nas mentiras que inventa. É um caso a ser estudado. A notícia é do jornal O Globo:

Em café da manhã com jornalistas da mídia estrangeira, na manhã desta sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro usou informações falsas para atacar a colunista do GLOBO Míriam Leitão . Ele afirmou que a jornalista integrou a luta armada contra a ditadura militar instalada no país em 1964 e dirigia-se à guerrilha do Araguaia quando foi presa, na década de 1970. Disse ainda que Míriam mente ao afirmar que sofreu abusos e foi torturada na prisão.

Na última terça-feira, a 13ª Feira do Livro de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, anunciou ter cancelado a participação da jornalista e de seu marido, o sociólogo Sérgio Abranches, “para garantir a segurança dos convidados” no evento, após receberem uma petição de repúdio à presença deles devido a seu “viés ideológico e posicionamento”.

Na entrevista desta sexta, ao ser questionado sobre o episódio da feira, Bolsonaro se disse “completamente aberto à liberdade de imprensa”. Em seguida, acrescentou que Míriam Leitão deveria aprender a receber críticas — como ele, sustentou o presidente, teria aprendido. E, de forma equivocada, afirmou que a jornalista “tentou impor a ditadura no Brasil na luta armada”.

— Ela estava indo para a guerrilha do Araguaia quando foi presa em Vitória. E depois (Míriam) conta um drama todo, mentiroso, que teria sido torturada , sofreu abuso etc. Mentira. Mentira — disse ele aos correspondentes de veículos estrangeiros.

O caso de Miriam:

Em 1972, Míriam Leitão era, aos 19 anos, estudante universitária e militante do PCdoB, atuando no Espírito Santo. Suas atividades consistiam em reuniões, distribuição de panfletos e pichação de muros com palavras de ordem contra a ditadura militar instalada no país em 1964, após golpe de Estado. Durante sua militância, Míriam não integrou nem cogitou integrar a guerrilha do Araguaia.

— Não estava indo para a guerrilha do Araguaia. Nunca fiz qualquer ação armada — afirma a colunista.

Míriam foi presa em 3 de dezembro de 1972 quando ia para a praia com o então companheiro e levada para o 38º Batalhão de Infantaria do Exército, instalado no Forte de Piratininga, em Vila Velha, cidade vizinha a Vitória. Lá, grávida, foi torturada por diversos métodos e ficou encarcerada por três meses.

Em 1973, no Rio, Míriam Leitão prestou depoimento à Primeira Auditoria da Aeronáutica, onde foi julgada. Grávida então de sete meses, ela denunciou a brutalidade a qual foi submetida, mesmo correndo riscos.

— Narrei a tortura aos militares e ao juiz auditor, que fez constar nos autos um trecho do relato. Fui absolvida (das acusações) em todas as instâncias — afirmou Míriam Leitão, que, apesar da legislação após a redemocratização permitir, nunca pediu indenização pela perseguição política, a prisão e a tortura por agentes do Estado brasileiro.

9 comentários

  • Eleitor do Frota

    Será que e Fake??!?? Acho que ele jamais iria se arrepender com o mito!!!!Imprensa golpista!!;
    https://epoca.globo.com/guilherme-amado/bolsonaro-minha-maior-decepcao-critica-metralhadora-frota-23817743?versao=amp

  • Sérgio

    A Mirian Leitão merece tudo isso e muito mais. Pessoa que se vendeu para uma emissora tendenciosa e mentirosa. Leva uma vida de “gado” na emissora a troco de dinheiro. Particularmente, nunca gostei dela.

    • Zé das couves

      Cara se você é petista, bolsoanta, bolsominios, petralha, mortadela, coxinha ninguém merece isto, você precisa urgente procurar uma ajuda médica! Dias difíceis neste país de pessoas hipocritas!

  • eu

    https://external-gru2-1.xx.fbcdn.net/safe_image.php?d=AQCfSiImGHNjrNJp&w=540&h=282&url=https%3A%2F%2Fhoradopovo.org.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2019%2F07%2Fto2-horz2.jpg&cfs=1&upscale=1&fallback=news_d_placeholder_publisher&_nc_hash=AQDLzUxKM8dHTuow

    Toffoli decide acobertar crimes de Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
    Aproveitando-se do plantão do recesso do Poder Judiciário, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu monocraticamente, na segunda-feira (15), suspender todas as investigações de Flávio Bolsonaro (filho do presidente Jair Bolsonaro), e seu ex-funcionário Fabrício Queiroz, acusados de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha quando Flávio ainda era deputado estadual no Rio de Janeiro.
    O pretexto de Toffoli para interromper as investigações e acobertar os criminosos seria que as autoridades teriam se utilizado de informações oriundas de dados produzidos por órgãos de controle como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), sem prévia autorização judicial.
    O Coaf detectou movimentações financeiras suspeitas de Queiroz e Flávio que chegaram a R$ 7 milhões entre 2014 e 2017. Só na conta de Flávio Bolsonaro em um mês, foram feitos 48 depósitos em dinheiro, no total de R$ 96 mil, de acordo com o Coaf.
    A investigação que envolve o filho de Jair Bolsonaro faz parte da Operação Furna da Onça, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que prendeu dez deputados estaduais. (Leia mais: Os negócios suspeitos de Flávio Bolsonaro)
    A decisão de Toffoli paralisa a investigação que está sendo realizada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Todas as outras vezes em que Flávio tentou anular a investigação referente a si, tanto no Supremo como na Justiça do Rio, teve os pedidos negados. Agora, estranhamente, a defesa do senador conseguiu “pegar carona” em um processo que corre em segredo de justiça no STF, mas que tem Dias Toffoli como relator.
    A defesa de Flávio e Queiroz não argumentou sobre o conteúdo das informações, ou seja, sobre os milhões desviados dos cofres da Assembleia Legislativa do Rio. Ela simplesmente tentou anular as provas. Alegou ao STF que o Coaf se comunicou diretamente com as instituições financeiras a fim de detalhar informações enviadas pelos bancos.
    Toffoli atendeu ao pedido dos acusados e, com isso, os crimes cometidos pelos integrantes do esquema montado dentro do gabinete de Flávio Bolsonaro não poderão mais ser investigados, até que o pleno do STF analise a questão. (Mais informações: Gabinete de Flávio Bolsonaro abrigava “organização criminosa”, diz MP)
    “As razões trazidas ao processo pelo requerente [Flávio] agitam relevantes fundamentos, que chamam a atenção para situação que se repete nas demandas múltiplas que veiculam matéria atinente ao Tema 990 da Repercussão Geral, qual seja, as balizas objetivas que os órgãos administrativos de fiscalização e controle, como o Fisco, o Coaf e o Bacen [Banco Central], deverão observar ao transferir automaticamente para o Ministério Público, para fins penais, informações sobre movimentação bancária e fiscal dos contribuintes em geral, sem comprometer a higidez constitucional da intimidade e do sigilo de dados”, afirmou Toffoli na decisão.
    Com a medida, Toffoli suspende todas as investigações em que o Coaf e outros órgãos de controle tenham detectado falcatruas, como é o caso de Flávio Bolsonaro. Todos os bandidos do território nacional estão aplaudindo a decisão do ministro.
    “De mais a mais, forte no poder geral de cautela, assinalo que essa decisão se estende aos inquéritos em trâmite no território nacional, que foram instaurados à míngua de supervisão do Poder Judiciário e de sua prévia autorização sobre os dados compartilhados pelos órgãos administrativos de fiscalização e controle que vão além da identificação dos titulares das operações bancárias e dos montantes globais”, escreveu Toffoli.
    Em janeiro, o ministro Luiz Fux – vice-presidente do Supremo – havia mandado suspender provisoriamente, durante o período em que estava à frente do recesso judiciário, o procedimento investigatório instaurado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas “atípicas” pelo Coaf. Na ocasião, Fux também havia atendido a um pedido da defesa de Flávio Bolsonaro.
    À época, Fux enviou imediatamente o caso ao relator do processo no STF, ministro Marco Aurélio Mello. Ao retornar das férias de janeiro, Marco Aurélio negou o pedido do senador do PSL para suspender a investigação.

    Entenda o caso

    No fim de 2018, relatório do Coaf apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). (Leia mais: Cerco se fecha sobre Flávio Bolsonaro. Justiça amplia quebra de sigilos)
    O documento revelou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, que havia atuado como motorista e assessor de Flávio Bolsonaro à época em que o parlamentar do PSL era deputado estadual. Esse valor correspondia a um período de um ano, de 2016 a 2017. Quando se retrocedeu a 2014, o valor movimentado por Queiroz chegou a R$ 7 milhões.
    No pedido de quebra do sigilo bancário e fiscal de Flávio, Queiroz e dos demais envolvidos, o Ministério Público do Rio afirma que encontrou indícios de organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato no gabinete do filho de Bolsonaro na época em que ele era deputado estadual.
    As autoridades também investigam as ligações do esquema de propinas do gabinete de Flávio Bolsonaro com lavagem de dinheiro das milícias do Ri de Janeiro. O gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) empregou a mãe e a esposa do ex-capitão Adriano Magalhães da Nóbrega, acusado de ser o chefe do ‘Escritório do Crime’, grupo de assassinos de aluguel ligado à milícia e investigado pela morte da vereadora Marielle.
    Conhecido como “Capitão Adriano”, o ex-PM foi um dos alvos da Operação “Os Intocáveis” realizada pela Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro na manhã desta terça-feira, que prendeu cinco milicianos. Adriano é considerado foragido.
    A mãe do ex-capitão, Raimunda Veras Magalhães, de 68 anos, era funcionária no gabinete de Flávio Bolsonaro durante parte de seu mandato como deputado estadual. Raimunda aparece na folha da Alerj com salário líquido de R$ 5.124,62.

    A mãe do miliciano aparece nos quadros da Alerj desde o dia 2 de março de 2015, quando foi nomeada assessora da liderança do PP, ao qual Flávio Bolsonaro era filiado. Saiu em 31 de março do ano seguinte, quando o deputado migrou para o PSC. Em 29 de junho de 2016, foi lotada no gabinete de Flávio. Foi exonerada dia 13 de novembro do ano passado.
    A mulher de Adriano, Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega também foi lotada no gabinete de Flávio na Alerj, com o mesmo salário da sogra. Ela é listada na Assembleia desde novembro de 2010 e foi exonerada junto com a sogra. Raimunda Magalhães aparece no relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) como uma das remetentes de depósitos para Fabrício Queiroz, ex-motorista de Flávio Bolsonaro e amigo pessoal de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro.

  • eu

    *****Ignorância de Bolsonaro sobre a fome causa revolta e indignação

    A afirmação do presidente Bolsonaro de que “falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira” está causando uma forte onda de indignação e revolta em lideranças da oposição e internautas.
    Bolsonaro também falou que “passa-se mal, não come bem. Aí eu concordo. Agora, passar fome, não”.
    O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) foi um dos que reagiu à observação infeliz do presidente: “Ao dizer ninguém passa fome no Brasil, Bolsonaro agride o bom-senso e menospreza a dor dos que sofrem”.

    Leia a mensagem postada no Twitter:

    @orlandosilva
    Ao dizer ninguém passa fome no Brasil, Bolsonaro agride o bom-senso e menospreza a dor dos que sofrem. O Brasil que esse senhor conhece se limita à Barra da Tijuca. Ignora o país real, os dramas que afligem o povo. É um pavão de redes sociais, um charlatão!
    Para o deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE), dizer que não há fome no Brasil é uma “crueldade” em um País “com cerca de 55 milhões de pobres e mais de 15 milhões vivendo abaixo da linha da extrema pobreza”. “Me pergunto até que ponto é falta de informação ou crueldade fazer afirmações como essas”, completou.
    Para o vice-líder do PCdoB, deputado Márcio Jerry (MA), no Brasil real, “que o Jair Bolsonaro não enxerga, infelizmente tem fome sim”. “E fome que aumenta com o desmonte de políticas públicas de proteção e assistência social”, pontuou.
    O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), diz que Bolsonaro ridiculariza mais de cinco milhões de brasileiros que passam fome.
    “Para Bolsonaro, é tudo uma grande mentira. Só quem vive há mais de 30 anos na mamata, e criou os filhos nas mesmas tetas, pode ser tão indigno com a dor do povo e a realidade do país que governa”, criticou o senador.
    “Até onde veremos tanta imbecilidade? Será que esse cidadão não se cansa de dizer besteiras e mostrar que não conhece nosso país?”, indignou-se o deputado André Figueiredo (CE), líder do PDT na Câmara.
    A declaração de Bolsonaro foi dada em um café da manhã com jornalistas nesta sexta-feira.

  • Enfermeiro cubano

    https://comunicandofatos.files.wordpress.com/2019/07/5bd48c00c7d1b5c99a23a6c4ba3f9308.jpg

    *****BOLSONARO CORTA BENEFÍCIOS PARA CRIANÇAS COM MICROCEFALIA, E MÃES PROTESTAM NO RECIFE
    Mais de 20 crianças tiveram o Benefício de Prestação Continuada (BPC) cortado. Mães pedem respostar para a suspensão
    O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é concedido pelo INSS para pessoas com deficiência física ou mental de qualquer idade e idosos acima de 65, e equivale a um salário mínimo. Pernambuco foi um dos estados que mais sofreu com o surto de microcefalia em 2015, que em todo o país registrou cerca de três mil crianças que nasceram com a síndrome congênita causada pelo vírus da zika. De acordo com as regras do BPC, as crianças com microcefalia têm direito ao benefício e muitas já o recebem. Porém, no Recife (PE), dezenas de famílias estão com o benefício cortado desde junho sem nenhum motivo aparente.
    Em reação aos cortes, a União de Mães de Anjos (UMA) organizou uma manifestação em frente à sede do INSS no Recife nesta quinta-feira (18), com cerca de 85 famílias que vêm sendo prejudicadas com a suspensão do benefício.
    Germana Soares, presidente da UMA, explica as razões do protesto: “Nós viemos reivindicar nosso direito, porque mães estão em situação de desespero sem ter como custear aluguel, alimentação, remédios. Viemos para que a sociedade saiba o que está ocorrendo e o poder público tome providência”.
    Inicialmente, as famílias atualizaram toda a documentação exigida pelo INSS na expectativa de receberem o benefício, mas o instituto afirmou que o problema seria “no banco”. Após irem às agências investigar o ocorrido, a resposta foi de que o problema era realmente na Previdência.
    O INSS, que não sabe explicar o motivo das suspensões, pediu um prazo de até 85 dias para investigar o caso, mas as famílias argumentam que é impossível manter as crianças sem o valor do benefício por esse período e que seria urgente uma reunião com o Ministério da Cidadania para entender o que aconteceu e reaver os valores suspensos.

  • Enfermeiro cubano

    *****BOLSONARO ENGANA 57 MILHÕES DE ELEITORES E FECHA COM O MDB.

    BRASILIA- Após aceitar a indicação de três ministros do DEM, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) que em campanha disse que não faria o toma lá dá cá, está praticando a velha política de quem dizia ser avesso. Tudo bravata, mentira, fake news. E agora, segundo O Dia, o MDB já estaria ‘fechado’ com o futuro governo. “É um pacto sigiloso de não agressão, neutralidade e – por ora, claro – sem ministérios envolvidos. Bolsonaro sabe que precisa da bancada do MDB no Congresso para sua governabilidade. Os caciques não pediram, mas é provável que mantenham cargos importantes no setor elétrico. O acordo envolve apoio da bancada a projetos de Bolsonaro que se identifiquem com a pauta emedebista. A senha para o apoio será a liberação da bancada para votações polêmicas, sem fechar questão”, diz O Dia.
    O presidente eleito espalhando mentiras sobre o adversário, durante a campanha parecia uma joia rara, mas, no entanto, não passou de uma bijuteria barata. Bolsonaro traiu os votos de 57 milhões de eleitores que acreditaram que ele seria diferente, que mudaria o jeito de fazer político. Não mudou. É a mesma coisa, sendo que pior. O governo Bolsonaro está tomando cara. Cara de sem vergonha. Políticos corruptos, delatados na Lava Jato, farão parte desta vergonha.
    Ruim para a população que acreditou nele. Ruim para milhões de brasileiros que já estão sem médicos antes de tomar posse. O governo que nem começou, já mostra a que virá.

  • Enfermeiro cubano

    *****Bolsonaro planeja o fim da multa de 40% do FGTS paga ao trabalhadorDepois da reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro prepara mais uma medida contra os direitos dos trabalhadores: o fim da multa de 40% sobre o FGTS; segundo ele, a multa é um peso para os patrões; a proposta é, segundo interlocutores, a ideia preferida do ministro da Economia, Paulo Guedes
    “É quase impossível ser patrão no Brasil”, disse Bolsonaro em entrevista a jornalistas, após um evento organizado pela igreja Sara Nossa Terra. “Precisamos falar a verdade. Falar do trabalhador dá mais voto”, prosseguiu o presidente ao informar sobre os planos do governo de acabar com a multa de 40% sobre o FGTS, paga a trabalhadores em caso de demissão sem justa causa.Continua depois da publicidade
    “Essa multa de 40% foi quando Dornelles era ministro do Fernando Henrique Cardoso. Aumentou a multa para evitar demissão, ok? O que acontece depois disso? O pessoal não emprega mais por causa da multa”, disse Bolsonaro.
    Enquanto não apresenta soluções para os mais de 14 milhões e desempregados, Bolsonaro diz que o problema são os direitos trabalhistas que precisam ser flexibilizados ‘para estimular a contratação no mercado formal’. Continua depois da publicidade
    “Acha que eu estou feliz com 14 milhões de desempregados? Como é que eu vou empregar alguém e o cara vai falar: sabe a dificuldade? Conhece a CLT? Você paga outro salário. É difícil. E, olha só, na guerra comercial do mundo, temos uma das mãos de obra mais caras que existem. Qual é a nossa tendência? Continuarmos vivendo de commodities. Até quando?”, justificou o presidente.
    De acordo com reportagem do jornal O Globo, a proposta de acabar com a multa do FGTS está nos planos do ministro da Economia Paulo Guedes. De acorco com interlocutores, essa a a proposta preferida do ministro que deu o primeiro passo flexibilizando os saques, inclusive de contas ativas, que o governo adiou o anuncio para semana que vem por conta da preocupação de que a liberação de recursos pudesse comprometer o financiamento habitacional. Continua depois da publicidade
    “Lógico que eles têm a preocupação deles. Eu também tenho, é parecida com a deles. Não queremos que o projeto pare, afinal de contas o meu pai foi comprar a primeira casa na vida dele quando eu tinha 35 anos de idade”, disse o presidente.
    AOS DIREITISTA QUE TRABALHAM – NÃO SE APOSENTARAM—E VOTARAM NO MAFIOSO-+BEM FEITO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • Inimigos, no passado. Agora, amigos!

    O grupo “O Globo” faz oposição ao governo Bolsonaro. Sempre viveu as custas e de empréstimos do governo para
    sempre elogiar os governos anteriores principalmente o PT. Com Bolsonaro foi diferente, pois em campanha, brigou com a Globo e mandou o BNDES cobrar a dívida milionária com a Globo que passa por uma crise. Teve que diminuir os salários globais.
    No impeachment e na Lava Jato, a Tv Globo atacava o governo PT. Os petistas odiavam o canal. Agora os petistas defendem a Globo com muito cinismo kkkkk Falsidade está em todos os lugares.
    Em politica, o ser politico elogia quando alguém ataca o seu adversário. Bolsonaro acredita nas mentiras que inventa? Claro! O pior é quando os eleitores também acreditam.
    Os petistas são craques nisso pois juram que Lula é honesto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *