EMPRESA DE PEDÁGIO DIZ QUE DEU R$ 5 MILHÕES A ALCKMIN, POR MEIO DO CUNHADO

Deu no Brasil 247, com informações da Folha de S.Paulo:

O candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, apontado como o “santo” das planilhas da Odebrecht, tem um novo problema para resolver, além da baixa popularidade. A CCR, maior concessionária de estradas do país, revelou ter doado R$ 5 milhões para o caixa dois da sua campanha ao governo paulista em 2010. O dinheiro teria sido entregue ao cunhado de Alckmin, Adhemar Ribeiro e a denúncia de propinas também atinge os tucanos José Serra e Aloysio Nunes.

Quem informa é Mario Cesar Carvalho, na Folha. “A CCR, maior concessionária de estradas do país e quinta do mundo, deu cerca de R$ 5 milhões para o caixa dois da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) em 2010, segundo relatos feitos por representantes da empresa ao Ministério Público de São Paulo. O dinheiro teria sido entregue ao cunhado de Alckmin, o empresário Adhemar Ribeiro, segundo a narrativa feita à Promotoria, e não consta da prestação de contas. É a segunda vez que o cunhado é associado a arrecadações ilegais de campanha. A Odebrecht relatou em acordo de delação ter entregue R$ 10,7 milhões a ele, também na campanha de 2010”, relata Mario.

“A CCR não pode fazer doações eleitorais por ser concessionária de serviços públicos, como estradas, metrô e barcas. Já era esse o entendimento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) à época da doação, em 2010. Três anos depois esse veto virou lei na minirreforma política. A empresa tem a concessão de algumas das principais rodovias paulistas, como o complexo Anhanguera-Bandeirantes e trechos da rodovia Castello Branco e da Raposo Tavares”, aponta ainda o jornalista.

Em São Paulo, as tarifas de pedágios estão entre as mais caras do mundo. “Nos relatos reunidos pelo promotor José Carlos Blat, a CCR aparece como doadora de R$ 23 milhões para três políticos tucanos de SP entre 2009 e 2012: além de Alckmin, são citados o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e o senador José Serra. Os valores que teriam sido entregues a Serra e Aloysio ainda não foram apurados.”

4 comentários

  • Jales-exburacosp

    Calúnia isso,mesma turma que incriminou o Lula,não acreditem tudo honesto

  • Previsões para Alckmin

    Certamente a rejeição ao nome de Alckmin tem aumentado, sobretudo em função dos escândalos de corrupção que cerca seu partido, o PSDB, em seu estado.
    Delatores da Odebrecht denunciaram ter entregado, em troca do favorecimento em obras do metrô e saneamento, propinas de R$ 10,7 milhões ao caixa dois das campanhas de Alckmin em 2010 e 2014, como também a CCR. Alckmin nega todas as acusações. Logico!
    Como resultado da investigação das obras do Rodoanel paulistano – cuja construção atravessou os governos Alckmin e José Serra –, a polícia federal mandou prender um dos principais operadores tucanos, o ex-diretor da Dersa Paulo Preto, ligado sobretudo a Serra. Ele só foi solto por ordem do ministro do Supremo GIlmar Mendes.
    Diante destas acusações, ele poderá crescer nas pesquisas, em SP, com o apoio dos prefeitos, vereadores e deputados pois com isso, poderá atrair (1) o empresariado, o agronegócio e setores da centro-direita insatisfeitos com a candidatura de Bolsonaro (seu rival) (2) como DEM, MDB e partidos menores (com mais tempo de tv) (3) e os votos do governo federal, no Nordeste.
    Se vai acontecer, eu não sei pois acho dificil.

  • TIMELO REGO

    ELE DEVE TA TÃO PREOCUPADO. NEM VAI DORMIR

  • E ele nem pode argumentar dizendo que cunhado não é parente (é castigo,dizem),afinal o dinheiro era pra irrigar sua campanha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *