ECONOMISTA TUCANO DIZ QUE LAVA JATO PODERÁ PROVOCAR 2 MILHÕES DE DEMISSÕES

Há cerca de dois meses, em conversa com um amigo, defendi a tese de que a “Operação Lava Jato”, da maneira como estava sendo conduzida, causaria muito desemprego e um prejuízo bem maior ao país do que o prejuízo causado pelos larápios da Petrobras.

Não se trata de defender o que está errado – no caso, a roubalheira – mas de defender que as coisas sejam feitas dentro da lei, sem espetacularização midiática, sem vazamentos seletivos, sem delações sob tortura e sem a condenação antes do julgamento.

Aqueles que cometeram pecados precisam pagar por eles, mas isso deve ser feito sem que milhões de trabalhadores inocentes sejam atingidos com a paralisação das grandes empreiteiras e de setores fundamentais para o crescimento do país.

Pois bem, nesta segunda-feira, o economista Gesner Oliveira publicou um artigo na Folha de S.Paulo, onde ele se diz chocado com os danos ao Brasil causados pelo que está sendo feito pela mídia e pelo juiz Sérgio Moro. Eis um trecho:

“Exercício simples utilizando dados do IBGE mostra que o potencial de destruição de renda e emprego de uma Operação Lava Jato mal conduzida pode custar mais de R$ 200 bilhões em termos de PIB e mais de 2 milhões de empregos.”

Antes que os coxinhas que frequentam o blog se apressem em dizer que se trata de mais um economista petista-bolivariano, convém esclarecer que Gesner Oliveira é tucano. E não é um tucano qualquer.

Ele foi um dos principais conselheiros da campanha de José Serra, em 2010, e foi indicado pelo senador tucano para a direção da Sabesp, depois de ter sido dirigente do Conselho Administrativo de Defesa a Econômica no governo Fernando Henrique.

Negar a crise econômica ou fechar os olhos para os erros do PT seria burrice. Mas, não querer enxergar os interesses políticos e os malefícios causados pela condução da Lava Jato, também não é sinal de inteligência.

9 comentários

  • Palmeirense Atento

    Lógico que defender a “Tucanada” não vai adiantar, até mesmo porque tenho a plena convicção de que todos roubam e sobretudo escondem por anos como os Tucanos fazem. Mas o PT está roubando tanto que não conseguem nem esconder e nem controlar o rombo que seu partido está provocando no país. Olha querido blogueiro, eu sei que religião e política são coisas que geram muita polêmica mas duas coisas não se podem negar na atual conjuntura brasileira: os evangélicos estão absurdamente alienados e o PT está se demonstrando uma quadrilha privilegiada. Nem míseros salários mínimos do povo brasileiro estão poupando. Eu acreditava que o saque das contas poupanças era mera imaginação do povo mas depois do roubo descarado do PIS da população eu não duvido de mais nada que venha do PT.

  • Eis o artigo, por inteiro:

    Mitos da Lava Jato podem levar à depressão

    GESNER OLIVEIRA, FERNANDO S. MARCATO E PEDRO SCAZUFCA

    A investigação de irregularidades em contratos da Petrobras é fundamental para o aperfeiçoamento de nossas instituições. A apuração dos fatos e a eventual condenação dos responsáveis são necessárias.

    Até agora, contudo, o espetáculo na investigação da Operação Lava Jato prevaleceu sobre o conteúdo. E o real objeto de investigação deu lugar a mitos que causam enormes prejuízos ao emprego, à produção e, ao final, retarda o próprio processo de aperfeiçoamento institucional.

    Há três noções que têm apelo popular e dão boas manchetes, mas que são totalmente equivocadas e geram efeitos devastadores.

    A primeira é a proposição de que a Petrobras teria sido vítima de um cartel de empreiteiras. Tal noção é insustentável. Do ponto de vista da defesa da concorrência, não faz sentido discutir qualquer infração sem a compreensão de qual é a estrutura do mercado na qual o suposto ilícito teria ocorrido.

    No caso da Lava Jato, a Petrobras tem enorme poder de compra, para não dizer poder absoluto. O termo técnico é pouco conhecido: trata-se de um monopsônio, situação na qual há apenas um comprador, que pode, portanto, orientar e dirigir o mercado. Não há margem para os fornecedores formarem um cartel e prejudicarem o comprador.

    Tal fato é ainda mais claro no caso da Petrobras que detém o comando do processo de contratação mediante regime jurídico que limita o raio de manobra de suas contratadas. A lei nº 9.478/97 (Lei do Petróleo) autorizou a companhia a celebrar contratos por meio de procedimento licitatório simplificado.

    Assim, a Petrobras deixou de seguir o modelo tradicional estabelecido na lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações) para desenvolver forma própria de contratação de bens e serviços. Portanto, a barreira à entrada de novos competidores decorre não de uma ação concertada entre empresas, mas do próprio formato de contratação sob o comando da Petrobras. É a Petrobras quem define os participantes das licitações por intermédio das cartas-convite.

    A segunda noção equivocada é a de pretender que as empresas investigadas deixem de participar de novas licitações. Não há base constitucional para impedir que empresas sob investigação, que não tenham sido condenadas em última instância, participem de licitações.

    Do ponto de vista econômico, equivale a excluir atores do mercado e diminuir a concorrência. A proposta que pretende defender a concorrência termina por reduzi-la, ampliando os custos para os órgãos públicos contratantes.

    O terceiro equívoco é o de que os excessos e a espetacularização da Lava Jato são neutros do ponto de vista econômico. Chega-se a argumentar com um misto de cinismo e ingenuidade que grandes empresas nacionais poderiam ser rapidamente substituídas por outras, inclusive estrangeiras. Não se deve admitir que o clamor popular execre e destrua o patrimônio e empresariado brasileiro, com impactos nefastos na economia.

    Exercício simples utilizando dados do IBGE mostra que o potencial de destruição de renda e emprego de uma Operação Lava Jato mal conduzida pode custar mais de R$ 200 bilhões em termos de PIB e mais de 2 milhões de empregos. É um passo na direção de algo pior que a recessão vivida atualmente: a depressão.

    Deve-se aperfeiçoar as relações entre público e privado, cobrando transparência e governança. Não se pode, entretanto, querer saciar uma sanha irracional por vingança aniquilando a experiência e o talento empreendedor nacionais.

  • animado

    Bem, o que estamos fazendo com a operação lava-jato (ampla cobertura na imprensa) tem dois aspectos: o jurídico – tudo está sendo feito dentro das leis vigentes – e o político, e voces do PT não estavam acostumados a tomar do remédio que., no passado, viviam de denúncias, ofensas, Fora FHC, etc… contra os opositores. Agora suportem a luta política, além do mais o presidanta perdeu as condições morais de governar pois praticou um estelionato eleitoral.
    Além do mais este economista é um petralha a serviço da causa, portanto, o que ele escreve vale o que vale uma nota de 3 reais, ou seja, nada. Só para para os petralhas e melitontos ficarem ainda achando que estão sofrendo um injustiça por terem roubado tanto os cofres públicos.

  • Agora quem da' bola e' o PMDB

    Como estamos passando por uma recessao economica devido a falta de dinheiro do governo em manter as politicas sociais, como tambem a inflaçao alta, juros altos. etc portanto nao podemos creditar o desemprego a operaçao lava jato
    A espetacularizaçao midiatica, vazamentos seletivos, a condenaçao sem julgamento e as delaçoes (que o Cardozinho e o PT reclamam), fazem parte do processo e a midia existe para isso.
    Tortura, eu acredito que e’ menos do que na epoca do Lula, FHC e Dilma.
    Os petistas brigam muito com os tucanos mas quem manda e se beneficia com o operaçao lava jato e’ o PMDB

  • carlos cavalcanti

    Sempre haverá o xororo. Não basta escancarar, não basta provar, não basta ter alguém com “aquilo roxo” pra encarar o poder sozinho, não basta achar os gatunos, não basta provas, caguetagem, sempre haverá o xororo.

  • o loco

    O loco !!!
    Escândalos e mais escândalos
    Mudam os cenários mas os atores são os mesmos: governo petista, empreiteiras e uma estatal sendo sangrada para financiar o projeto de poder do PT.
    E se fosse o PSDB ou o DEM , seria a mesma coisa?
    O que se discute é o que está acontecendo e não o que aconteceria …
    Se acontece ou aconteceu no governo da oposição, é errado e merece ser punido da mesma forma .

  • Pipoqueiro

    Tem que passar o Brasil à limpo e a realidade do desemprego é fato.
    Mande os seus socialistas criarem empresas e gerarem empregos, antes de ficarem embolsando bilhões de reais desviados de escândalos.

  • Agora quem da' bola e' o PMDB

    O impeachment da presidenta passa pelo PMDB que ja’ esta’ mandando atraves dos 3 poderes com Eduardo cunha (camara), Renan Calheiros (senado) e Michel Temer (vice).
    Se um dos 3 processos que correm contra a Dilma no TSE, TCU e STF voltar para a classe politica e o PMDB se fizer um acordo com o tucano Aecio.
    Dilma cai

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *