COM A VOLTA DE BARBOSA, LIMINAR QUE MANTÉM PARINI PENDURADO AO CARGO SEGUE ANDANDO

Não está parada a liminar obtida por Parini no STF. A Reclamação 12247, aquele recurso que rendeu ao prefeito Humberto Parini a liminar que o mantém no cargo, deu mais um passo à frente na semana passada. O ministro Joaquim Barbosa, que voltou ao batente no dia 31/08, deu um despacho já no dia 02/09, determinando a solicitação de informações. 

No mesmo despacho ele determinou que, depois de transcorrido o prazo legal para apresentação das informações, a Reclamação seja remetida ao procurador-geral da República para manifestação. E por falar em Joaquim Barbosa, vejam a matéria do jornalista Eliomar Lima, publicada pela revista IstoÉ, desta semana:

Ao regressar ao Supremo Tribunal Federal na quarta-feira 31, depois de mais de dois meses de licença, o ministro Joaquim Barbosa, 56 anos, convocou assessores para uma conversa importante em seu gabinete. Na reunião de mais de duas horas de duração, o ministro manifestou um grande aborrecimento. Não bastasse ter perdido relatorias de processos rumorosos, afirmou ter percebido no tribunal um ambiente envenenado, principalmente por rumores sobre sua aposentadoria precoce. Disse enxergar uma “conspiração” para mandá-lo de vez para casa.

Nos diálogos reservados, Barbosa desabafou: “Isso acontece com quem incomoda.” Aos que desejam vê-lo fora do Supremo, no entanto, Barbosa foi taxativo. Nas mesmas conversas particulares, o ministro garantiu que não tem intenção de se aposentar. Foi além. Disse que vai transformar o seu gabinete num bunker de resistência.“Só saio do Supremo antes dos 70 anos se eu morrer”, afirmou, referindo-se à idade limite para todos os servidores públicos.

Quem conhece Barbosa sabe o que o move. Filho de um pedreiro com uma dona de casa, ele passou a sustentar a mãe e seus sete irmãos aos 16 anos, quando o pai foi embora. Deixou no passado seus dias de auxiliar gráfico para se tornar um dos 11 membros da mais alta Corte da Justiça brasileira. Hoje, Barbosa tem nas mãos uma das principais relatorias do STF, que trata do mensalão do PT, e prevê que, apesar das dificuldades, seu parecer estará pronto no início de 2012. Ele suspeita que talvez seja exatamente esse o motivo da boataria a seu respeito. O próprio ministro considera que estão criando pretexto para retirar do caminho “quem não agrada”.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *