DINHEIRO QUE FALTA PARA A EDUCAÇÃO SOBRA PARA OS MILITARES

Em 2018, o Brasil tinha 5.290 generais na reserva (aposentados) e apenas 140 na ativa. O salário de um general? R$ 30,2 mil. O texto é do colunista Ricardo Kotscho, no UOL:

Alguém viu por aí o pastor Milton Ribeiro, quarto ministro da Educação nomeado por Bolsonaro, já faz mais de um mês? Até agora ele não apareceu em público para comentar os cortes no orçamento do seu ministério nem para apresentar um plano de trabalho.

Só fui ver a cara dele domingo numa foto na capa da Folha, falando no telão da igreja presbiteriana Jardim da Oração, em Santos (SP), onde ele continua no seu ofício de pastor-titular.

Já tivemos ministro da Educação lunático; um colombiano que mal falava português; depois, veio um caçador de “comunistas” semianalfabeto, terraplanista alucinado, já despachado para o Banco Mundial; em seguida, um professor cheio de títulos fajutos que não chegou a tomar posse e, agora, professores, estudantes e pesquisadores estão nas mãos de um fantasma.

Isso explica muita coisa. Se a Educação já estava jogada às traças, com seguidos cortes no orçamento, vai ficar pior ainda no ano que vem.

Vejam o absurdo: “Ministério da Defesa deve ter mais dinheiro do que a Educação em 2021”, informa o repórter Mateus Vargas, no Estadão desta segunda-feira.

“Segundo a previsão, a Defesa terá um acréscimo de 48,85% em relação ao orçamento deste ano, passando de R$ 73 bilhões para R$ 108,56 bilhões em 2021. Enquanto isso, a verba do Ministério da Educação deve cair de R$ 103,1 bilhões para R$ 102,9 bilhões”.

Para os militares, tudo; para o resto, “o cobertor está curto”, segundo o presidente Bolsonaro em sua última live. Por acaso o país está em guerra para destinar R$ 5,8 bilhões a mais para as Forças Armadas do que para a Educação?

Bolsonaro deixou de ser militar há mais de 30 anos — “um mau militar”, como o definiu o ex-presidente Geisel — mas não esqueceu dos companheiros de caserna que o afastaram dos seus quadros quando planejava jogar bombas nos quartéis. Depois, seria absolvido pelo Superior Tribunal Militar.

Na Câmara dos Deputados, onde se alojou no baixo clero do Centrão, que agora levou para o governo, o ex-capitão sempre foi um líder sindical dos militares e defensor da ditadura e de torturadores.

É o caso de se perguntar por que e para que as Forças Armadas precisam de tanto dinheiro. Numa rápida pesquisa, encontrei um levantamento do repórter Lúcio Vaz sobre gastos militares com pessoal.

Em 2018, o Brasil contava com 5.290 generais na reserva (aposentados) e apenas 140 na ativa. Só com os generais de pijama o Brasil gastava na época R$ 1,7 bilhão por ano, antes dos benefícios oferecidos por Bolsonaro.

Quantos exércitos no mundo podem se dar a esse luxo?

Com as bonificações do “adicional de habilitação”, que chegam a 73% dos salários, já incorporado no holerite de julho, o impacto na folha de pagamentos deste ano será de mais R$ 1,3 bilhão e, em 2021, chegará a R$ 3,6 bilhões.

O salário dos generais subiu de R$ 22,9 mil para R$ 30,2 mil. Qual é o professor do ensino público que pode sonhar com um salário desses?

A folha de pagamentos já consome 91% das despesas da Defesa. Não sobra quase nada para comprar tanques, baterias antiaéreas, submarinos nucleares, canhões, aviões e munições. Mas também não precisa.

O que ameaça o futuro do Brasil não são inimigos externos, mas a ignorância, a falta de recursos e de um projeto para a Educação, a Ciência e a Saúde, a proteção da Amazônia e do Pantanal.

Não será certamente taxando os livros, que para o ministro da Economia, Paulo Guedes, “são coisa de rico”, que nossa Educação vai melhorar.

O ministro-fantasma da Educação ainda não se manifestou sobre o assunto. Quantas audiências ele já teve com o presidente? O que foi decidido?

8 comentários

  • Sérgio

    Alguém dúvida que estamos vivendo um regime militar “laranja” e que um novo Golpe Militar está a caminho????

  • Brasil e o desperdício de dinheiro

    Discordo do jornalista petista quando ele poe culpa em Bolsonaro pela salario de generais e pelo alto numero de aposentados. Esses numero não são de agora! Todos os presidentes sempre gastaram mal o nosso dinheiro.
    No passado, desperdiçamos dinheiro para emprestar pra Cuba e pra Venezuela, ou então entregar patrimônio da Petrobras pra Bolívia. Compramos Passadena. Construímos vários estádios de futebol elefantes brancos.
    Os petistas choram porque cortaram verbas dos jornalistas e militantes de sindicatos. Sempre houve muito desperdício, na educação. Bilhões são jogados no lixo há anos na educação . O método Paulo Freire é um fracasso, pois todos as pesquisa mostra o Brasil ficando para trás quando comparado com outros países do mundo . Estão formando uma geração de zumbis analfabetos que só sabem repetir as palavras de ordem marxistas , sem saberem o que estão dizendo , eles não raciocinam .
    Em Muitas federais o dinheiro serve para subsidiar estudantes profissionais que ficam lá por 10 anos só fazendo doutrinação

    • Rapizodia

      E por conta disso tudo que você enumerou, vamos continuar cometendo o mesmo erro!? Sem educação este país nunca sairá do atoleiro, não tem outra fórmula. Se há erros, cabe ao governo da vez resolver e não se esconder atrás de erros passados. Nomeando Vélez, Weintraub é que não dá!

      • Brasil e o desperdício de dinheiro 2

        Rapizodia
        Temos que fazer economia pois pagamos altos impostos. Não temos educação, saúde e segurança.
        Nossos políticos juntamente com os governos tem vícios de gastar. O sistema e’ viciado. Quando falam em cortar gastos. A gritaria é geral!
        Querem aumentar impostos

        • rapizodia

          Fazer economia sim! Melhorar a distribuição e aplicação dos recursos sim, mas tirar recursos da educação e aumentar o da defesa não me parece ser sensato. Estamos em um ambiente pacífico e nada justifica. Sem dizer que se tem um setor que é uma caixa negra e nenhum governo após a ditadura teve peito para afrontar é o da defesa, esse pessoal tem vida própria, coordenam suas próprias rotinas e não prestam contas a ninguém, por isso que governos anteriores buscavam aos poucos minar este poder, nossa defesa ainda é uma sombra e não parte da democracia que tentamos construir. Sabe quando teremos uma devassa em contas dos ministérios que fazem parte da defesa!? Nunca! Tem muita coisa errada lá e os poderes constituídos têm receio de afrontá-los, pois nossa democracia tem uma linha demarcatória que não se deve transpor e esta é talvez a maior delas. Este governo é parte deste mundo paralelo e por isso não confiamos.

  • Marco Antonio Poletto

    Forças Armadas do Brasil
    Pessoal ativo 334 500
    Pessoal na reserva 1 652 500 (2017)
    Despesas
    Orçamento US$ 39,3 bilhões de dólares (2017) x 5 = Aposentadoria média do militar é de R$ 13,7 mil, enquanto que beneficiário urbano recebe R$ 1,8 mil. A despesa com o pagamento de aposentadorias e pensões de militares é a que mais tem pressionado as contas da Previdência Social.

  • EU

    Concordo com o Brasil e o desperdício de dinheiro, pois essa gastança toda vem á tempos, não de agora não? Sim infelizmente até na Educação se joga dinheiro fora, sei disso pois acabo de sair do Estado após trinta anos de trabalho e uma aposentadoria que dá vergonha de falar para os amigos tanto o método Paulo Freire como outros que trabalhamos de pouco adiantou, pois veja a situação do nosso pais em relação aos outros? perdemos para todos, então é isso, todos os presidentes gastaram mal nosso dinheiro, Cadê o povo para ir para Rua e reivindicar o que é nosso? só isso, quanto a Educação sempre foi a maior ameaça para o Brasil, quem não fala tem quem fala por eles, quanto mais burrinho você for melhor, isso não quer dizer que concordo com esse ganho astronômico das foças armadas? nunca. “”Tá tudo errado””””””

    • rapizodia

      Você percebe que tem alguma coisa errada, quando até um vereador de cidade pequena ganha mais que um professor, se for vereador de cidade grande passa a ser uma afronta, também um deputado, seja estadual ou federal, ganha mais que um professor graduado e especializado, pois até um funcionário de seu gabinete que não vai trabalhar ganha mais e isso, por si só torna tudo um escracho.
      Neste pobre país chamado Brasil, em pleno século XXI, estamos discutindo como resolver nossa educação, sabendo que a desvalorização do professor, suas carreiras estagnadas e o desleixo há décadas com o setor mais importante de uma nação é o que vem destruindo tudo. Enquanto isso, países concorrentes que mostram melhor resultado aplicam todo seu esforço e tratam sua educação como segurança nacional e se fecham em torno dela, criam uma cadeia de transferência de conhecimento até sua indústria, enquanto nós batemos em nossos professores até sangrar literalmente, procuramos aumentar imposto sobre livros e ficamos discutindo se este ou aquele método resolveria num passe de mágica todo o problema e então o culpamos se não der certo, igual ao pai que culpa o filho malandro se foi só o que ensinou a este desde cedo. Nós não temos seriedade para discutir solução, quando nosso governo declara guerra a educação e a cultura de seu país, segue orientação de gente do naipe de um Olavo de Carvalho, Vélez ou Weintraub, aí chegamos ao fim do poço e sem corda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *