10 comentários

  • Presidente e as sua idiotices

    A história demonstra que no passado tivemos vários presidentes que falaram besteiras ou se equivocaram, pois até hoje, é matéria de piada. Temos videos de piadas deles.
    Bolsonaro tem um diferencial! Porque ele posta as besteiras, nas redes sociais. Alem de ser um idiota, ele faz propaganda. kkkkkkk
    A maioria de seus eleitores sabiam de sua incapacidade de exercer o cargo de presidente mas preferiram Bolsonaro, sabendo de sua fraqueza. Estamos pagando!
    O povo preferiu votar em um militar do que votar no PT. Acreditavam que o militar é honesto ou que a farda dá honestidade a alguém.
    Vamos pagar por isso.

  • Sérgio

    Bolsocolostomia bandido… só isso.

  • ELEITOR ENGANADO

    Fala besteira e muito mais. Não tem projeto de governo. É apoiado pela máfia miliciana. Envolvido com laranjas. Vai meter a mão na aposentadoria do trabalhador. Quer envolver o Brasil em guerra com a Venezuela. Pra puxar o saco do Trump arrumou encrenca com a China e ferrou os pecuaristas e produtores rurais que lhe deram apoio. Até agora só fez merda!

  • Enfermeiro cubano

    LAVA JATO: ONG BILIONÁRIA COM DINHEIRO PÚBLICO DA PETROBRAS É VISTA COMO “ESTADO PARALELO””
    OU SIMPLESMENTE ROUBO DO MP DO PARANÁ OU CURITIBA.

    https://www.cartacapital.com.br/wp-content/uploads/2017/05/deltan-dallagnol-e1552086521596.jpg

    Para juristas e políticos, fundo criado com o aval dos Estados Unidos fere a lei e é cercado de incertezas
    Cinco anos depois de uma operação que desfigurou o tabuleiro político brasileiro deste século, a força-tarefa Lava Jato deu um passo além: decidirá qual o destino de uma fatia bilionária dos recursos desviados da Petrobras que voltaram ao Brasil.
    A conta bancária gerida pelo Ministério Público Federal já recebeu um aporte de 2,56 bilhões de reais, pagos graças a acordo que livrou a Petrobras das pendências com a Justiça americana. As autoridades do país autorizaram, em setembro, que 80% do valor da multa fosse revertido ao país.
    Conforme o acordo, metade desse dinheiro deverá ser destinado a erguer uma fundação privada, gerida pelos procuradores, cuja missão é reforçar “a luta da sociedade brasileira contra a corrupção”. Já a outra porção irá reembolsar acionistas que eventualmente processem a empresa.
    Essa generosa “doação”, vale lembrar, não teria sido possível sem a colaboração desses mesmos procuradores, que repassaram às autoridades americanas informações que deram origem à ação extinta pela multa bilionária.
    Alardeada por Deltan Dallagnol ( O GRANDE CORRUPTO ), como “legado permanente para a sociedade brasileira”, a iniciativa é cercada de incertezas. Se, por um lado, traz ao país um dinheiro que ficaria retido no exterior, de outro, é juridicamente questionável e abre brechas para que o poderio da República de Curitiba cresça sem limites. Dallagnol celebra Moro ministro e nega prejuízo à Lava Jato: ‘ridículo’
    Um grande risco, avaliam juristas, políticos e líderes de ONGs, é dar comando paraestatal para um movimento cujas ambições políticas são cada vez mais difíceis de esconder. Afinal, nem o principal artífice da Operação, Sergio Moro, resistiu aos encantos de uma cadeira no Planalto. E 2022 está logo ali.
    Instituto Lava Jato?
    Conforme o acordo e as manifestações da força-tarefa, a ideia é que a entidade, de direito privado, seja tocada por pessoas e organizações “de reputação ilibada e reconhecida trajetória e experiência” escolhidas pelos procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.
    Além disso, o MPF e o MPE do Paraná poderão ocupar duas cadeiras no conselho deliberativo da fundação. Dezenas de milhões de reais serão aplicados, todo o ano, em projetos sociais que promovam conceitos tão genéricos quanto “controle social”, “cidadania”, “formação de lideranças” e “cultura republicana”.
    Como ONG, essa fundação ficaria longe da fiscalização do Tribunal de Contas da União e do Portal da Transparência. Também não seria submetida aos ritos orçamentários do governo. Dessa forma, a Lava Jato entra na disputa pelos recursos por um caminho ausente de fiscalização e transparência.
    Fato é que nunca tanto dinheiro esteve nas mãos de um ente Poder Judiciário no Brasil – o valor corresponde a mais da metade do orçamento anual de toda a Procuradoria Geral da República. E supera os 2,5 bilhões devolvidos até agora à Petrobras… que vai mais de 15 bilhões em multas dos acordos com os EUA.
    “O dono desse dinheiro é o governo americano, e eles concordaram em repassá-lo ao Brasil. Mas é questionável se o MP é quem deve administrar essa verba”, explica o advogado Julio Cezar Chaves, especialista em direito administrativo.
    O advogado Marcelo Mascarenhas, membro da Associação Juristas pela Democracia (ABJD), lembra que já existe um fundo público, ligado ao Ministério da Justiça e gerido via conselho gestor, que repassa o dinheiro de multas e condenações de ações civis públicas a projetos de reparação de danos.
    “Porque esse dinheiro não vai para uma organização privada e não para esse fundo, público e transparente? Se um prefeito ou governador desviasse arrecadação de multas para uma ONG escolhida por ele, era condução coercitiva na hora”
    Juristas e políticos temem que essa fundação seja o nascedouro de um Estado paralelo da Lava Jato. “Há grandes riscos de essa associação, no futuro, financiar a preço de ouro palestras e eventos de procuradores e juízes amigos”, avalia advogado André Lozano, co-coordenador do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM).
    A verba também poderia servir para financiar movimentos que, sob uma fachada de luta contra a corrupção, escondam ambições políticas. O exemplo mais recentes são as organizações surgidas no caldo cultural de 2013, estrelaram os atos pró-impeachment e, após a derrubada de Dilma Rousseff, surfaram essa onda conservadora nas urnas. Grupos como o MBL, o Vem pra Rua e o Nas Ruas elegeram, juntos, mais de trinta deputados.
    Para o ex-senador Roberto Requião (MDB), a ideia traz o caixa 2 dentro para dentro do MP. Nas redes sociais, ele comparou as intenções dos procuradores de Curitiba à daqueles pegos no esquema da Petrobras. “Elogiei a Lava Jato no Senado, no início, porque pensei que era uma operação de limpeza. Não, não era. A natureza desses que montaram a fundação é a mesma daqueles que roubaram o erário.”
    Mesmo potenciais beneficiários desses recursos veem a iniciativa com cautela. Para Manoel Galdino, presidente da Transparência Brasil, outros órgãos de controle, como a CGU, e até o próprio legislativo, deveriam participar ativamente dessa fundação.
    “É preciso de muito cuidado para que essa entidade não seja capturada por quem a comanda. E se a gente quiser monitorar o MP, conseguiremos? Não é só no Executivo que existe corrupção.”
    O acordo do MPF com a Petrobras prevê ainda uma extenso manual de compliance. Prato cheio para a ação de procuradores que troquem o holerite público pela chance de ganhos mais altos no mercado. Foi o caso de Carlos Fernando dos Santos Lima, que pendurou as chuteiras para atuar como consultor.
    Contestações…
    Temendo que a bilionária fundação vire financiadora oculta de um “Partido da Lava Jato”, o PT vai ao Supremo Tribunal Federal e ao TCU (Tribunal de Contas da União) tentar barrar o acordo. A defesa de Lula também contesta a proposta, e já pediu à Justiça acesso integral às tratativas, por acreditar que os termos podem interferir em processo da Petrobras contra ele.
    CONFORME A DECISÃO COM A JUSTIÇA AMERICANA, O PAGAMENTO DEVERIA SER FEITO A “AUTORIDADES BRASILEIRAS”
    Segundo advogados do partido ouvidos por CartaCapital, o MPF está tentando usurpar o poder do Executivo. Prova disso seria o acordo original com a justiça americana que, além de não prever a criação de nenhum fundo, sequer cita nominalmente o MP – conforme a decisão, em inglês, o pagamento deveria ser feito a “autoridades brasileiras”.
    A OAB também está analisando a proposta, e deve se pronunciar em breve.
    …e (possíveis) restrições
    A julgar pelo histórico do Supremo em casos parecidos, são grandes as chances de a ideia naufragar. Em 2016, o finado ministro Teori Zavascki barrou a tentativa da Lava Jato de decidir o destino de 20% dos 50 milhões desviados pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Teori considerou a manobra ilegal porque, como a Petrobras é uma sociedade mista e com pessoa jurídica independente, o patrimônio da empresa não têm relação direta com a União.
    Semanas atrás, Edson Fachin negou o pedido da PGR para que 71,6 milhões recuperados em acordo com marqueteiro João Santana fossem repassados ao Ministério da Educação, destacando que é cabe à União, e não ao Poder Judiciário, definir o destino do dinheiro.
    Outro crítico é o ministro Marco Aurélio Mello. Ao jornalista Tales Faria, no UOL, ele afirmou que a mistura entre público e privado proposta pela fundação, sem a devida fiscalização, não interessa a sociedade. “É pernicioso, fazendo surgir ‘super órgãos’, inviabilizando o controle fiscal financeiro. É a perda de parâmetros, é o descontrole, é a bagunça administrativa. É a babel.”
    CONCLUSÃO;; FICOU AGORA CLARÍSSIMO O POR QUE SERGIO MORO PEDIU EXONERAÇÃO DO CARGO DE JUIZ FEDERAL, GANHANDO QUASE 100 MIL REAIS POR MÊS E FOI PARA O CARGO DE MINISTRO, GANHANDO 32 MIL REAIS POR MÊS COMO CAPACHO DE BOLSONARO O MILICIANO E, PARA COMPLETAR OS LARANJAIS O DE MORO NADA MAIS É DO QUE O EVANGÉLICO DELTON DALLAGNOL A SEGUNDA LARANJA MAIS PODRE DESSE GOVERNO.
    OBS;;;;;;; COM A PALAVRA OS DA DIREITA FASCISTAS.

  • Enfermeiro cubano

    PODER JUDICIÁRIO DE CURITIBA-PARANÁ- ROUBANDO DINHEIRO PÚBLICO DA LAVA JATO PARA O SR, MORO E DALLAGNOL.

    Lava Jato cria fundação para desviar para si R$ 2,5 bi da Petrobrás, por J. Carlos de Assis
    Viram tanta corrupção na Petrobrás que decidiram inventar sua própria corrupção? Isso à luz do dia, com a naturalidade de um punguista na 25 de março!

    Por José Assis –

    O princípio básico da homeopatia se traduz por uma frase em latim: “similia similubus curantur”. Em português, os semelhantes curam-se pelos semelhantes. Entende-se com isso que a doença é curada pelos agentes que a provocam. Foi provavelmente tendo isso em mente que a Lava Jato, isto é, os promotores e os juízes de Curitiba que avocaram a tarefa de limpar o Brasil de corrupção, querem se apossar pessoalmente de dinheiro de corrupção para combaterem a corrupção, com amplas possibilidades de se locupletarem no processo.
    Para essa gigantesca operação de assalto a cofres públicos a Lava Jato criou uma fundação “de combate e de educação” contra a corrupção que receberá de doação da Petrobrás, já na primeira tacada, 2,5 bilhões de reais. É evidente que a Petrobrás e outras empresas seriam achacadas pelos promotores com ameaças de mais investigação. Por outro lado, nada impede que o resultado da extorsão vá por algum caminho tortuoso – palestras, por exemplo – para os bolsos de juízes e promotores. Quando li essa notícia, veiculada por Luís Nassif, fiquei estatelado. Então os supostamente honrados homens da Lava Jato perderam completamente o pudor? Viram tanta corrupção na Petrobrás que decidiram inventar sua própria corrupção? Isso à luz do dia, com a naturalidade de um punguista na 25 de março!
    Quem propõe uma safadeza desse porte – 2,5 bilhões de reais é muito dinheiro! – ou está acometido por um delírio de poder ilimitado, incomensurável, ou tem na gaveta fatos comprometedores que mantêm a alta cúpula do Judiciário como refém, na esperança de que acoberte o assalto proposto contra o povo. Sim, porque dinheiro da Petrobrás, pelo menos a parte correspondente às ações do governo, é dinheiro público. E achaque de dinheiro privado não é crime menor. O fato é que de tanto falar em organização criminosa dos outros, os promotores e juízes de Curitiba decidiram estabelecer a sua, nas barbas da Nação.
    É fato que essa insolência, essa verdadeira infâmia, só vale se passar pelo crivo dos órgãos superiores da Justiça. Entretanto, só o fato de ter sido pensada é um acinte contra o povo. Seus proponentes querem substituir os órgãos normais de investigação do Estado, assim como os de educação, a Polícia Federal e a própria Procuradoria Geral, as Corregedorias, etc, por sua infalível fundação, que será uma espécie de Estado paralelo ditatorial, pior do que uma ditadura comum porque revestido de legitimidade de apostilas e de diplomas.
    Senti ânsias de vômito ao ler a notícia. É a isso que nos levou a dimensão espetacular, cheia de vícios, que a grande imprensa conferiu aos poderosos primatas jurídicos da Lava Jato, que derrubaram as fundações do direito objetivo, o habeas corpus, a presunção de inocência e o direito ao devido processo legal. Eles se apresentam agora, perante a Nação, como aquilo que são realmente, protótipos de ladrões comuns. E o pior é que todas as instituições da República estão derretidas ou falidas, portanto sem condição moral de reagir a essa pretensão infame. A nós, enquanto esperamos o desfecho desse esbulho, resta torcer para que haja verdadeiros juízes em Brasília. Ou temos que pedir licença às pessoas que estão na sala e sair para vomitar!
    OS BOLSONARISTAS BABACAS PODERIAM AGORA DAR SUA OPINIÃO?

  • eu

    RECADO PARA O MORO E SEUS SEGUIDORES:

    Bozo terá apenas 20 min com Trump nos EUA. Vai lá Bozo,20 minutos dá para um boquete maravilhoso, capricha nas bolas seu baba ovo!

  • Enfermeiro cubano

    OUTRA CAGADA DO MILICIANO BOLSONARO, MAS LOGO DESCOBERTA A MENTIRA DO BOLSAMERDA. O QUE AGORA A DIREITA FASCISTA TEM A DIZER SOBRE ESSA MAIS NOVA MEDIDA ADMINISTRATIVA DO PAI DOS IDIOTAS

    https://img.estadao.com.br/resources/jpg/9/8/1552073569789.jpg

    O presidente Jair Bolsonaro atacou a imprensa valendo-se de informações falsas divulgadas ontem por um site que reúne colunistas conservadores e favoráveis ao governo. No Twitter, Bolsonaro endossou tese levantada pelo site Terça Livre, que falsamente atribuiu a uma jornalista do Estado a declaração de que teria “intenção” de “arruinar Flávio Bolsonaro e o governo”.
    A suposta declaração, que aparece entre aspas no título do texto do Terça Livre, foi atribuída pelo site à repórter Constança Rezende. A frase teria sido dita, segundo “denúncia” de um jornalista francês citado pelo Terça Livre, em uma conversa gravada em que a repórter fala da cobertura jornalística das movimentações suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).
    A gravação do diálogo, porém, mostra que Constança em nenhum momento fala em “intenção” de arruinar o governo ou o presidente. A conversa, em inglês, tem frases truncadas e com pausas. Só trechos selecionados foram divulgados. Em um deles, a repórter avalia que “o caso pode comprometer” e “está arruinando Bolsonaro”, mas não relaciona seu trabalho a nenhuma intenção nesse sentido.
    Allan Santos, editor do Terça Livre, no entanto, expôs a conversa como evidência de suposta irregularidade. “Bomba!!!!! Jornalista do Estadão confessa: “a intenção é arruinar Flávio Bolsonaro e o governo”. A frase jamais foi dita.
    Estimulados pelas informações, grupos governistas promoveram no Twitter uma série de postagens nas quais acusaram o Estado de “mentir” na cobertura do caso Flávio Bolsonaro. Às 20h51min, o próprio presidente publicou o seguinte texto no Twitter: “Constança Rezende, do ‘O Estado de SP’ diz querer arruinar a vida de Flávio Bolsonaro e buscar o Impeachment do Presidente Jair Bolsonaro. Ela é filha de Chico Otavio, profissional do O Globo. Querem derrubar o Governo, com chantagens, desinformações e vazamentos.”
    A postagem de Bolsonaro foi ilustrada com um vídeo do Terça Livre, que expôs a foto de Constança Rezende e o áudio de um trecho da conversa gravada. A gravação foi divulgada primeiro por um site francês, em um texto de Jawad Rhalib, que se apresenta como jornalista. Rhalib também expõe a tese de que a gravação seria prova de que a imprensa distorce fatos para comprometer Bolsonaro.
    Constança não deu entrevista ao jornalista francês nem dialogou com ele. Suas frases foram retiradas de uma conversa que ela teve em 23 de janeiro com uma pessoa que se apresentou como Alex MacAllister, suposto estudante interessado em fazer um estudo comparativo entre Donald Trump e Jair Bolsonaro.
    O Terça Livre, com base na “denúncia” de Jawad Rhalib, também falsamente atribuiu à repórter a publicação da primeira reportagem sobre as investigações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) a respeito da movimentação de R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz. O autor da primeira reportagem foi Fabio Serapião, também do Estado.
    “Desde que Constança iniciou a temporada de caça aos Bolsonaro no Estadão, emissoras como a Rede Globo e jornais como Folha de São Paulo seguiram o mesmo caminho”, diz o texto do site. “Uma enxurrada de acusações em horário nobre, capas de revistas e nas primeiras páginas de jornais colocaram a integridade moral do filho do presidente em xeque.”
    As informações publicadas pelo jornal se baseiam em fatos e documentos oficiais. O Ministério Público apura se Fabrício Queiroz recebeu indevidamente depósitos de funcionários da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

  • Enfermeiro cubano

    GLOBO INTENSIFICA ATAQUES E MOSTRA SITUAÇÃO HUMILHANTE E SEXUAL DE BOLSONARO O MILICIANO NO FANTÁSTICO.
    QUEREMOS ALGUNS COMENTÁRIOS DOS DA DIREITA FASCISTA ORDINÁRIA

    https://static.otvfoco.com.br/2019/03/dddd-768×480.png

    A Globo realmente está fazendo uma espécie de guerra declarada ao atual Presidente da República, Jair Bolsonaro. Praticamente todos os domingos, dentro do Fantástico, a emissora tem usado o quadro #IssoaGloboNãoMostra para fazer uma série de críticas a Bolsonaro.
    + Após pronunciamento de Débora Nascimento, internautas apontam indireta para Marina Ruy Barbosa e polemizam
    Desta vez, a emissora resolveu tirar sarro de uma situação bastante constrangedora promovida pelo atual líder da república. É que nesta semana, em seu Twitter, Bolsonaro questionou o que significava o termo “golden shower”. Para quem não sabe, o termo é sexual e se refere a Chuva dourada, que é a prática das pessoas fazerem xixi no parceiro durante o ato sexual.
    Após a menção de Bolsonaro nas redes sociais do termo, a busca em relação a “golden shower” disparou nos sites de buscas. Já a Globo, mais uma vez, não perdoou a atitude do líder da república. Em certo momento do IssoaGlobonãoMostra dentro do Fantástico, foi levado ao ar um trecho do Altas Horas com Serginho Groismann e Laura Muller. Nele, era exibido no telão do programa, o tweet de Bolsonaro questionando o que significava o tal termo.
    Nas redes sociais, o nome do quadro e do Presidente figuraram entre os assuntos mais comentados do momento.

    https://pbs.twimg.com/ext_tw_video_thumb/1104928864235589632/pu/img/K9xhruGAZryLobmQ?format=jpg&name=small

  • Enfermeiro cubano

    PARA A DIREITA RESPONDER.

    Olavo manda Bolsonaro que manda ministro da Educação exonerar assessor.
    Na frase acima quem é o pau mandado?

  • Enfermeiro cubano

    AUTORA DE FAKE NEWS CONTRA JORNALISTA DO ESTADÃO É FUNCIONÁRIA DO GABINETE DE DEPUTADO DO PSL DE ( MG)
    FERNANDA SALES DE ANDRADE FOI NOMEADA EM FEVEREIRO PARA O GABINETE DO DEPUTADO BRUNO ENGLER DO PSL DED ( MG )

    https://www.revistaforum.com.br/wp-content/uploads/2019/03/fernanda-e-bolso-e1552332065606.jpg

    A autora do texto fake news publicado neste domingo (10) no site Terça Livre, Fernanda de Salles Andrade, no qual acusa Constança Rezende, jornalista do Estadão, foi nomeada, em fevereiro, para o gabinete do deputado Bruno Engler (PSL-MG). O parlamentar foi o mais votado nas eleições de 2018, com 120.252 votos, e pertence ao Movimento Direita Minas, de acordo com informações do blog do jornalista Ruben Berta
    Berta telefonou para o gabinete do deputado Engler e falou com Fernanda.
    Ela diz “não ver problemas em trabalhar para o Terça Livre e ter o cargo comissionado na Assembleia”, mas não concordou em declarar quanto ganha no gabinete
    O jornalista questionou, afirmando que se trata de dinheiro público. No entanto, ela rebateu: “E qual que é o problema disso? Você tem algo contra funcionários públicos?”. E finalizou: “Sim, você pode ficar à vontade para fazer a sua pesquisa”.
    As redes sociais de Fernanda estão repletas de fotos com os integrantes da família Bolsonaro, com Flávio, Eduardo e com o próprio presidente Jair, de 2017 e 2018.
    Fernanda voltou a publicar em suas redes sociais críticas ao trabalho das agências de checagem e do jornal Estado de S.Paulo.
    Embora ela não tenha divulgado quanto recebe no gabinete do deputado, por meio do site da Assembleia Legislativa de Minas é possível ter acesso aos valores que os funcionários da Casa recebem. No caso de Fernanda, o vencimento bruto é de R$ 6.543,79 + R$ 1.021,00 (auxílio transporte/alimentação).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *