DÓRIA VAI À JUSTIÇA CONTRA SARA WINTER E LIGA BOLSONARISTA AO NAZISMO

Deu no portal da revista Fórum:

O governador João Doria (PSDB) vai apresentar nesta segunda-feira (1) uma notícia crime para pedir a instauração de inquérito policial com o objetivo de apurar 31 crimes de difamação e 1 de ameaça contra ele no Twitter, feitos pela ativista de extrema-direita Sara Winter.

No pedido assinado pelo advogado Fernando José da Costa, há menção ao fato de Sara Fernanda Giromini (o verdadeiro nome de Sara Winter) ser filiada ao DEM, partido do vice governador Rodrigo Garcia. Segundo o documento, a escolha da ativista por esse nome coincide com Sarah Winter Donville Taylor, que foi espiã de Hitler e membro da União Britânica de Fascistas no século XX.

A notícia crime também inclui um post de Sara no Facebook no qual ela disse que foi treinada na Ucrânia e que “chegou a hora de ucranizar”, em referência aos movimentos neonazistas da Ucrânia, além de fotos dela com o presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais.

A ativista é uma das líderes do acampamento 300 pelo Brasil, em frente ao Palácio do Planalto. O grupo tem integrantes armados e prega bandeiras antidemocráticas.

Em postagens no Twitter, a militante xinga Doria de “oportunista”, “sádico”, “covarde” e “botox ambulante”, entre outros.

Sara Winter é um dos principais alvos da operação da Polícia Federal realizada no último dia 27 de maio, no âmbito do inquérito que investiga a rede de fake news bolsonarista, no Supremo Tribunal Federal.

Depois da ação da PF, ele gravou um vídeo no qual disse que vai “infernizar” a vida do ministro Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito, e também tem desafiado as autoridades a prendê-la.

Mais cedo, na tarde desta segunda (1), ao receber uma intimação para depor na PF, ela gravou um vídeo em que diz diz que não vai cumprir a ordem judicial: “me nego a ir nessa bosta”.

1 comentário

  • Mais uma doida a ser presa.

    Sara vivia com os pais na cidade de São Carlos.. Com histórico de violência familiar, Sara afirmou ter passado por vários tipos de abusos, inclusive sexuais. Foi prostituta, tendo trabalhado na prostituição durante dez meses.
    De acordo com declarações dadas através de entrevistas, a paulista afirmou que ingressou nos movimentos feministas pois queria de alguma forma exterminar todo o tipo de violência contra a mulher.
    Aos dezenove, com o intuito de se integrar e fundar uma célula do grupo antissexismo Femen no Brasil, viajou à cidade de Kiev a fim de receber treinamento e conhecer uma das líderes do grupo, Inna Shevchenko.
    Foi candidata a deputada federal pelo Democratas/RJ em 2018, não conseguindo eleger-se. Em 2019, foi coordenadora de políticas à maternidade no Ministério da Mulher. A ministra Damares arrumou uma boquinha para ela.
    Anda pelada nas manifestações. Com o corpo todo pintado. Bolsonaro deve adora-la. Ou melhor, o sistema adora gente assim. Espera que Bolsonaro vai tira-la da cadeia.
    Está na agulha para ser presa! Sem comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *