DEPOIMENTO DE EX-ASSESSORA REVELOU ATUAÇÃO DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA NO GABINETE DE FLÁVIO BOLSONARO, DIZ MP

Há muito tempo que o professor Marco Antonio Villa vem dizendo que a família Bolsonaro é uma Orcrim. Deu no Brasil 247:

De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro, o depoimento de Luiza Sousa Paes, ex-assessora de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa teve o papel de esclarecer e revelar a atuação efetiva de uma organização criminosa.

Segundo investigadores, o depoimento foi uma “efetiva e espontânea colaboração, tendo resultado em esclarecimentos e revelações sobre a atuação da organização criminosa” no gabinete do filho “01” de Jair Bolsonaro, que tinha como operador o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Luiza admitiu em depoimento que era funcionária fantasma no gabinente de Flávio e era obrigada a devolver mais de 90% do salário. Ela apresentou extratos bancários para comprovar que, entre 2011 e 2017, entregou por meio de depósitos e transferências cerca de R$ 160 mil para Fabrício Queiroz, ex-chefe da segurança de Flávio e apontado como operador do esquema de desvios de salários.

De acordo com reportagem do jornal O Globo, Luiza relatou ainda que conheceu outras pessoas que viviam situação semelhante a dela. Citou as duas filhas mais velhas de Fabrício Queiroz, Nathália e Evelyn, e Sheila Vasconcellos, amiga da família do policial. Os dados financeiros das três, obtidos na investigação, já identificavam que elas tinham devolvido para Queiroz R$ 878,4 mil.

A funcionária fantasma disse ainda que participou de uma reunião com Frederick Wassef, ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro, em um hotel na Barra da Tijuca em dezembro de 2018. A reunião ocorreu no mesmo dia em que ela tinha sido chamada para prestar esclarecimentos na investigação. Segundo Luiza, ela foi orientada por advogados próximos a Flávio a não atender a convocação do MP, na época.

1 comentário

  • Foro privilegiado : Como o politico, pode roubar! kkkk

    Certamente, a rachadinhas do filho do presidente estão dando dor de cabeça a ele e ao seu papai.
    Coitados!!! O MP pediu que Flávio perca cargo no Senado. Se condenado por ‘rachadinhas’
    Promotores querem ainda que senador perca apartamento comprado por ele, no Rio, e cobra indenização de R$ 6 milhões. Dinheiro não é problema mas perder o cargo. É!!!! Que injustiça kkkk
    Flavio e seus advogados não são bobos. Se defendem no STF para que ele tenha direito a foro privilegiado. Na época, ele era deputado. Depois, elegeu e emendou como senador.
    A tese de mandato cruzado é o entendimento de um político manter o foro privilegiado do cargo antigo após assumir um novo posto. É a situação, por exemplo, dos deputados federais Gleisi Hoffmann (PT) e Aécio Neves (PSDB), que trocaram o Senado pela Câmara. Estão soltos!
    Este caso fica com Kassio Nunes, ministro indicado por Bolsonaro. Coincidência? Não, tudo combinado! Alem disso, a PGR (outro indicado pelo presidente) quer o foro especial do Flavio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *